Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Estará o Riscas com conjuntivite?

pusolhos.jpg

O Riscas está com uma espécie secreção ocular. Tem um pus claro e lágrima nos olhos, e também os olhos menos abertos e radiantes, como de costume. Ontem tinha só num, hoje tem nos dois. Fui pesquisar e percebi que isto pode ser causado pelo frio, pela poeira, pólen A conjuntivite pode ser causada não só por factores externos, mas também por um mau funcionamento interno, como uma infecção bacteriana. Ora frio, nesta altura não há, e poeira cá em casa, só a normal…Também li que é mais propício que apareça no verão, e a este problema dão o nome de conjuntivite.

 

Se for mesmo conjuntivite os olhos vão inchar e aconselham a ir ao veterinário, o chato é que além do remédio, haverá uma consulta para pagar que nesta altura, não me dava muito jeito. Aconselham a que se limpe os olhos do gato com uma gaze e soro fisiológico, nunca algodão, pois os fiapos poderiam piorar a conjuntivite. Isso já fiz!

 

Quem já teve conjuntivite aqui do clube foi a Amora, e além do soro tinha mais dois tipos de gotas para usar, mas como cada caso é um caso, e cada gato é um gato, não posso simplesmente perguntar à dona o nome dos medicamentos e ir comprá-los e colocar no Riscas.

 

Também sugerem remédios caseiros como a camomila, preparada como um chá e aplicada fria. Será que as saquetas do chá que se vende no supermercado, serve!?

 

Recomendam igualmente líquidos para banhos oculares, como colírios, para os gatos com problemas nos olhos, que são vendidos em lojas de animais e também em clínicas veterinárias. Estes produtos contêm pH específico que respeita a individualidade do gato e ajuda a combater a conjuntivite.

 

É essencial que o gato esteja bem alimentado e que o sistema imunológico seja fortalecido, assim o gato estará forte para combater qualquer ataque de bactérias ou infecções.

 

Vou aguardar, e no caso de piorar lá terei mesmo de ir ao veterinário!

 

Amar não é aprisionar, mas sim dar liberdade

Ontem estava a passar pelo facebook, numa página de gatos, que já não me recordo do nome, (com muita pena minha, pois ia ajudar-me neste post) e vi uma história, da morte de uma gata. Uma gata, que sempre foi uma gata de rua e que nunca conseguiram que fosse feliz dentro de uma casa, apesar das várias tentativas de particulares e associações. E nos comentários, percebi dois tipos de opiniões: os das pessoas que achavam que a rua não era local para a gata sobreviver e a das pessoas que diziam que a gata só seria feliz na rua e que “amar não é aprisionar, mas sim dar liberdade”. E se por lado, eu também sempre achei que a rua nunca seria segura para os gatinhos, e que o ideal seria todos terem um lar; o que é certo é que se um gato que sempre foi de rua se sentir aprisionado, mesmo tendo mais conforto, dificilmente será mais feliz dentro de casa do que fora. Da mesma forma, que um gato que sempre viveu dentro de casa, se tiver a infelicidade de ser abandonado na rua, nunca será feliz, terá fome, calor ou frio, nem se saberá defender capazmente.

 

Talvez a resolução para um gato que sempre foi de rua, esteja num lugar onde pudesse ter rua sim, mas com protecção, por exemplo uma quinta, com espaço, árvores, cabanas, outros animais, mas com uma cerca que os protegesse dos perigos. Mas acredito que a maior parte das vezes tal não é possível. Mas uma coisa é certa, o animal tem de estar com o que o faz feliz, mesmo que essa felicidade seja em tempo mais curto. Do que vale viver em segurança e conforto, se a tristeza for imensa!?

 

Quando, eu própria tirei o Rafael do campo, onde eu o via tão feliz a correr pela horta na brincadeira com os irmão, tive dois sentimentos que entraram em contradição dentro de mim: estava a tirá-lo do ambiente de onde ele parecia tão feliz, mas estava a levá-lo para um local mais seguro. Felizmente, talvez por ele ainda ser novinho, adaptou-se bem ao novo lar, e parece-me continuar feliz. Mas e se eu o visse triste e deprimido, como me iria sentir? Teria coragem de o devolver ao seu ambiente, mesmo sabendo que um dia poderia saltar o muro, ir para estrada, ser atropelado, ou andar sujeito a parasitas, a doenças!?

 

Não são decisões fáceis de tomar, nem de depois vivermos com elas!

rafanahorta.jpg

 

Os Tarecos das Alcarias

Foto de Tarecos Das Alcarias.

 

Quem são os Tarecos das Alcarias?

 

Alcarias é uma aldeia, pertencente ao concelho de Ourique, distrito de Beja que conta, actualmente, com cerca de 20 habitantes humanos, e muitos habitantes felinos.

 

"Numa comunidade em que nem conseguimos saber ao certo quantos somos, todos os dias aparecem novos gatinhos, somos para cima de cinquenta. Os nossos amigos humanos não conseguem alimentar-nos, e estamos morrendo um pouco todos os dias, estamos desesperados sem uma solução para este problema. Necessitamos de comida, de ajuda e de alguém que possa adotar alguns de nós!"


Nélia, que sempre conviveu desde criança com várias espécies de animais, influenciada pela sua filha Daniela, que é também apaixonada por animais, decidiu pôr mãos à obra, e responder ao apelo dos bichanos deixados na aldeia.

 

Assim, Nélia ficou responsável pela página do facebook, divulgação e fotografia.

Daniela, pelo tratamento dos gatinhos, fazendo de enfermeira.

 

Juntas, com algumas pessoas que se ofereceram para família de acolhimento temporário, e outras que estão no local e vão alimentando os felinos, conseguiram ainda, há cerca de um ano, esterilizar/castrar um total de 14 gatos / gatas, número insuficiente para a quantidade de animais existentes nas várias colónias. Foram entregues para adoção cerca de quarenta tarequinhos.

 

Mas a missão continua:


"Neste momento, debatemo-nos com as várias ninhadas de gatas que não foram esterilizadas, para as quais fica difícil arranjar adotantes."

 

A cada dia, surgem novos gatinhos, outros ficam doentes, outros precisam de alimento, e continua a ser necessário controlar a colónia.

O longe faz-se perto, indo mãe e filha à aldeia sempre que podem. E a união faz a força, mostrando que bastou duas pessoas quererem, para outras se lhes juntarem, e tornar real a ajuda aos tarecos.

No entanto, é preciso muito mais, e é por isso que o Clube de Gatos do Sapo se uniu a esta causa!

 

A limitação geográfica nas adopções de animais

Resultado de imagem para adoção animais

 

No que respeita a adopções de animais, nomeadamente, cães e gatos, para além de vários outros requisitos, há um que não consigo compreender totalmente: a limitação geográfica.

 

Por norma, algumas associações e cuidadores de animais impõem esse limite, restringindo os possíveis adoptantes a determinadas zonas/ localidades que se situem perto dessas associações/ cuidadores, pelos seguintes motivos:

 

- para aquelas que gostam de entregar em casa dos adoptantes, é mais fácil e evita gastos em deslocações (até aqui, percebo)

- é, igualmente, mais fácil surgir adoptantes que morem perto, do que de longe

- as associações/ cuidadores afirmam que é mais fácil, em caso de devolução, receberem de volta os animais

- afirmam também que é mais fácil seguir os animais entregues para adopção

 

E é nestes dois últimos pontos que me parece haver contradição:

- quem garante às associações/ cuidadores, que os adoptantes lhes vão entregar de volta esses animais, no caso de chegarem à conclusão que não querem ficar com eles? Quem garante que os mesmos não sejam abandonados à sua sorte, noutro sítio qualquer?

 

- e de que forma é que as associações/ cuidadores conseguem acompanhar todos os animais que entregaram para adopção, quando eles próprios dizem que "já foram tantos os que passaram por nós, que de muitos já nem nos lembramos".

 

Bons e maus adoptantes, tanto existem perto como longe. Pode haver um bom adoptante a quilómetros, e um mau adoptante na localidade ao lado.

E se um adoptante quer muito um animal, de certeza que está disposto a ir buscá-lo seja onde for, se for essa a intenção.

Por outro lado, cuidado com as aparências. O facto de entregarem os animais em casa, para assim tentarem confirmar as condições em que viverá, e verificar as pessoas vão adoptar, não significa que, viradas as costas, as coisas sejam como mostraram.

 

E é ainda mais contraditório limitar os adoptantes a zonas que são, precisamente, conhecidas e pautadas pelo abandono animal.

 

Compreendo que não queiram entregar um animal no qual investiram tempo, dinheiro, dedicação e amor, a qualquer um, podendo errar e deitar tudo a perder, mas tudo o que é em demasia acaba por ser mais prejudicial que benéfico, e podem estar a negar várias oportunidades, aos felinos e caninos, de ter uma família. 

Os meus "afilhados" Pompom e Oreo

IMG_4622.JPG

IMG_4624.JPG

IMG_4625.JPG

Custa não poder entrar lá dentro (quer dizer, poder até posso, mas não devo), e tentar perceber o que se passa com eles.

Ultimamente, são raras as ocasiões em que se vê o pai, a mãe e a tia. Estas últimas, sei que ainda por lá andam,mas raramente as vejo.

O Mini Riscas, bebé amarelo igual ao pai, nunca mais o vi.

Agora, são estes dois meninos que vejo mais vezes e, de certa forma, parece que o Pompom (branco), ficou encarregue de proteger e cuidar da irmã (para mim é uma gata), a Oreo!

A Oreo é a mais pequenita dos três.

Quando passei para baixo ao almoço, dormia a Oreo, e o Pompom vigiava. Pelo menos, não fugiram desta vez.

À vinda para o trabalho, coloquei comida, e o Pompom enroscou-se como que a dizer que não havia perigo. Voltou a olhar quando pus água, mas deixaram-se ficar os dois.

Tenho muito receio por eles.

Os gatos de rua comem qualquer coisa?

Imagem relacionada

 

Se a fome for muita, e não houver mais nada, que remédio.

Mas será que, por serem gatos de rua, devemos partir do princípio que podem comer qualquer coisa que se ponha lá para comerem?

 

Que se podem dar por satisfeitos com os restos da nossa comida e, muitas vezes, com cada "mixórdia" que, só de olhar, até dá vómitos, ou até comida estragada?

Que não têm o direito de escolher ou ter preferências quanto a rações?

 

Só porque são gatos de rua, e não têm dono, não significa que não possam ser tratados com dignidade, e que não tenham eles próprios as suas preferências, mesmo que nem sempre as possam satisfazer.

Já ouvi várias vezes os cuidadores de gatos de colónias afirmarem que eles não gostam de todo o tipo de ração.

 

Eu pude comprovar isso com os meus "afilhados"!

Sempre lhes dei Friskies, que comprava em embalagens pequenas, porque não era preciso colocar comida todos os dias (havia mais pessoas a fazê-lo).

Depois, como começaram a comer mais e tinha que repôr mais vezes, comprei um saco de ração no Lidl, pelo mesmo preço, mas mais quantidade.

Coloquei lá na caixa, e por lá permaneceu dias e dias. Não percebia como é que, num dia, devoraram 3 caixas de Friskies e, depois, numa semana, a nova ração continuava lá quase toda.

Voltei a comprar Friskies, coloquei lá, junto com o resto da outra, e a caixa ficou vazia!

 

Fazem lembrar a Tica, que também só comia ração desta marca, e o Riscas, que é igualmente fã da marca.

O Cantinho da Adopção! #50

Sem Título.jpg

 

"Sou a Luna, fui recolhida da rua e estou em fat, mas só até ao final do mês. Tenho 3 meses e procuro uma família para a vida ou, no final de Agosto, terei de ir para uma jaula no abrigo pois já não posso ficar nesta fat. Logo agora que corro e brinco, vou ficar fechada numa jaula. Ajuda-me, prometo muito amor.

Estou desparasitada, e serei entregue com a 1 vacina.

Adopçao responsável e consciente.Esterilização obrigatória aos 6 meses e assinatura de termo de responsabilidade.

Se acha que tem condiçoes financeiras e amor para dar a esta doce gatinha contacte através do telemóvel 966736775 -Carla Martins.

Dá-se preferência a adopçao na margem sul do tejo.

Entrega da menina feita em casa do adoptante."

 

https://www.facebook.com/carla.martins.3705157/videos/1535862253144118/

 

  • Blogs Portugal

  • Pág. 1/6