Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Ainda não cheguei a esse ponto...

Imagem relacionada

 

...nem sei se algum dia conseguirei.

 

 

Por muito que sejamos apaixonados pelos animais e queiramos vê-los bem, ou ajudá-los quando precisam, nem sempre conseguimos estar lá para todos.

Os veterinários sabem disso, as associações sabem disso, algumas pessoas que lidam com os animais sabem disso. E, com o tempo, vão ficando vacinadas contra o choque, a tristeza, a impotência, a frustração... Não é que não o sintam, mas conseguem ultrapassar mais facilmente porque, afinal, não podem fazer mais nada e existem outros à espera.

Algumas pessoas conseguem passar pelas situações, observando, agindo e seguindo em frente, sem se deixarem afectar muito porque, se fossem desesperar e cair em lágrimas sempre que algo de pior acontece, estariam apenas a prejudicar a sua saúde mental.

 

 

Eu ainda não consegui chegar a esse ponto. Ainda me deixo afectar facilmente. Ainda sofro com a má sorte dos animais que vou encontrando ou conhecendo nesta vida. A fonte ainda está longe de secar.

Hoje, quando ia com a minha filha para a escola, deparámo-nos com um gato morto na estrada. Os carros desviavam-se para a outra faixa, para não passarem por cima. Não era nenhum dos meus afilhados. Não conhecia o gato, nunca o tinha visto na vida.

Mas fez-me imensa impressão. Alguém o atropelou, e seguiu em frente. Estava cheio de sangue.

 

 

Deixei a minha filha na escola, e voltei pelo mesmo caminho, para casa. O trânsito aquela hora é terrível, porque os pais vão levar os filhos à escola. A continuar ali na estrada, involuntariamente, o gato poderia provocar algum acidente. Passaram várias pessoas que, como eu, olharam e seguiram caminho. Mas não consegui deixá-lo ali.

Aproveitei que não vinham carros naquela faixa e peguei no gato, levando-o para o passeio. O corpo não estava rígido, o que significa que tinha sido atropelado há pouco tempo. O pelo estava cheio de salpicos de sangue, e nem vale a pena descrever como estava a cabeça dele.

Entretanto liguei para a protecção civil, que me encaminhou para o canil, para fazer a recolha do animal.

 

 

Talvez chegue o dia em que em consiga fazer tudo isto e voltar à minha vida, sem me chocar, sem chorar, sem me preocupar muito porque não havia nada que eu pudesse fazer.

Mas hoje, a imagem não me sai da cabeça, e é sempre difícil esquecer todas as imagens que se vão juntando ao longo do tempo.

 

  • Blogs Portugal

  • 6 comentários

    Comentar post