Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

"Sou o Mickey"

O Mickey pertence há pouco tempo ao Clube de Gatos do Sapo e está aqui para vos dizer que a sua dona é a Sofia, sobrinha da Maria Araújo.

Tem uma longa história para contar, mas deixo apenas uma parte, porque o resto fica lerem na nova edição do livro do nosso clube.

IMG_2244.JPG

 

 

Olá, eu sou o Mickey!

Eu nasci na rua, filho de uma mãe siamesa muito querida chamada Jinda. Eramos seis irmãos. Fomos recolhidos da rua pela Agere e levados para o gatil de Braga.

A minha mamã  amava-nos todos por igual, mas o leite começou a escassear e os meus irmãos não me deixavam comer e eu fiquei muito magrinho mas era energético. Quando tinha cerca de um mês e meio, os meus irmãos eram o dobro de mim. Os humanos tentavam-me dar de comer mas eu não conseguia.

Uma certa noite, quando só estavam duas voluntárias, levaram-me ao veterinário e ela decidiu que eu precisava urgentemente de uma família que, pelo menos, me habituasse a comer.  A voluntária mais nova estava muito preocupada comigo e então, após uma chamada com mãe (“Mamã, está aqui um gatinho que está muito fraco e doente, achas que podemos levá-lo durante dois dias para podermos habitua-lo a comer? Depois ele pode voltar, só temos de o ensinar a sobreviver”) ela acolheu-me durante uns dias. Com muito carinho, ela montou um espaço muito acolhedor para mim no seu quarto e dormiu no chão, com extrema preocupação levantava-se de duas em duas horas para me dar de comer (tinha de me dar paté à seringa e leite pelo biberón), mimava-me e esperava que eu voltasse a adormecer. Sem eu saber, ela por vezes não dormia, ou acordava mais do que regularmente para ver se eu estava vivo. Ninguém acreditava que eu ia sobreviver nem sequer a primeira noite, por vezes, mesmo ela parecia perder a esperança, mas não desistiu de mim. Passou os três dias seguidos à minha beira, saíndo do quarto apenas para preparar a minha comida...

 

E o Mickey tem um companheiro, o Distruction.

A sua história , em breve.

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • 5 comentários

    Comentar post