Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Os gatos também podem viver em família?

Resultado de imagem para família de gatos

 

Será cada vez mais difícil encontrar, hoje em dia,uma família de gatos.

Primeiro, porque os bebés são, ao fim de pouco tempo, entregues para adopção.

Depois, muitas vezes nem se sabe quem é o pai dos gatinhos.

E, cada vez mais, os gatos, mesmo os de rua, estão esterilizados/ castrados, o que impede a reprodução e constituição de família.

 

No entanto, consigo identificar essa vivência em família, nestes gatos que alimento a caminho de casa.

Com o passar dos dias, foram vários os momentos em que vi a mãe gata, o pai gato, e um dos seus filhotes a dormirem juntinhos. Ou a mãe com o filho. A mãe gata é mais apegada ao braquinho, enquanto que o pai gato é mais chegado ao seu reflexo em miniatura.

Por norma, quando não está a mãe, está o pai por perto, para tomar conta deles. A mãe, que me parece de primeira viagem, mostra ser uma mãe "galinha" com as suas crias.

Para além destes, anda por ali também uma tia ou avó, que toma conta dos meninos quando os pais não estão!

Será esta uma excepção à regra ou, de facto, a haver condições para tal, é possível os gatos viverem em família?

Algum dono de cães me saberá elucidar?

IMG_2461.JPG

 

Todos os dias, sempre que vou de casa para o trabalho, e do trabalho para casa, passo por aqui.

Vejo sempre este cão, ali encostado ao gradeamento, com a cabeça de fora, por vezes também uma pata, ou deitado, como nesta fotografia.

Ontem calhei a passar lá já de noite, e ali estava ele. Faça chuva ou sol, frio ou calor, dá-me a ideia de que está sempre ali, e que é o único espaço que tem. Este pequeno átrio de entrada da casa, onde está a sua casota, e que serve de casa de banho.

Num desses dias, tinha mesmo o espaço cheio de dejectos.

Nunca ladra (só uma vez em que parei e falei para ele), nunca se queixa, não aparenta à primeira vista ser um animal mal tratado. Não consigo perceber o que ele sente, mas parece-me sempre com um ar triste e, ao mesmo tempo, conformado.

No entanto, não sou perita em cães.

Por isso mesmo, pergunto se alguém por aí, habituado a lidar com estes animais, me saberá dizer se um cão pode estar confortável e passar os seus dias num espaço assim tão pequeno?

Será que ele é apenas sossegado e se sente bem ali, ou será só uma atitude de resignação?

A mim faz-me alguma confusão, mas não queria tirar conclusões precipitadas sobre um assunto que não domino, de todo.

Alguém que me elucide? Estarei a fazer um bicho de sete cabeças de uma situação perfeitamente normal e aceitável, ou até se justifica a minha preocupação?

  • Blogs Portugal

  • BP