Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

O ciclo de vida dos gatos

Já por uma ou duas vezes que dei pelo meu gato a atrapalhar-se quando tentava subir para cima do parapeito da janela. Não sei se foi porque lhe tinha cortado as unhas á pouco tempo ou se estaria o parapeito escorregadio, ou ainda, se estaria ele a perder o equilíbrio.

 

Na tentativa de melhor o entender, fiz uma pequena pesquisa, e dela descobri que o ciclo da vida de um gato se divide em quatro fases, que são:

Gatos bebés – faixa etária compreendida entre os  6 e 11 meses;

imagem561.jpg

Gatos adultos – gatos entre  1 a 7 anos de idade;

decorada.jpg

Gatos idosos – entre 8 a 12 anos;

Gatos geriátricos – após os 12 anos.

gatogeriatrico.jpg

 

E assim sendo, o Riscas ainda está na segunda fase, e por isso, acho que ainda não me devo preocupar com isso, certamente foi apenas um caso pontual. Do que li sobre os sinais de que um gato está a envelhecer, o meu gato, não se enquadra nesses mesmos sinais, pois ele continua ativo, continua a correr, a saltar e a brincar…

 

Confesso que fiquei um pouco triste com o que li sobre o envelhecer de um gato. Eles dormem mais, pois estão a colocar o sono em dia, durante a noite vão muitas vezes ao WC, começam a ficar mais gordinhos porque gastam menos calorias. E lá está, é nesta altura que eles têm mais dificuldade em subir para cima de camas, sofás, parapeitos de janelas...

 

Vão ter menos apetite, o que pode trazer problemas no sistema digestivo e nos dentes. Vão inclusive, perder os dentes, para além de outras doenças que tendem a aparecer nesta fase. Bebem menos água e ficam mais dependentes dos donos. Até a memória, a visão, a capacidade de aprender coisas novas, tudo isso se vai perder.

 

É muito triste envelhecer, até em gatos, não tinha noção que era assim tão mau. Felizmente, tal como para os humanos há conselhos e cuidados a ter para que essa fase, seja o menos dolorosa possível.

 

A vida deles é muito curta, num momento ainda são bebés e num ápice já são velhotes. Deve ser por falta de cuidados que os gatos de rua têm um ciclo de vida mais curto que os de casa, aqueles que têm todo o carinho e cuidado dos seus donos.

 

Aqui no clube haverá algum gatinho idoso ou mesmo geriátrico!? Como é que ele está?

As primeiras preocupações

Becas, a destemida, a aventureira, a macaca que salta e pula, e põe-se em pé como se fosse uma pequena ursinha, que não pára quieta e gosta de desafiar a Amora, e dar-lhe umas "dentadinhas de amor" quando ela quer estar sossegada, muda repentinamente.

No fim-de-semana, só queria estar ao colo sossegada, e muitos mimos. No domingo, então, ainda se notou mais. Era a Becas que queria estar sossegada, e a Amora que a desafiava. A Amora parecia que tinha pilhas duracell, nunca a vi brincar e divertir-se tanto. E a Becas, só queria estar deitada.

Ontem, fi-las correr um pouco atrás da corda. Mas quando mandei as bolas, a Becas limitou-se a olhar para elas, sem ir atrás.

Por esta altura, já estávamos de pé atrás e a achar que alguma coisa não estava bem.

Ontem ao final do dia chego a casa e reparo que, perto da porta do corredor, está qualquer coisa no chão, semelhante a vomitado. Perguntei ao meu marido mas ele, enquanto esteve em casa, não deu por nada.

À noite, vejo que a Becas se prepara para vomitar. Saiu apenas líquido. Não devia ter comida no estômago para sair. Depois disso, melhorou. Brincou um pouco com o rato e dormiu até de madrugada, a certa altura, encostada à minha cara.

Foi nessa altura que se preparou para vomitar novamente. Ainda meio ensonada, pensei em limpar hoje de manhã, mas não vi nada. Prestes a levantar-me, apanhei um valente susto quando toco nela e não sinto nada. Acho que estou traumatizada por causa da Tica. Ao fim de alguns segundos lá ela desperta, e me alivia.

Antes de vir para o trabalho, vomitou outra vez. Na primeira tentativa, não saiu nada. À segunda, uma espuma esbranquiçada.

E assim vamos nós hoje ao final do dia com ela ao veterinário, para ver o que se passa com a nossa Becas. Não podemos mais estar à espera que o carro fique arranjado. Vamos ter que as levar mesmo de táxi até ao hospital veterinário, até porque embora não apresente sinais, convém que a Amora também seja examinada.

Começaram as primeiras preocupações.

 

Manual do Gato

 

A Arte Plural Edições, do Grupo Bertrand Círculo, lançou o livro "Manual do Gato", um manual prático com conselhos e dicas de especialistas sobre nutrição, cuidados com o pelo, exercício e comportamento do animal, em páginas que fornecem informação detalhada sobre saúde, que ajudará a manter o gato saudável, a identificar rapidamente qualquer doença e até a prestar os primeiros socorros em caso de emergência.

 

O meu marido comprou-o este fim-de-semana, mas confesso que ainda não o espreitei!

 

A discriminação no mundo felino

 

Fala-se muito em discriminação relativamente aos humanos, mas no mundo felino isso também acontece com bastante frequência.

Muitos gatos são discriminados, diariamente, pelos mais variados motivos ou razões. Muitos gatos vão sendo deixados para trás, abandonados, esquecidos, preteridos, e sem direito a uma família que os acolha e ame, porque não satisfazem os desejos específicos de quem procura um animal.

E, quanto mais tempo vai passando, mais as hipóteses de um futuro risonho vão ficando reduzidas.

 

 

 

Deixo-vos aqui alguns dos principais factores que contribuem para essa discriminação, e para a continuidade de muitos dos animais em associações ou abrigos, e até mesmo, nas ruas.

 

A idade

Uma das principais causas para um gato ser preterido a favor de outro, é a sua idade. À semelhança do que acontece com a adoção no mundo humano, em que as pessoas preferem adoptar bebés ao invés de crianças mais crescidas, também em relação aos gatos isso acontece frequentemente.

Muitas preferem gatos bebés, que sejam criados e habituados a si desde cedo. Para que se adaptem melhor à família e à casa. para que possam acompanhar o seu crescimento.

Existe a ideia de que gatos mais velhos já têm os seus hábitos bem vincados, e será mais difícil adaptarem-se a novas rotinas.

Além disso, quem resiste a um gatinho bebé, pequenino e fofinho?

Por isso, à medida que os meses vão passando, os gatos vão ficando para trás, e ficando cada vez mais velhos. E, quanto mais velhos ficam, menos hipóteses têm de ser levados.

Vêem-se actualmente muitos gatos com 10 meses, 1, 2 ou mesmo 3 três anos, à espera da sua vez, a ver os seus amigos e companheiros mais novos irem embora.

Com mais idade, e salvo raras excepções, já a esperança é tão reduzida que o mais certo é passarem toda a sua vida na instituição que os acolheu.

Até porque é pouco provável que alguém adopte um animal que dali a pouco tempo pode partir.

 

Doenças ou deficiências físicas

Outro dos motivos para as pessoas não escolherem um determinado gato é o facto de este ser portador de alguma doença, ainda que seja uma doença que, controlada, possa permitir alguma qualidade de vida, e não afecte em nada a relação entre ele e a sua família humana.

Mas é claro que as pessoas preferem adoptar gatos saudáveis. Um gato doente é sinónimo de despesas extras, preocupações, trabalho e a possibilidade de não durar muitos anos. Para além do medo de que essa doença seja, de alguma forma, transmissível aos humanos.

Da mesma forma, também os gatos portadores de alguma deficiência física são, muitas vezes, colocados de parte. Não é bonito um gato sem cauda, sem um ou ambos os seus olhinhos, sem orelhas, sem alguma pata, ou que tenha dificuldades que outros não têm.

Mas têm tanto ou mais amor para dar que um gato saudável, e têm o mesmo direito de viver e ser felizes. E tenho a certeza de que serão animais extremamente gratos aos donos que ficarem com eles.

 

 

 

 

 

A Raça

A raça é, muitas vezes, uma exigência fundamental para quem quer adoptar um gato. Talvez porque se valorizem em demasia algumas raças mais conhecidas, e se faça até negócio à custa disso. Para além do gosto pessoal pelas características de uma determinada raça, algumas pessoas sentem-se mais importantes ao se gabarem que têm um gato de raça "x" ou "y", ao invés de um gato de raça totalmente banal.

 

A Cor

Todos conhecemos a discriminação aos gatos pretos baseada, muitas vezes, naquela superstição de que os gatos pretos dão azar.

Mas não é só aos gatos pretos que isso acontece. Há quem não queira um gato porque é todo branco, ou porque é todo cinzento, ou porque a mistura de cores do seu pelo os torna feios.

E ainda podem não gostar da cor dos olhos do animal, por não condizer ou realçar a do pelo.

 

A Beleza

Mesmo dentro das mesmas raças e cores, existem gatos que, aos olhos de quem os vê, são mais bonitos que outros, ainda que muito parecidos. E isso é o suficiente para escolher um, e não outro. 

 

O Sexo

O sexo é também uma das razões para a discriminação dos gatos. Seja pela simples preferência pessoal (há quem prefira fêmeas, e quem goste mais de machos), ou pelo facto de considerarem que gatos de um determinado sexo são menos dispendiosos ou mais fáceis de criar que do sexo oposto. Ou ainda por considerarem que o sexo determina o comportamento dos gatos.

 

A Personalidade

Existem pessoas que preferem gatos mais mansinhos, que gostem de passar o dia a dormir ou sossegados, e não dêem muito trabalho. Outras, gostam mais dos traquinas, que mostram mais vivacidade. Há quem os prefira mais independentes, e quem os prefira mais apegados.

Dificilmente alguém escolherá um gato assustadiço, que não goste que lhe peguem, que não goste de colo, que se esconda dos humanos. Ainda que isso possa ser um comportamento temporário, resultante de algo por que passaram, e possa vir a mudar com tempo, dedicação e paciência.

 

Tamanho

Embora raro, este é igualmente um motivo para se preferir um determinado gato ainda que apresentem a mesma idade.

 

Outros gatos em casa

O facto de já se ter mais gatos em casa, pode ser apontado como motivo para não querer levar qualquer outro, seja pela despesa que isso iria acarretar, pelo trabalho adicional, pelo facto de o gato já existente sentir ciúmes, ou por não querer dividir as suas atenções e amor com nenhum outro.

 

Mitos

Alguns mitos que correm de boca em boca, sobre os perigos que os gatos podem representar para os humanos, podem levar algumas pessoas a desistir de adoptar um gato.

 

E tudo isto é tão triste... Ver tantos animais com uma réstia de esperança, na expectactiva de que os tirem daquele lugar a que, apesar de serem bem tratatos e cuidados, nunca poderão chamar de lar, e verem essas expectactivas frustradas. 

É triste para os gatinhos que ficam, verem os mais bonitos, mais novos, mais meiguinhos, mais saudáveis, partirem para um destino mais feliz, e os restantes permanecerem.

E é triste para nós, que os continuamos a ver ali, com a chama da esperança ainda acesa, mas cada vez mais fraca, à espera do dia em que chegará a sua vez... 

 

 

 

Doenças felinas #2 - Vírus da Leucemia Felina

 

Também conhecido por FeLV, este vírus, considerado a maior causa de morte em gatos, ataca e enfraquece o sistema imunitário dos gatos, podendo:

- atacar tecidos e órgãos, levando-os a ficar susceptíveis a várias doenças infecciosas, e causando infecções respiratórias, lesões de pele, anemias, infecções orais, retardo na cicatrização de feridas e problemas reprodutivos. A maioria dos gatos infectados morrem desses sintomas. 


- desenvolver cancro, aparecendo como tumores. Cerca de 33% das mortes por cancro nos gatos são devidas à Leucemia Felina.

 

Como é que os gatos contraem FeLV?

O vírus pode ser transmitido através da saliva, secreções nasais e lacrimais, urina e fezes de gatos portadores. As formas mais comuns são as lambeduras e mordidas. Os filhos de gatas infectadas também podem nascer infectados por meio de contaminação transplacentária ou adquirir o vírus durante a amamentação.

Também os comedouros e bebedouros , quando divididos regularmente com animais infectados, podem ser um veículo de transmissão.

A exposição a este vírus é maior para gatos que têm acesso à rua.

 

Sintomas

Os sinais gerais, também comuns ao FIV podem ser anorexia, depressão, perda de peso e alterações comportamentais.

Existem também sinais clínicos mais específicos, associados às infecções secundárias e à imunossupressão. São eles:

- Halitose devido a gengivites ou estomatites
- Dermatites recorrentes e abscessos
- Otites
- Infecções das vias aéreas
- Enterites
- Anemia não regenerativa
- Leucopenia com neutropenia, linfopenia e trombocitopenia ou leucocitose por linfocitose
- Linfoma
- Fibrossarcoma
- Doenças mieloproliferativas

 

Tratamento

Não existe tratamento específico para o FeLV. Geralmente, realiza-se apenas tratamento sintomático para as infecções decorrentes, anemias e neoplasias.

No entanto, alguns gatos, quando possuem um bom sistema imunitário, são mais resistentes ao vírus que outros com um sistema imunitário mais debilitado.

Os gatos expostos ao vírus podem, também, tornar-se potencialmente portadores, ou seja, podem não desenvolver a doença durante um certo tempo, mas carregam o vírus e podem tornar-se doentes e infectar outros gatos, caso a doença se torne ativa.

 

Prevenção 

O melhor, mais seguro e mais eficaz método de prevenção contra o FeLV é a vacina que, por ser inactivada, não causa a doença em hipótese alguma. A primeira administração deve ser aplicada em gatos ainda bebés (entre 8 a 10 semanas de vida).

Se se suspeitar que um gato está infectado, deve-se fazer um teste antes de aplicar a vacina.

 

 

 

 

De que se alimentam os nossos gatos?

 

Neste Dia Mundial da Alimentação, a pergunta do dia é:

 

De que se alimentam os nossos gatos?

 

Será que também eles têm uma alimentação saudável e equilibrada, adaptada às suas necessidades, ou nem por isso? Eu devo confessar que a Tica, actualmente, só come ração seca, ervas e pouco mais. De vez em quando, uns petiscos de alimentação humana, que ela gosta mas não serão, certamente, muito saudáveis. E bebe muita água. E os vossos?

 

Aqui ficam alguns conselhos que devemos seguir para proporcionar aos nossos bichanos uma alimentação de qualidade:

 

1 - Os gatos devem ser alimentados com comida própria para gatos.

Isto significa não deixá-los comer comida de cães ou outros animais, e evitar dar-lhe a nossa comida (carne ou peixe cru, leite, atum, entre outros), porque isso levará a que eles desenvolvam deficiências nutricionais, diarreias, vómitos, problemas neurológicos e de ossos e, em casos mais graves, cegueira e morte.

 

2 - Não devemos optar exclusivamente por ração seca.

As rações secas são pobres em água, e ricas em hidratos de carbono, dos quais os gatos não necessitam em abundância. Já a dieta húmida, ajuda a manter a saúde do sistema urinário dos nossos gatos.

 

3 - Os gatos não precisam de ter sempre comida na sua taça.

Isso poderá levar à obesidade, e torná-los compulsivos por comida. Devemos dar apenas a dose diária recomendada  para a idade e peso deles, dividindo em 3 ou 4 porções ao dia. Já a água, deve estar sempre disponível, e fresca.

 

4 - Não devemos dar muitos petiscos aos gatos.

Os petiscos devem ser uma excepção, e não a regra. Dar petiscos regularmente pode prejudicar a saúde dos gatos, uma vez que não proporcionam os nutrientes que eles precisam e, além de poderem aumentar de peso, o tipo de comida usada como petisco pode ser nociva.

 

5 - Os gatos não podem comer chocolate.

O chocolate tem alguns ingredientes que fazem com que os nossos amigos fiquem doentes. Um dos ingredientes do chocolate (teobromina) é tóxico para os gatos.

 

 

6 - Existem no mercado diferentes rações, para dietas específicas.

Podemos encontrar à venda ração para gatos esterilizados, gatos de interiores, comida light, rações adequadas para dietas específicas, para problemas urinários, entre outros. Se não soubermos bem a que grupo pertence, o ideal é perguntar ao veterinário qual a melhor comida para o seu gato.

Por outro lado, a ração de um gato bebé é diferente da do gato adulto, por isso, deveremos adequar o tipo de ração à fase do crescimento em que se encontra.

 

7 - Os gatos gostam da sua comida à temperatura ambiente.

Por isso mesmo, devemos evitar dar-lhes comida acabada de sair do frigorífico.

 

8 - O número de refeições varia consoante a idade.

À medida que os gatos vão crescendo, o número de refeições vai diminuindo. Isto pode estar relacionado com o facto de gatos bebés terem um estômago muito pequeno. Por isso têm que comer pouco de cada vez, várias vezes ao dia. Quando crescem, o seu estômago aumenta, comem mais e o número de refeições reduz, porque se sentem mais saciados. 

 

9 - Os gatos não podem ter uma dieta exclusivamente vegetariana.

Os gatos são animais carnívoros por natureza, e precisam de comer carne para sobreviver! Se tiverem uma alimentação apenas vegetariana, podem ficar cegos, sofrer de outras condições debilitantes, ou mesmo morrer. 

 

10 - A alimentação deve ser variada.

De uma forma geral, os gatos comem sem problemas qualquer coisa que lhes ofereçam. No entanto, à medida que vão ficando mais velhos, podem desenvolver alguns caprichos ou vícios.

A ausência de uma dieta diversificada desde o início pode originar complicações na hora de comer. Por isso é importante habituá-los a comer vários sabores de ração e, por vezes, tipos de comida diferentes.

Se só lhes dermos um tipo ou um sabor durante toda a vida, poderemos vir a ter problemas se essa comida deixar de ser vendida, ou se uma questão de saúde obrigar a uma mudança de alimentação.