Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Como conquistar a confiança de um gato assustado

blog 0012.jpg

 

Para aqueles que, como eu, que assim que vêem um gato querem logo pegar nele e dar mimos, torna-se frustrante quando se deparam com um gato assustado, que foge assim que vê algum humano.

Era isso que acontecia com uma gatinha abandonada que aqui aparecia de vez em quando. Miava a uma distância segura, para lhe darmos comida, mas não nos podíamos aproximar.E só quando não estava ninguém por perto é que comia.

No entanto, na sexta-feira passada, fizemos progressos! Penso que o verdadeiro segredo está em não esperarmos que eles nos deixem aproximar, mas em esperarmos que sejam eles a aproximarem-se de nós.

Quando chegámos a casa ao fim da tarde, estava essa gata e outro no nosso quintal, mas fugiram. Dali a pouco, ela voltou a aparecer na rua a pedir comida. Fui buscar, mas ela assustou-se e correu para longe. Fui apanhar a roupa e já estava a levar a caixa da comida para perto da porta, quando ouvi miar. Lá estava ela, na rua. Chamei-a. Mostrei-lhe a caixa, e em seguida pu-la no chão, no sítio do costume, e baixei-me, à espera.

A gata subiu para o muro. Para minha surpresa, desceu para o quintal e foi comer. Já era uma vitória estarmos a menos de um metro de distância! Mas, ao mínimo barulho ou gesto meu, assustava-se e recuava.

Continuei quietinha à espera, só a conversar com ela calmamente. Num outro momento, pareceu-me que queria passar por mim, mas como eu estava no caminho, bufou e continuou a comer.

Mais uns minutos, e encheu-se de coragem. Passou por mim, e voltou para trás. Tentei fazer-lhe uma festinha, mas não gostou muito. Começou então e passar para um lado e para o outro, já a roçar-se nas minhas pernas.

Como começou a chover, peguei na caixa da comida e trouxe-a para a entrada, onde ficava abrigada. E ela veio!

Nesta altura, já me deixava fazer festinhas e dava muitas turrinhas! Chamei a minha filha, e a gatinha continuou connosco.

Quem não achou muita piada foi a Tica! 

Quando deixei a minha filha com a gata e vim para dentro, dar atenção à Tica, ela começou a cheirar-me toda e a "rosnar", com ar de poucos amigos! Depois, com muitos mimos, acalmou os ciúmes.

Voltei lá fora, pus mais comida para a gatinha que só ainda não fica no colo. Talvez tenham sido emoções a mais para uma noite só. Tenho a ideia que, se deixasse a porta aberta, ela era capaz de entrar.

Deixei-a, então, a comer, e vim para dentro. Dali a pouco, o gato da minha vizinha de cima, deve ter entrado em guerra com a gata, e ela fugiu. Até hoje, não voltou a aparecer.

Mas espero que, no dia em que voltar aqui, já não fuja como antes, quando nos vir!

Deixo também aqui este vídeo, não de um gato mas de uma cadelinha abandonada, a quem também foi preciso ganhar-lhe a confiança. Os animais são como as pessoas. Como já os fizeram sofrer muito, ficam de pé atrás. É preciso muita paciência, calma e determinação, para os ajudar a vencer os medos!

 

 

2 comentários

Comentar post