Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Relação de “amor/ ódio” entre companheiros felinos

Relação amor-ódio .jpg

 

Há quem diga que não se devem juntar dois ou mais gatos numa mesma casa, porque nunca se darão bem. Os gatos são animais territoriais, e não gostam de partilhar o mesmo espaço, e o mesmo dono, com outros.

Quanto muito, na melhor das hipóteses, apenas se tolerarão. No pior dos cenários, não existe aceitação do outro gato, causando sérios problemas físicos e psicológicos em ambos.

Isto poderá acontecer mais quando se juntam gatos em momentos distintos, e de idades diferentes. Ainda assim, mesmo com adoção conjunta de dois gatos em idades semelhantes, e na mesma altura, pode resultar ou não.

 

No nosso caso, fizemo-lo com uma semana de diferença. Tinham as duas a mesma idade, cerca de mês e meio, e ficou desde logo vincado que seria a Becas, a primeira a chegar, que iria mandar lá em casa e, a mais nova, a Amora, a obedecer às regras.

Se a Becas quisesse comer, naquele comedouro, a Amora esperava, ou comia no outro. Com receio, preferia esperar.

Se a Becas se quiser deitar num determinado espaço, a Amora é “obrigada” a sair, e ir para outro lado.

Claro que, em alguns momentos, a Amora conseguiu virar o cenário e ser a “dona do pedaço”, mas é sempre um curto reinado.

E se as coisas começam a descambar, sobretudo quando estamos em casa, e mais por ciúmes e desejo de atenção, andam em guerra.

A Becas não hesita em pregar umas valentes dentadas à Amora, até que um de nós as vá separar.

 

Ainda assim, quem as vê juntas, diz que são as gatas mais unidas, companheiras e amigas que existem, tal a cumplicidade entre elas.

Não são raras as vezes em que dormem juntinhas ou agarradinhas uma à outra, que se lavam e mimam, ou brincam de forma “gatilizada”.

Se uma está mal, a outra preocupa-se, e fica ao lado dela, até melhorar. Se uma corre perigo, a outra vai logo defender.

Se é para proteger os donos de terceiros, ou defender o seu território de outros gatos, é vê-las unidas por uma causa maior.

Mas, se num segundo são as melhores amigas, no seguinte, parecem duas loucas engalfinhadas uma na outra.

Existe uma espécie de relação amor/ ódio entre estas companheiras felinas que, no fundo, não deixa de ser muito diferente da de dois irmãos humanos, na idade da parvoíce!

De Pequena Bola de Pêlo a Gadiva

Bom dia a todos!

Convidaram-me a fazer parte deste Blog e prontamente aceitei. Adoro gatos e com isso, fiquei muito contente! Obrigado Sofia 😊

A primeira proposta que me lançaram foi a de apresentar a minha gata, pois aqui vai...

Chama-se Bianca e tem olhos azuis. O nome foi dado pelos meus pais! Foi trazida daquelas lojas de animais onde tu compras 20 euros em material para gato e levas o bichinho contigo. É uma espécie de adoção! 

Está em casa dos meus pais desde 2016 e tinha este aspecto de bolinha de pêlo...

20191119_105136.jpg

Quem lhe resiste não é?!

Como gato que é, foi sempre muito exploradora e subia a tudo quanto podia. Corria tudo, até adormecer. Aproveitei este momento para tirar uma selfie, acho que é das coisas mais amorosas que se pode ver (e como a internet adora gatinhos...) 

20191119_105155.jpg

Sim! Sou eu e ela... num dos primeiros momentos a dois 😁 Subiu para o sofá... subiu para o meu ombro e adormeceu, entre ele e a almofada. Como se costuma dizer "If it fits it sits".

Agora está uma senhora... quase dois anos e meio passados! Faz o que quer, anda por onde quer... já sobreviveu a uma luta entre outros da sua espécie e a um encontro com o para-choques de um carro que passou maluco na minha rua! Obvio que das duas vezes corri com ela para o veterinário! 

Ela e o cão (Bob) da minha irmã - que os meus pais tomam conta por ela estar emigrada - são os melhores amigos. Comem a comida um do outro, partilham brinquedos e refugia-se no Bob quando tem medo dos gatos-maus!

Neste momento é a menina do meu pai, nunca o vi gostar tanto de um animal! Pega nela como se fosse um bébe e até tem hora para ir para a cama.

Hoje em dia, está assim... linda e maravilhosa! É uma diva ou melhor, uma Gadiva (gata diva).

20190531_125340.jpg

 

É só amor!

A imagem pode conter: interiores

Enquanto a Amora se espreguiça para cima da Becas...

Becas: Mas tu estás-te a passar ou quê?

 

 

A imagem pode conter: gato e interiores

Amora: Não te chateies. Mal te toquei. Toma lá um beijinho para deixares de ser rezinga!

 

 

Nenhuma descrição de foto disponível.

Pazes feitas, a dormir enroscadinhas...

 

 

A imagem pode conter: gato e interiores

Becas: agora levas com a minha mão, a ver se também gostas!

 

Um amor que não se explica...

Resultado de imagem para gatos amor

 

... simplesmente, sente-se!

 

O amor por um animal, seja ele gato, cão, cavalo, golfinho ou qualquer outro, não se explica...sente-se!
Como explicar o que sentimos quando se aninham a nós, e dormem profundamente, depositando total confiança?
Como explicar o que sentimos quando estão felizes, e pudemos contribuir para um pedacinho dessa felicidade?
Como explicar o que sentimos quando fazem traquinices e nos tiram do sério, mas fazem aquele ar inocente de quem não sabe o que fez, e que nos derrete no mesmo instante?
Como explicar a dor que sentimos quando estão mal? O quanto queremos tirar-lhes o sofrimento e vê-los bem?
Como explicar o que sentimos quando nos afastam deles, quando tentam quebrar laços e relações que nunca o deveriam ser?
Como explicar as saudades que sentimos se passamos mais tempo que o normal longe deles?
Como explicar a paz, a gratidão, a alegria que sentimos quando eles nos mimam, acariciam, mostram o que sentem por nós, sem reservas?
Como explicar que, quando amamos um animal, é quase como se nós próprios nos tornássemos da sua espécie, e despertasse o instinto que nos leva a protegê-los do mundo?
É difícil explicar o amor por um animal, àqueles que nunca experimentaram esse amor, e muito mais difícil ainda fazê-los compreender.
Porque só quem ama os animais sabe, e conhece melhor que ninguém, aquilo que estou aqui a dizer.
E sabem que esse amor dispensa qualquer palavra...

 

 

É verdade que amamos mais um gato do que outro?

 

Esta questão não se coloca para os donos de um único gato, mas para aqueles que, como nós, têm mais que um gato na família.

Será mesmo verdade que, quando temos mais que um gato, o nosso amor por eles não é sentido de igual forma? Ou não passa de um mito?

 

 

Eu não falaria em amor, mas sim em afinidade.

Muitas vezes, o meu marido pergunta-me, em jeito de afirmação, se eu amo mais a Amora do que a Becas.

E eu respondo-lhe que amo as duas das mesma forma.

"Ah e tal, mas com a Amora tens aquela ligação...".

Sim, a Amora é aquela gata que quer colo, atenção, mimos, que reclama, que exige, que está sempre ali à espera, doce e meiga até mais não, que adora festas e turras, que passava assim o dia todo, se tivessemos tempo para isso.

É descarada e atrevida: tantas vezes que me apanha distraída e me salta para as pernas e para o rabo ou, se estou sentada, salta-me para as costas, a desafiar para a brincadeira.

Por isso, sim, quer pela exigência dela, quer pela relação que tem comigo, há uma afinidade e um maior tempo dispendido com ela.

Mas nem por isso deixo de amar a Becas da mesma forma. Apenas não há tanta afinidade, até porque a Amora lhe rouba a atenção, e porque nem sempre está disposta a receber os nossos mimos. É preciso saber lidar com ela, até porque ela pouco se manifesta, preferindo que a iniciativa parta de nós.

E, por outro lado, ela tem uma maior afinidade com a minha filha e o meu marido. Se bem que, várias vezes, quando me sentei na sala, acabaram por ir as duas dormir no meu colo, ou encostadas a mim, fazendo-me parecer a mãe dos gatos!

É nesses momentos, e naqueles em que, quer uma, quer outra, estão a confiar plenamente em mim, a sentir-se seguras, ou a precisar de mim, que compreendo que o amor não faz distinções entre ambas!

 

E por aí, qual é a vossa opinião?

A Fénix!

FÉNIX.jpg

 

Bom dia!

 

Há muito tempo que não partilho umas fotos dos meus pestinhas!

Hoje é a vez da Fénix fazer de modelo, não está uma gata linda?Parece que foi ontem, que a recebi em minha casa muito assustada.

 

É incrível olhar para trás e pensar como quatros anos passaram a correr e como estou cada vez mais apaixonada pela minha princesa...

É uma safada, come-me as plantas. Tem ciúmes do Puma, se ele está deitado ao pé de mim, a receber festas, ela arranja sempre maneira de ele sair dali para fora e ficar ela a receber festinhas.

 

Tem o seu toque de gata rebelde, mas ao mesmo tempo é um doce. Adoro ouvir o seu ronronar, quando está deitada ao pé de mim.

Ainda a semana passada adormeci no sofá, acordei com ela deitada ao meu lado e com uma patinha sobre o meu braço. O meu coração ficou derretido com aquela imagem...

Esqueci-me de dizer que está tão gordinha, que parece uma lontra.