Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Caixa de mensagens

 

O nosso Clube de Gatos do Sapo tem uma caixa de mensagens á disposição dos nossos leitores para colocar dúvidas, e partilhar experiências.

Alertamos para nos enviarem o vosso email para vos responder directamente!

A nossa leitora Isabel pediu dicas ao Clube relativamente a adoptar uma gatinha fêmea bebé tendo já uma gata adulta.

Eu pessoalmente adoptei a Fénix já com 6 meses e depois adoptei o Puma com 8 meses.

A ligação entre eles foi crescendo gradualmente.

O que devemos fazer principal é dar-lhes espaço e tempo para se adoptarem um ao outro e a partilhar o espaço.

É normal lamberem-se, dormirem aninhados, mas de um momento para o outro andarem á guerra.

A relação dos gatos comparando com os humanos é como se fossem irmãos.

Pelas experiências que tenho ouvido, a adaptação costuma correr melhor quando  já existe um gato adulto e trazemos um gatinho bebé para casa independente do sexo.

Posso partilhar a experiência da minha irmã que já tinhas 3 gatas e resgatou da rua um gatinho bebé.

Uma das gatas era alfa da casa, uma verdadeira terrorista e quando o Bubu chegou ela mudou de comportamento.

Tornou-se muito mais meiga, acalmou e adoptou-o como se fosse filho dela.

Se os nossos leitores quiserem partilhar as suas experiências deixem o vosso comentário.

 

 

Veterinários municipais defendem o regresso do abate de animais

Sem Título.jpg

 

Quando vi esta notícia, pensei que só poderia ser uma piada.

Infelizmente, não é.

 

Ao que parece, o objectivo é combater a sobrelotação dos abrigos e canis, e poupar os animais a uma vida inteira, passada nestes espaços, sem uma família.

Assim, todos os animais que, por azar, forem parar a estes abrigos ou canis, que supostamente os deveriam proteger e deles cuidar, e que não sejam adoptados num determinado prazo, serão abatidos.

Pergunto-me eu: Isto não é, também, uma crueldade? Tira-se a vida a um animal, só porque durante aquele tempo ninguém quis ficar com ele? Ainda que um mês, ou um ano depois, até houvesse alguém que o levaria para sua casa?

Voltamos àquela ideia macabra de que os canis ou abrigos são matadouros, locais a evitar e pobres daqueles que forem lá parar, que têm os dias contados.

 

É injusto.

Os animais não têm culpa.

Culpa, têm aqueles que os abandonam, que os maltratam, que os entregam neste sítios.

Culpa tem quem não assume as responsabilidades pelos seus animais, e quem ainda não conseguiu fazer cumprir as leis como seria de esperar.

Culpa tem quem prefere apostar em soluções condenáveis, em vez de apostar na prevenção.

Culpa têm aqueles que investem rios de dinheiro em coisas que não fazem falta nenhuma, mas não são capazes de criar espaços onde estes animais possam ficar, pelo tempo que for preciso.

 

Mas os animais? Esses são inocentes.

Inocentes que, por força das circunstâncias, se veem nas mãos e à mercê de quem acha que tem o direito de lhes tirar a vida, por falta de espaço. Por quem acha que pode decidir o seu destino.

Se é justo um animal passar toda uma vida num canil? Não!

Da mesma forma que não é justo uma criança passar a sua vida em orfanatos, sem ninguém que a queira adoptar. E então, só por isso, vai-se matar a criança, para lhe evitar esse "sofrimento". Porque os orfanatos estão a ficar sobrelotados, e é preciso dar lugar a novas crianças, matando as que lá estão há mais tempo?

Vamos matar as pessoas que estão há muito tempo nos hospitais, sem melhorias, porque é preciso dar lugar a quem chega agora e precisa?

Vamos matar os idosos que estão nos lares, porque há cada vez mais idosos, e menos espaço para os acolher, levando à criação de lares ilegais, onde vivem sem condições e dignidade?

 

O que estão a querer dizer é que, por exemplo, os animais que agora foram salvos do incêndio e estejam em canis, se não forem adoptados, vão ter mesmo como destino a morte?

É esta a lei que protege os animais?

 

 

 

foi no dia 15

de Setembro de  2010 que adoptei  a Kat , tinha ela um mês de vida.

E 9 anos passaram, continua linda e malandra.

Está a chegar o frio, lá virá ela sentar-se nas minhas pernas enquanto eu vejo televisão, à noite.

Nunca me arrependi de a ter adoptado, mas são muitas as preocupações que me dá quando estou fora de casa por alguns dias.

1569156980626.jpg

 

O Cantinho da adopção!#72

 

O Cantinho de adopção voltou após alguns meses de ausência!

Tenho muito orgulho nesta rubrica do nosso Clube de Gatos do Sapo.

Tentei várias vezes contactar várias associações. A Marta também o fez!

 

A fim de averiguar se estariam interessadas em mandar informações sobre os gatinhos que tinham para adopção. A ideia era publicar no Cantinho de Adopção, para aumentar as suas hipóteses de adopção .

Infelizmente, tivemos como resposta o seu silêncio...

 

Os posts que publicava eram todos com os gatinhos do Projecto Amor Animal. Foi de onde vieram a minha Fénix e Puma.

A voluntária Rute Sousa do Projecto, teve por motivos pessoais teve que fazer uma pausa nos resgates e esterilizações. Foi esse o motivo da ausência destas rubrica.

 

 

 

Mas hoje o Cantinho de adopção volta, para vos apresentar uma gatinha amorosa a Mimi!

 

 "Mimi é a última bebecas que falta ser adoptada, da última ninhada da Ninja.

Ela viu todos os seus irmãos seguirem para uma nova casa e nova família, e viu-se ficar para trás.

Terá agora cerca de 3,5 meses. Está vacinada, chipada e desparasitada.


É muito assustada. Qualquer desconhecido e qualquer barulho a assusta.
Infelizmente temos este efeito negativo sobre os animais. Porque será? 

A Mimi também merece ter uma boa família.
Precisa de alguém que lhe dê o tempo que precisa, e todo o carinho que merece, para se adaptar.
Depois, é só ouvir os ronrons maravilhosos, e vê-la super satisfeita com os nossos miminhos.

Está habituada a outros animais, como cão e coelho.
A Mimi adora outros gatos."

 

 
"Aliás, a Mimi é extremamente dependente de companhia de outros gatos. Tudo o que ela quer é um mano felino. Está, por isso, a sofrer muito agora.
Terá de ir para uma casa onde já tenha mais algum gato.

Alguém disposto a dar-lhe uma oportunidade?
Não a vamos deixar para trás, por favor.

Encontra-se em acolhimento temporário em Odivelas. "
 
Quem quiser obter mais informações da Mimi ou conhecê-la é favor contactar o Projecto Amor Animal:

Zona: Lisboa / Odivelas
Contacto: 916486910
projecto.amoranimal@gmail.com

Como ajudar:
IBAN: PT50 0023 0000 45474786214 94
SWIFT: ACTVPTPL
Descritivo: Colonia Ramada

 — com Carolina GarçãoBeatriz Matos.

 
 
 
 

 

Os benefícios da dupla (ou múltipla) adopção felina

Imagem relacionada

 

Foi o tema apresentado pelo Clube de Gatos do Sapo no Pet Festival, no passado domingo.

 

 

 

Mas, afinal, quais são os benefícios de uma dupla, tripla ou múltipla adopção?

 

O que nos vem logo à mente, quando se fala neste tema, é que mais do que um gato implica mais despesas, mais preocupações, mais disponibilidade da parte dos donos, mais espaço, e por aí fora.

Mas quem optou pela adopção de vários gatos, sabe que todos estes entraves não são exactamente como os imaginamos, que muitos são verdadeiros mitos e, sobretudo, que aquilo que eles, e nós, temos a ganhar, vale muito mais que as eventuais desvantagens que possam existir.

 

 

 

 

 

Imagem relacionada

 

 

Assim, aqui ficam alguns desses benefícios, tanto para os próprios felinos, como para quem deles cuida:

 

  • ao adoptarmos mais que um gato, estamos a salvar mais que uma vida
  • temos alegrias multiplicadas, proporcionadas por eles
  • fazem companhia uns aos outros, não se sentindo tão sós quando os donos estão fora, e é mais companhia para nós também, quando estamos em casa
  • podem brincar uns com os outros, sem se sentirem entediados ou aborrecidos, e sem dependerem tanto de nós para a brincadeira
  • aprendem uns com os outros, e ajudam-se entre si
  • tendo personalidades diferentes, podem complementar-se entre si
  • aprendem a respeitar o espaço um do outro
  • aprendem a partilhar
  • no inverno, podem dormir juntinhos e aquecer-se
  • estando entretidos, é provável que comam menos ao longo do dia, algo que aconteceria com um gato único, sozinho e sem mais nada que fazer, entretendo-se a comer
  • se algo acontecer com um deles - se estiver fechado, desaparecido, doente, em apuros - os restantes podem dar o alerta aos donos
  • no caso de haver um gato com algumas limitações físicas ou psicológicas, a presença de outro pode estimular ou funcionar como terapia

 

E por aí, quem vive esta experiência, quer acrescentar mais algum benefício à lista?

 

 

 

 

 

 

 

O Cantinho de adopção! # 70

 

O Cantinho de adopção, apresenta-vos o brincalhão James, digam lá que não é irresistível?

Este menino é grande, mas tem menos de 5 meses e adora brincar e é meigo, infelizmente as pessoas preferem os gatinhos bebés, mas será que esta fofura não tem direito a um final feliz?

 

A minha Fénix foi adoptada com 6 meses e o Puma, já era adulto, ambos casos dificeis, mas que eu quis dar a oportunidade de ter uma casa, onde eram amados e hoje são uns mimados!

 

O James foi resgatado, doente está a fazer tratamento aos olhos, apesar de ter melhorado muito, num dos olhos rebentou uma úlcera, por isso o seu olho direito é diferente, mas será que só por isso, não tem direito a ser amado e ter uma família?


Ele está pronto para conquistar um coração bondoso, que esteja disposto a dar-lhe um amor incondicional, quem que se apaixona por este menino?

 Ainda não confia o suficiente para experimentar uma coisa que chamam de colo, mas tenho a certeza que com amor e paciência, vai voltar a confiar num humano.

Ajudem-no a sair da jaula e a viver numa casinha..

 

Para conhecerem ou saberem mais informações sobre esta ternura é favor contactar directamente o Projecto Amor Animal, através:

www.facebook.com/projecto.amoranimal
projecto.amoranimal@gmail.com

Contacto: 916486910

Como ajudar:
IBAN: PT50 0023 0000 45474786214 94
SWIFT: ACTVPTPL