Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

A caixa transportadora...

... fujam que ela anda à solta...

08a6d47e8212d6e56c21e60c9759bcdd.jpg

Imagem retirada da net e bem ilustrativa do que um gato pode pensar da caixa transportadora!

 

Quem me conhece e segue sabe que tenho quatro gatos. E como qualquer tutor, também eu por diversas vezes já me vi confrontada com o dilema de ter de ir com um deles ao veterinário. Que por si só já é motivo de stress para o gato. Agora se a isso juntarmos a caixa transportadora, à que ele já associou com idas ao vet... Então temos o caldo entornado. Mesmo quando o consultório ou hospital é cat friendly

Bom mesmo, é podermos atempadamente, programar a sua ida. Podermos dispor de tempo e colocar antecipadamente, a caixa transportadora, perto do sítio onde o gato passe mais tempo. Melhor mesmo é tê-la sempre lá. Para quem tem mais que um gato e precisa de ter mais do que uma transportadora, em termos de logística não dá. Têm de estar arrumadas. Só que, acontecem situações que nos fogem ao controle e em que temos de agarrar no gato e levá-lo a uma urgência. Mas, se em vez de um, tiverem de ir dois ou mais ao mesmo tempo?

Stress a duplicar... triplicar... quatriplicar???  

Calma...

O que aprendi, por experiência própria, é que nós, para além da caixa, podemos ser um dos motivos da causa de stress do nosso gato. Seja er de ir um ou mais ao mesmo tempo. Isto serve para todos!

Pois é...

O facto de estarmos alarmados, em stress, com qualquer alteração que o nosso bichano apresente. Sinais como um rosto fechado, poucas palavras, ou, alteração dos nossos movimentos dentro de casa. Falar mais alto e apressadamente. Juntando a isto, ali mesmo à sua frente, aparece a caixa vinda dos confins do inferno...  São indicadores para o gato achar que algo de errado se passa.

Ora pensem lá...

Sendo o gato um animal de rotinas está habituado a que, todo o santo dia, tudo se passe da mesma forma. Tranquilo e sem stresses. Ao ver-se confrontado com uma situação que lhe escapa ao controle, o seu instinto de sobrevivência fala mais alto. Tem medo. Pode sentir que a sua vida está em perigo e se até aqui tínhamos um gatinho mansinho, amante de colo de umas boas festas, num piscar de olhos passamos a ter um tigre da malásia à solta no meio da casa.

Já passei por isto e sei como é.

O que fiz, faço?!

Sabendo, à partida, que estamos a ser observados pelo nosso gato, seja onde for e a que horas forem. Ou não fossemos nós ratos de laboratório e objecto de estudo aprofundado do nosso gato... Toda e qualquer precaução que possamos tomar, para não stressar o nosso patudo e colocá-lo em risco de vida é bem vinda. E começa-se pelo mais difícil... Não stressar. Não entrar em pânico. Respirar fundo, tentar acalmarmos-nos e a quem ao nosso lado está. É, por si só meio caminho andado!

Na hora de o colocar na caixa, pode ajudar:

Anteriormente termos colocado a mantinha preferida dele, com o seu cheirinho. Colocar um pouco de catnip vai desviar a atenção do gato e dar-nos tempo para fechar a porta antes que ele se lembre de iniciar uma fuga desenfreada. A maioria dos gatos adora a erva gateira e os meus não são excepção. Tenho sempre um frasco em casa. Existem ferormonas no mercado que permitem ao gato ter uma sensação de conforto na caixa, mas têm de ser aplicadas uns 30 minutos antes. E se formos, de certa forma, de urgência, não há tempo para esperas. 

Na hora de agarrar-mos no nosso piqueno, fazê-lo como se fossemos fazer-lhe as habituais festinhas, o mimo a que está habituado. E quando o sentirmos mais relaxado... "convida-se-o" a entrar na transportadora. Às vezes... lá tem de ser tracção às 4 patas. Prender as dianteiras e as traseiras e enfiá-los na caixa. Mas sempre com uma atitude confiante e vitoriosa. Apesar dos arranhões garantidos. 😎😋 

Colocar uma manta por cima da transportadora também pode dar-lhes uma sensação de tranquilidade, para além de, se estiver frio e vento os agasalhar.

Há vinda do veterinário, deve-se lavar a transportadora, para uma próxima ida. É que para além da normal libertação de hormonas do medo que ficam "agarradas" às paredes da caixa, dos cheiros do consultório que o gato traga, podem ainda acontecer outro tipos de acidentes. O gatinho com o susto não conseguir controlar-se... e fazer as suas necessidades. Dá sempre jeito  levar sempre mais uma mantinha ou até mesmo as fraldas à venda nas lojas ou hipermercados, próprias para animais. 

Espero que tenha sido útil!

😻

 

 

 

 

 
 

2 comentários

Comentar post