Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Os gatos falam "eu te amo"

E para aprender a dizermos ao nosso felino " eu te amo" e esperar que ele nos responda, basta ler este artigo:

Isso mesmo, os gatos falam “eu te amo”. Na verdade eles falam várias coisas, o tempo todo, nós humanos é que temos um pouquinho de dificuldade para entender… Porque, claro, eles não falam com palavras, falam do jeitinho deles: com gestos.

E é com um gesto que eles falam “eu te amo”: olhando para você e piscando os olhinhos, bem devagar.

Só isso. Bem subtil como quase tudo o que eles fazem, mas bem profundo também. Para os gatos, que são tão preocupados com segurança e adoram se esconder em tocas, fechar os olhos na presença de outro animal (ou humano) é uma demonstração imensa de confiança. Então quando fazem isso por querer e bem devagar, olhando para você, é porque definitivamente querem dizer algo: que te amam muito e se sentem seguros com você.

Quem desvendou a piscadinha dos gatos pela primeira vez foi a comportamentalista americana Anitra Frazier. E ela descobriu mais: se piscarmos “eu te amo” para nossos gatos, eles podem piscar “eu te amo” de volta! Fofo assim!

Para aprender a piscar direitinho, a dica vem do Jackson Galaxy: pratique no espelho! E enquanto pisca, fale mentalmente E-U-T-E-A-M-O, bem devagar, assim você não apressa demais as coisas. E depois, pisque para o seu miau e espere a resposta!

Outro jeito de aprender é, claro, observando os gatos. Existe uma chance grande de seu gatinho estar declarando o amor dele todo dia e você não estar percebendo. Só não vale confundir “eu te amo” com os olhinhos fechando de sono!

E se seu peludinho ainda não estiver pronto para “falar”, não desanime! Ele pode demonstrar o amor dele de outros jeitos: indo te cumprimentar na porta, pedindo agrado, ficando perto de você, deitando no seu colo, na sua cama, no seu teclado… É que para alguns gatos o “eu te amo” é simplesmente mais difícil de sair!

Também vos acontece isto?

 

Comprei uma cama para a Becas e outra para a Amora, cada uma com a sua mantinha.

A Becas dormiu lá uma vez ou duas, durante o dia, enquanto ainda estava separada da Amora.

A Amora, nunca quis lá dormir. Apenas servia para amortecer a queda, à noite, quando saltava da nossa cama, ou para estar lá dentro a brincar.

Nos últimos dias, durante o dia, e com uma cama ao lado da outra, têm-se deitado as duas na cama da Amora!

A importância dos arranhadores para gatos

 

 

Ainda na nossa primeira ida ao veterinário com a Becas, a veterinária aconselhou-nos a arranjar um arranhador, de preferência, horizontal.

Com a Tica nunca tivemos nenhum. O arranhador dela era o sofá, as caixas de cartão, os tapetes, os jornais!

 

 

Mas, afinal, qual é a importância dos arranhadores para os gatos?

 

1 - Afiar as unhas

Para além de servir de brincadeira para os gatos, sobretudo para os mais pequenitos, o arranhador serve também para que eles desenvolvam os seus instintos, entre os quais, o de afiar as unhas.

Como as suas unhas nunca param de crescer, e unhas grandes são um incómodo para os gatos, é importante que, periodicamente, eles as vão desgastando, e retirando as camadas superficiais, para renovação das suas superfícies.

 

 

 

2 - Demarcar território

Por outro lado, os arranhadores permitem-lhes demarcar o seu território, outro dos seus instintos. Essa demarcação é conseguida através das glândulas odoríferas que possuem nas patas. Assim, sempre que arranham alguma coisa, deixam o seu cheiro.

 

3 - Alongamento e Relaxamento

Os arranhadores proporcionam ainda, através do acto de arranhar um relaxante alongamento para os músculos e tendões dos gatos.

 

4 - Chamar a atenção

No caso dos gatos domésticos, o ato de arranhar provém da necessidade de chamar a atenção dos donos, principalmente os que passam muito tempo sozinhos .

 

 

A Utilidade dos Arranhadores

Desta forma, e para evitar que os gatos utilizem móveis e sofás, ou outros, para todas estas funções e desenvolvimento dos seus instintos, foram criados os arranhadores para gatos, já que lhes permitem exercitar enquanto brincam, sem causar danos aos móveis e objetos domésticos, e não há lugar à repressão dos seus instintos naturais, que poderia levar a que os gatos se tornem animais desequilibrados, reprimidos e agressivos.

 

 

 

O que ter em conta na hora de escolher um arranhador

Existem várias opções de arranhadores no mercado, com vários tamanhos, cores e materiais diferentes.

O mais importante é que o gato goste do arranhador e se sinta atraído por ele, pelo que devemos ir observando o nosso gato para tentar perceber o que mais lhe chama a atenção e como arranha, normalmente, aquilo que apanha pela frente, já que alguns gatos preferem arranhar na horizontal e outros na vertical, e enquanto que uns preferem materiais mais rústicos, outros optam pelos mais macios.

 

 

arranhador-2.jpg

 

Como estimular os gatos a utilizar o arranhador?

Da mesma forma que para muitos outros comportamentos - incentivando com elogios e recompensas, de forma a quebrar a resistência que eles possam ter inicialmente.

Uma Velha e o Seu Gato...

 

...e A História de Dois Cães

 

Sinopse:

"Dois dos mais emblemáticos contos de Doris Lessing, Nobel da Literatura. Era célebre a sua paixão pelos animais, especialmente os gatos, bem patente nestas duas histórias. Em Uma Velha e o Seu Gato, uma mulher de sangue cigano, agora velha, viúva, com pouco contacto com os filhos adultos, vai-se lentamente desligando do mundo, das normas sociais e da convivência com os outros. A sua grande companhia é o seu gato, com quem se vai tornando cada vez mais selvagem e mais afastada dos outros humanos. Em História de Dois Cães, Doris Lessing narra a fascinante amizade entre dois cães, até ao fim da vida de ambos. Um é morto a tiro por roubar ovos, o outro, envelhece e entristece com a perda do amiga e acaba por ser posto a dormir."

Coleiras com guizos - porque não se deve usar

Na primeira ida ao veterinário, com a Becas, falámos sobre os vários desparasitantes externos, incluindo as coleiras.

Como ela ainda é muito nova, não pode usar já, mas caso optássemos por esse método, e para ela se ir habituando a ter algo no pescoço, até mesmo para sua identificação ou dos donos, poderíamos já utilizar uma coleira normal.

No entanto, nada de coleiras com guizos! 

Porquê?

Porque nós podemos até pensar que eles ficam muito giros com eles, já para não falar que é mais fácil saber por onde andam, através do som dos guizos.

Mas os gatos não partilham dessa opinião!

Como predadores, e caçadores por natureza, para não denunciarem a sua presença às possíveis presas e, ao mesmo tempo, para sua própria protecção, os gatos gostam de passar despercebidos a tudo e todos à sua volta. Por um lado, não podem deixar a sua presa saber que estão por perto, sob pena de perderem a sua refeição. Por outro, como presa, não podem deixar que os predadores os descubram, senão eles próprios tornam-se a refeição deles.

Os guizos tornam esse objectivo impossível, deixando-os nervosos e frustrados, para além de que um som que para nós é mínimo, para os gatos, que têm uma audição apuradíssima, é muito mais forte e irritante.

Diz-se que, a longo prazo e em alguns casos, o uso dos guizos pode mesmo provocar problemas neurológicos no animal.

E por aí, são a favor ou contra o uso dos guizos nas coleiras? Costumam usar nos vossos gatos? 

 

 

A história por detrás do guizo

A ideia do sino no pescoço do gato é muito antiga, e podemos encontrá-la numa das fábula de Esopo:

"Há muito tempo, os ratos reuniram-se em conselho para decidir a maneira de se verem livres do gato que andava permanentemente à caça deles.
O gato era muito esperto, deslocava-se furtivamente, sem fazer barulho e, quando atacava, era mais rápido e mortífero do que um relâmpago.
Vários ratos expuseram as suas ideias, e a reunião prolongou-se pela noite fora. Nenhum dos planos parecia resultar, até que um rato muito novo pediu a palavra.
 
- Proponho - disse ele - que se pendure um guizo ao pescoço do gato. E, assim, cada vez que ele se mexer, o guizo toca e avisa-nos do perigo. Ouvimos o som e temos tempo de fugir.
 
Os outros ratos acharam que era uma óptima ideia e foi uma chiadeira de entusiasmo e aplausos.
 
Então, um velho rato, que tinha ficado calado durante todo o tempo, levantou-se e disse com gravidade:
- A tua proposta é excelente e tenho a certeza de que vai dar resultado. Mas pergunto uma coisa.
Calou-se.
 
- O que é? Faça a pergunta- chiaram os outros ratos.
 
- Quem - disse o velho rato - vai pendurar o guizo ao pescoço do gato?
 
Desta vez, nenhum dos ratos teve mais nada a dizer."

 
Versão de Ricardo Alberty, Fábulas de Esopo

Como é que os gatos sabem quem gosta deles?

Certamente já devem ter reparado que um gato não costuma chegar perto de determinadas pessoas. E porque será? De acordo com o Internacional Cat Care, a resposta está na linguagem corporal dos humanos.

 

Normalmente, as pessoas que gostam de gatos, aproxima-se, tentam fazer festinhas, mas as pessoas que não gostam, olham para baixo, não encaram o gato, ficam quietas. E assim sendo, o gato compreende quem quer a sua aproximação, quem realmente gosta deles.

gato-carinho[1].png

Manual do Gato

 

A Arte Plural Edições, do Grupo Bertrand Círculo, lançou o livro "Manual do Gato", um manual prático com conselhos e dicas de especialistas sobre nutrição, cuidados com o pelo, exercício e comportamento do animal, em páginas que fornecem informação detalhada sobre saúde, que ajudará a manter o gato saudável, a identificar rapidamente qualquer doença e até a prestar os primeiros socorros em caso de emergência.

 

O meu marido comprou-o este fim-de-semana, mas confesso que ainda não o espreitei!

 

  • Blogs Portugal

  • Pág. 1/7