Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

As Nove Vidas de Dewey

 
Sinopse
Nunca houve um gato como Dewey, nem nunca haverá. Era um gato especial, tinha magia. Quando alguém entrava na "sua" biblioteca, na pequena cidade de Spencer, sabia exactamente se a pessoa precisava ou não de uma festinha, de um roçar de bigodes, de um colinho. Dewey transformou a vida a centenas de pessoas, e a sua fama foi crescendo. Começaram a chegar àquela vila perdida no interior dos Estados Unidos turistas, vindos de países tão distantes como a Inglaterra ou o Japão, que apenas o queriam conhecer. Por isso, quando morreu aos 19 anos de idade, a notícia correu mundo... As aventuras do gatinho foram relatadas pela dona, a bibliotecária Vicki Myron, num bestseller que vendeu cerca de um milhão de exemplares. E com o livro surgiram mais histórias, centenas, de outros gatinhos que, como Dewey, eram mágicos. Como Spooky, que devolveu a um veterano de guerra a vontade de viver. Ou Christmas Cat, que numa véspera de Natal sobreviveu milagrosamente a um afogamento para se tornar na alegria de uma amargurada mãe solteira. Em As Nove Vidas de Dewey, Vicky Myron conta novas e fascinantes histórias do seu gatinho e as aventuras de outros gatos, que, como ele, tiveram a capacidade de chegar ao coração dos seus donos, e de lhes transformar a vida para sempre.

Óscar

 

Sinopse
Quando Óscar começou a viver no lar Steere House, em Rhode Island, ninguém lhe prestou especial atenção. Era um gato como os outros, gostava de sol, de uma boa soneca à janela, de se espreguiçar demoradamente. Não era muito simpático, pelo contrário, fugia de mimos e companhia. Mas nem sempre. Quando um dos residentes piorava, o gato começava a visitá-lo com mais frequência. Até ao dia em que suavemente subia para a cama dele, enroscava-se, e dali já não saía. Era o início da vigília, era um sinal do fim. Naqueles momentos Óscar parecia outro; criava uma ponte, abria os corações ao inevitável adeus. E depois, tão silenciosamente como tinha entrado, retirava-se de cena.

Pág. 7/7