Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

O Porto dos Gatos - novo cat café no Porto

A imagem pode conter: texto

 

Abriu mais um cat café em Portugal, desta vez, no Porto!

Foi no passado dia 17 de março que O Porto dos Gatos abriu as suas portas, para dar a conhecer alguns felinos como Fausto, Pires, Jaime, Cuca, Birra e Viriato, que estão para adopção e, ao mesmo tempo, deliciar os visitantes com as melhores receitas vegan da cidade.

 

 

Foto de O Porto dos Gatos.

 

Joana Rocha é uma das responsáveis pelo novo O Porto dos Gatos tendo criado, em conjunto com Fátima Meireles e Débora Montez, a associação Vida de Gato. 

 

 

 

Foto de O Porto dos Gatos.

 

 

O Porto dos Gatos tem três espaços: uma sala onde estão os gatos, com sofás e vários brinquedos para se divertir com eles.

Ao lado, separada por um vidro, está a zona de restauração. Há ainda uma esplanada.

 

 

Quanto a regras, são as seguintes:

Os visitantes só poderão conviver com os animais no exterior e na sala dos gatos, onde a entrada é livre. Por outro lado, só podem entrar 10 pessoas de cada vez.

 

Contactos:

Facebook: O Porto dos Gatos

Morada: Avenida Rodrigues de Freitas, n.º 93-95, Bonfim, Porto, Portugal
 
Telefone: 22 245 2502
 
 
Horário:
 
De 2ª a 5ª e sábados, das 10 às 20 horas.
6ª feira, das 14.30 às 23 horas
Encerra aos domingos

 

Um gato entre galinhas

Ontem à tarde, talvez para aproveitar o bom tempo e apreciar o pôr do sol, os animais saíram todos à rua, como se estivessem na hora do recreio.

Até as galinhas do vizinho andaram a passear pela rua e, a completar o quadro, este(a) panterinha!

 

IMG_5547.JPG

 

IMG_5548.JPGIMG_5546.JPG

 

O que foi engraçado de ver foi a possessividade da Kikas e do Branquinho em relação à comida. Já ambos tinham comido, mas ficaram de guarda, ao lado do prato que ainda tinha ração, só para ver se este novo visitante não ia lá petiscar!

 

Custódia partilhada de animais em caso de divórcio

Resultado de imagem para partilha gatos em divórcio

 

A propósito desta notícia, ocorreu-me o seguinte pensamento: como se resolverão, em Portugal, as situações dos animais de estimação quando os respectivos donos se divorciam ou separam.

Não falando apenas dos casos em que ambos não conseguem chegar a um consenso, mas também quando estão de acordo e iniciam uma espécie de "guarda partilhada", como se sentirão os animais, e de que forma isso os afectará?

O cenário parece ainda pior, quando a situação envolve gatos, que são animais com uma maior dificuldade de adaptação, de rotinas bem definidas e que, à mínima alteração ou mudança, podem desenvolver quadros de stress, apatia, depressão.

 

A partir do momento em que os donos se separam, haverá uma mudança de casa, de território, de pessoas que frequentam o lar, rotinas, horários e tantas outras coisas.

E, se é verdade, que uma mudança definitiva estranha-se, mas com o tempo acostuma-se, o mesmo não se poderá dizer se o animal viver em constante mudança.

 

Imaginem um gato passar uma semana numa casa, com toda uma rotina e regras estabelecidas nesse lugar e, na semana seguinte, passar noutra, com outra dinâmica à qual se terá que habituar para, quando isso acontecer, voltar a mudar novamente para a primeira, e assim sucessivamente.

E quando existe mais que um animal? Fica cada membro com um, separando assim os companheiros? Ou partilham-se ambos? E em semanas iguais, ou semanas alternadas?

 

Não falo aqui dos casos em que um dos membros fica com os animais, e o outro nunca mais os vê, deixando de ter qualquer contacto com os mesmos, porque parto do princípio que, gostando dos animais, não seriam capazes de o fazer. Mas haverá casos em que isso acontece.

 

Assim, de que forma se poderá atenuar os efeitos que uma separação, definitiva ou não, possa causar a um animal de estimação, nomeadamente, um gato?

 

Advogados, veterinários e seguidores que já tenham ou não passado por uma situação destas, aceitam-se esclarecimentos, testemunhos e opiniões sobre o assunto.

 

Vamos enviar energias positivas à Ritinha

IMG_20170626_151402.jpg

 

A Ritinha, gata mais nova da Luísa, e membro do Clube de Gatos do Sapo, está muito doente e com prognóstico reservado.

A Luísa já tinha perdido a Bia, no ano passado, e está destroçada com esta situação da Ritinha, que tem apenas 2 anos.

Os médicos pouco poderão fazer pela Ritinha. 

Quanto a nós, a única coisa que está nas nossas mãos é enviar muita energia positiva para que, de alguma forma, mesmo que pareça absurdo ou impossível, essa energia chegue até à Ritinha e ela consiga transformá-la em força para lutar contra estes problemas que a atingiram, acendendo uma ínfima esperança de se salvar!

Vamos a isso?

 

Não desistas, Ritinha!

O respeito é a base de tudo

Gato, Natureza, Animal, Ao Ar Livre, Mamíferos

 

Faz falta que as pessoas aprendam a respeitar os animais.

Que percebam que não são brinquedos que, num dia, queremos muito, e no outro se põem para um canto porque já não têm piada, ou não servem.

Que não são objectos que, quando não queremos mais ou passam de moda, quando estão a ocupar espaço ou a atrapalhar a nossa vida, deixamos aí num sítio qualquer, à espera que alguém lhes pegue, ou os recolha, ou que eles se consigam desenvencilhar sozinhos.

É preciso que as pessoas percebam que os animais têm sentimentos, muitas vezes mais puros e nobres que os humanos.

E não exigem nada que não lhes possamos dar nesta vida. Amor, carinho, cuidados mas, sobretudo, respeito. Porque com ele, acaba por vir tudo o resto.

  • Blogs Portugal

  • Pág. 1/5