Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Olá, eu sou o Distruction

 

11061204_957190310958584_4856828697725671526_n.jpg

 

 o companheiro do Mickey.

Tenho oito anos e embora seja o gato mais meiguinho do mundo para a minha dona, eu não gosto de mais ninguém e tenho mau feitio.

Ela viu-me num anúncio urgente, em 2009, na Exposição de Cães e Gatos no Parque de Exposições em Braga, na tenda do Canil de Barcelos. Como não tinham condições para ter gatos no canil, eu ia ser abatido. Ela ficou muito triste quando viu o anúncio. Dizia “gatinho de 6 meses, muito meiguinho, precisa urgentemente de uma casa ou terá de ser abatido” (mal sabia ela a fera que lhe esperava).

Eu nasci em Barcelos, mas como nasci com uma deficiência na pata, os meus irmãos negligenciavam-me e a minha dona não me queria, por isso deixou-me no canil dizendo que me tinha encontrado na rua....Que culpa tenho eu de ter nascido assim?

Ela ficou muito triste e pediu à mãe para me adotarem ou pelo menos para me tentarem arranjar uma casa. Três dias depois, fui para um café, a pedido da mãe, e entra o padrasto com uma caixa de transporte. Mal conseguia ela acreditar que ia ser minha dona. Ela cuidou muito bem de mim, educou-me e protegeu-me sempre.

Mesmo quando as pessoas diziam que eu era um gato horrível, ela defendia-me, dizia que eu tinha este feitio porque os humanos assim me tornaram. E embora ela me dê na cabeça por eu ter mau feitio, ela ama-me muito. Eu por vezes finjo que não quero companhia, mas ela pega em mim e dorme comigo e eu fico a ronronar a noite toda.

Quando ela começou a trabalhar no gatil de Braga, chegava a cheirar a gato e a cão...”anda-me a trair”, pensei eu. Lá me habituei. Pouco depois, senti uma presença a entrar em casa...e durante três dias ela passava o dia no quarto, saíndo muito raramente...quando finalmente consegui entrar, vi-me na presença de uma bola de pelo...”mas que raios é isto?”...

 

Se queres  saber o resto da minha história, aguarda pelo próximo livro do Clube " Viagem ao Mundo dos Gatos".

Miaus para vós.

  • Blogs Portugal

  • 1 comentário

    Comentar post