Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

6ª História com Gato Dentro

 

Chega-nos da Maria, e é real:

 

"Uma gata em apuros!

 

A história que vou contar aconteceu com a minha gata Fofinha, e acaba por ter três episódios que até poderiam ter sido engraçados, se não fosse a aflição da pobre coitada!

O primeiro foi quando a levámos pela primeira vez ao veterinário. Naquela altura, achávamos que ela até ia bem numa cesta que tínhamos, e nada de utilizar caixa transportadora. Para lá, foi muito bem. Mas quando chegámos e abrimos a porta do carro, a primeira coisa que ela fez foi saltar da cesta para fora, e enfiar-se na oficina do sapateiro, que ficava mesmo em frente! O homem, coitado, apanhou um valente susto por ver a bichana entrar-lhe porta dentro, e passar quase por cima dele, e nós uma grande vergonha e susto, por termos que andar atrás dela e tentar apanhá-la para trazer de volta a casa!

Da segunda vez, a Fofinha decidiu explorar os telhados das casas junto à nossa, e realmente a subir não lhe custou nada. O pior foi depois para tirá-la de lá. Ela estava com medo de descer, andava de um lado para o outro, olhava para nós e para o chão, fazia algumas tentativas de saltar mas recuava. E nós não tínhamos nenhuma escada que pudessemos utilizar para ir buscá-la. Ao fim de algum tempo, ela ganha coragem e salta para o chão. Claro que, como se costuma dizer, os gatos caem sempre de pé, e com a Fofinha não foi excepção. Só que ficou com as almofadinhas das mãos todas raspadas pelo impacto com o cimento do chão. E nunca mais voltou ao telhado!

Mas como não há duas sem três, e as alturas os fascinam, lembrou-se um dia de ir cuscar os móveis e estantes da sala, e conseguiu subir até à prateleira mais alta. Desta vez, demorou menos tempo a descer, mas f~e-lo de uma maneira tão tosca, que atirou com um candeeiro que se partiu e, ao cair em cima do mesmo, acabou por furar um pouco da perna. Lá teve que ir novamente ao veterinário, mas desta vez já nos prevenimos contra situações embaraçosas!"

 

1 comentário

Comentar post