Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Hachiko - Amigo para Sempre

Resultado de imagem para hachiko filme

 

Na semana em que estive de férias, enquanto andávamos à procura de filmes para ver, vimos que iria dar este e, na dúvida se seria bom ou não, resolvemos pôr a gravar.

Penso que deu na segunda ou ontem, no TVCine 3, e resolvemos vê-lo à noite.

A empatia com o pequeno Hachi foi imediata, e ficámos com imensa vontade de ter um Hachi na nossa vida, embora já o tenhamos, de certa forma, nas nossas gatas.

O filme é baseado numa história verídica, e posso-vos dizer que acabámos os três a chorar que nem uns perdidos no final do filme.

 

 

Imagem relacionada

 

No filme: Vemos Hachi ser enviado em viagem, e a ficar perdido na estação de comboios, onde o professor universitário Parker o acaba por encontrar e, há falta de outra opção, levá-lo temporariamente para casa, até conseguir encontrar uma boa família para ele, já que a sua mulher não quer cães lá em casa.

Mas a relação entre eles é tão ternurenta e especial, que acabam por ficar com ele definitivamente.

 

A história real: Em 1924, Hachikō foi trazido a Tóquio pelo seu dono, Hidesaburō Ueno, um professor do departamento de agricultura da Universidade de Tóquio. O professor Ueno, que sempre foi um amante de cães, nomeou-o Hachi (Hachikō é o diminutivo de Hachi) e o encheu de amor e carinho. 

 

 

 

tumblr_lrkwovdaBX1qgqm0mo1_500

 

No filme: Hachi é um cão de raça Akita, conhecida pela sua lealdade e, de facto, a ligação entre eles é tão forte que Hachi vai com o dono todos os dias até à estação e, quando sabe que está na hora de o professor ali chegar, lá está ele, à sua espera, para regressarem juntos a casa. Hachi era acarinhado por todos ali na estação, que já achavam normal aquelas visitas regulares e comportamento.

 

A história real: Hachikō acompanhava Ueno desde a porta de casa até à não distante, estação de comboios de Shibuya, retornando para encontrá-lo no final do dia. A visão dos dois, que chegavam à estação de manhã e voltavam para casa juntos à noite, impressionava profundamente todos os transeuntes. 

 

 

 

 

Resultado de imagem para sempre ao seu lado livro  portugues

 

O filme: Um dia, Parker chega à estação e não vê Hachi. Pregou um susto a todos, mas acabou por ser uma cena cómica. Mas, uns tempos depois, é a vez de Parker não chegar à estação, e Hachi fica por ali até à noite, à espera. Até que o genro do professor o vem buscar, com as piores notícias.

 

A história real: A rotina continuou até maio do ano seguinte quando, numa tarde o professor não regressou no comboio habitual, como de costume. A vida feliz de Hachikō como o animal de estimação do professor Ueno foi interrompida apenas um ano e quatro meses depois. Ueno sofrera um AVC na universidade naquele dia, nunca mais regressando à estação onde sempre o esperara Hachikō.

 

 

Resultado de imagem para sempre ao seu lado livro  portugues

 

A história real: diz que, na noite do velório, Hachikō, que estava no jardim, quebrou as portas de vidro da casa fez o seu caminho para a sala onde o corpo foi colocado, e passou a noite deitado ao lado do seu mestre, recusando-se a sair. Outro relato diz que, quando chegou a hora de colocar vários objetos particularmente amados pelo falecido no caixão com o corpo, Hachikō saltou para dentro do caixão e tentou resistir a todas as tentativas de removê-lo.

 

Resultado de imagem para hachiko

 

O filme: Após a morte de Parker, Hachi foi para casa da sua filha, mas sempre que podia, fugia e corria até à antiga casa, ou de volta à estação, à espera de ver o seu dono aparecer como habitual. Estava perdido, desorientado, triste... Mas não desistia.

 

A história real: Depois da morte do seu dono, Hachikō foi enviado para viver com parentes do professor Ueno, que moravam em Asakusa, no leste de Tóquio. Mas ele fugiu várias vezes e voltou para a casa em Shibuya, e, após um ano sem que se tenha acostumado à sua nova casa, ele foi dado ao ex-jardineiro do Professor Ueno, que conhecia Hachi desde que ele era um bebé. Mas Hachikō fugiu daquela casa várias vezes também. Ao perceber que seu antigo mestre já não morava na casa em Shibuya, Hachikō ia todos os dias à estação de Shibuya, da mesma forma como sempre fazia, e esperou que ele voltasse para casa. Todos os dias ele ia e procurava o professor Ueno entre os passageiros, saindo apenas quando a fome o obrigava. E fez isso dia após dia, ano após ano. Hachikō esperava pelo regresso do seu dono e amigo.

 

 

 

Imagem relacionada

 

O filme: Após vários anos,vemos Hachi já velhinho, mais gordo e com o pelo sujo da sua vida na rua, mas sempre ali na estação, até ao dia em que, a recordar todos os momentos passados com Parker, acaba por morrer.

 

A história real: Em 1929, Hachikō contraiu um caso grave de sarna, que quase o matou. Devido aos anos passados nas ruas, ele estava magro e com feridas das brigas com outros cães. Uma das suas orelhas já não se levantava mais, e ele já estava com uma aparência miserável, não parecendo mais o cão orgulhoso e forte que tinha sido. Ele poderia ter sido confundido com qualquer cão mestiço.

Como Hachiko envelheceu, tornou-se muito fraco e sofria do coração. Na madrugada de 8 de março de 1935, com 11 anos, ele deu o seu último suspiro numa rua lateral à estação de Shibuya. A duração total de tempo que ele tinha esperado, saudoso, o seu mestre, foi de nove anos e dez meses. A morte de Hachikō estampou as primeiras páginas dos principais jornais japoneses e muitas pessoas ficaram inconsoláveis com a notícia. Foi declarado um dia de luto.

Os seus ossos foram enterrados num canto da sepultura do professor Ueno (no Cemitério Aoyama, Minami-Aoyama, Minato-ku, Tóquio), para que ele finalmente se reencontrasse com o mestre. A sua pele foi preservada e uma figura empalhada de Hachikō pode ainda ser vista no Museu Nacional de Ciências em Ueno.

 

 

 

o cão mais fiel do mundo

O verdadeiro Hachiko

 

 

Resultado de imagem para hachiko

 

A estátua de Hachiko na estação

 

 

Participar na 3ªedição dos Blogs do Ano

Gostava que ao invés de ser na categoria lifestyle houvesse uma categoria mais especifica, tipo, animais, porque esta é muito abrangente, mas por agora, é o que temos. E ao participar, estamos a dar a conhecer o nosso clube, os nossos felinos, os nossos objectivos, as nossas missões, as nossas iniciativas, a solidariedade, as cumplicidades, as nossas dicas e partilhas.

animaislifestile.jpg

Custódia partilhada de animais em caso de divórcio

Resultado de imagem para partilha gatos em divórcio

 

A propósito desta notícia, ocorreu-me o seguinte pensamento: como se resolverão, em Portugal, as situações dos animais de estimação quando os respectivos donos se divorciam ou separam.

Não falando apenas dos casos em que ambos não conseguem chegar a um consenso, mas também quando estão de acordo e iniciam uma espécie de "guarda partilhada", como se sentirão os animais, e de que forma isso os afectará?

O cenário parece ainda pior, quando a situação envolve gatos, que são animais com uma maior dificuldade de adaptação, de rotinas bem definidas e que, à mínima alteração ou mudança, podem desenvolver quadros de stress, apatia, depressão.

 

A partir do momento em que os donos se separam, haverá uma mudança de casa, de território, de pessoas que frequentam o lar, rotinas, horários e tantas outras coisas.

E, se é verdade, que uma mudança definitiva estranha-se, mas com o tempo acostuma-se, o mesmo não se poderá dizer se o animal viver em constante mudança.

 

Imaginem um gato passar uma semana numa casa, com toda uma rotina e regras estabelecidas nesse lugar e, na semana seguinte, passar noutra, com outra dinâmica à qual se terá que habituar para, quando isso acontecer, voltar a mudar novamente para a primeira, e assim sucessivamente.

E quando existe mais que um animal? Fica cada membro com um, separando assim os companheiros? Ou partilham-se ambos? E em semanas iguais, ou semanas alternadas?

 

Não falo aqui dos casos em que um dos membros fica com os animais, e o outro nunca mais os vê, deixando de ter qualquer contacto com os mesmos, porque parto do princípio que, gostando dos animais, não seriam capazes de o fazer. Mas haverá casos em que isso acontece.

 

Assim, de que forma se poderá atenuar os efeitos que uma separação, definitiva ou não, possa causar a um animal de estimação, nomeadamente, um gato?

 

Advogados, veterinários e seguidores que já tenham ou não passado por uma situação destas, aceitam-se esclarecimentos, testemunhos e opiniões sobre o assunto.

 

O respeito é a base de tudo

Gato, Natureza, Animal, Ao Ar Livre, Mamíferos

 

Faz falta que as pessoas aprendam a respeitar os animais.

Que percebam que não são brinquedos que, num dia, queremos muito, e no outro se põem para um canto porque já não têm piada, ou não servem.

Que não são objectos que, quando não queremos mais ou passam de moda, quando estão a ocupar espaço ou a atrapalhar a nossa vida, deixamos aí num sítio qualquer, à espera que alguém lhes pegue, ou os recolha, ou que eles se consigam desenvencilhar sozinhos.

É preciso que as pessoas percebam que os animais têm sentimentos, muitas vezes mais puros e nobres que os humanos.

E não exigem nada que não lhes possamos dar nesta vida. Amor, carinho, cuidados mas, sobretudo, respeito. Porque com ele, acaba por vir tudo o resto.

Maus tratos que se sentem mas não se vêem

Resultado de imagem para maus tratos a animais

 

Final da tarde de sexta-feira, durante uma chuvada forte, acompanhada de rajadas de vento e trovoada, connosco dentro do carro à espera que acalmasse para sairmos, deparamo-nos com o gato do vizinho na rua, à chuva, no meio daquele temporal.

 

Este é um gato que, por aquilo que vemos, passa mais tempo na rua que na casa dos seus donos. É um gato branco, que não deveria andar exposto ao sol, sob risco de sofrer de cancro. É um gato que nunca deve ter ido a um veterinário nem levado qualquer vacina, e está sujeito a contrair as mais diversas doenças. É um gato que todos os dias corre o risco de ser atropelado, de ser envenenado, de ser levado por alguém que esteja disposto a isso, já que é extremamente meigo e sociável. É um gato que está sujeito às guerras de felinos das ruas. Um gato que se enfia, se o deixarem ou tiver oportunidade, na casa de uns e outros, ou onde houver uma entrada, buraquinho ou o que quer que seja para ele explorar. 

Uma vez, alertámos o dono que o seu gato estava na rua, à chuva. Do outro lado apenas responderam "ah e tal, eu também já apanhei muita chuva e não morri. Ele que não saísse. Então, e se eu estivesse longe? Tinha que regressar só para pôr o gato em casa?".

 

Nestas suas aventuras, conta com a sua companheira e vizinha, que também passa a vida na rua, sujeita ao mesmo tipo de perigos e, ainda, a ficar prenhe. No entanto, esta vem muitas vezes miar para lhe darmos comida, e devora tudo num instante. O que leva a crer que não deve comer muito por casa. Até mesmo de madrugada, ou a altas horas da noite. Uma vez, a sua dona disse "ah e tal, ela vai dar as suas voltinhas mas depois, quando a chamo, nem sempre vem, e acaba por ficar na rua".

 

E o meu pensamento, para estas duas pessoas, foi "se não os deixassem sair, eles não iam para a rua, não apanhavam chuva, e não tinham que andar à procura deles."

No início, ainda a levei duas vezes à dona, para a pôr em casa. Depois, percebi que não valia a pena. Não era uma questão de descuido ou de a gata se ter escapado sem darem por isso. Era intencional.

 

 

Também aqui na zona, havia uma outra gata que, ultimamente, tinha incluído na sua rotina diária a visita a casa dos meus pais, para comer logo de manhãzinha. No quintal dos meus pais, em dias de sol, ou na arrecadação, quando chovia ou fazia frio, dormia numa cadeira pequena que era da minha filha, em cima de uma almofada. Quando não estava lá, ia dar as suas voltinhas. Não sei se, durante a noite, ia para casa da dona, vizinha dos meus pais. Um dia, a gata desapareceu. Nunca mais voltou. Não se sabe o que aconteceu.

Nunca vi a dona andar à procura dela, fazer perguntas aos vizinhos, mostrar-se preocupada. Pior, a dona insiste que a gata anda por ali e que volta e meia a vê. No entanto, mais nenhum dos moradores da rua vê a gata desde então. E se ela andasse por lá, o que a levaria a mudar a sua rotina, e deixar de aparecer onde era bem tratada? O que me leva a crer que, ou não está minimamente preocupada, ou está a tentar esconder alguma coisa, tentar tapar o sol com a peneira.

 

 

Imagem relacionada

 

Mas, o que se pode fazer nestes casos?

 

A lei fala em maus tratos físicos "violências injustificadas contra animais, considerando-se como tais os actos consistentes em, sem necessidade, se infligir a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões a um animal. Quem, sem motivo legítimo, infligir dor, sofrimento ou quaisquer outros maus-tratos físicos a um animal de companhia..." 

 

A lei fala em abandono "É proibido abandonar intencionalmente na via pública animais que tenham sido mantidos sob cuidado e protecção humanas, num ambiente doméstico ou numa instalação comercial ou industrial. Considera-se abandono de animais de companhia a não prestação de cuidados no alojamento, bem como a sua remoção efetuada pelos seus detentores para fora do domicílio ou dos locais onde costumam estar mantidos, com vista a pôr termo à sua detenção, sem que procedam à sua transmissão para a guarda e responsabilidade de outras pessoas, das autarquias locais ou das sociedades zoófilas. Quem, tendo o dever de guardar, vigiar ou assistir animal de companhia, o abandonar, pondo desse modo em perigo a sua alimentação e a prestação de cuidados que lhe são devidos..."

 

Mas, serão a negligência e a indiferença, uma forma de maus tratos punível pela lei?

Como agir nestes casos de maus tratos que não se vêem, mas que os animais sentem na própria pele?

Não se pode dizer que tenham sido abandonados porque, se a porta dos donos estiver aberta, eles podem entrar. Provavelmente, até têm comida e água à disposição, e uma caixa de areia nessas casas. 

Não se pode considerar maus tratos físicos, porque não os agridem directamente.

No entanto, falta-lhes tudo o resto.

Ao negligenciá-los, ao não lhes prestar os cuidados e prevenções que deveriam, ao não lhes proporcionar as melhores condições, estão a colocá-los em perigo. 

E, ao não mostrarem o mínimo de preocupação com o desaparecimento do seu animal, preferindo mascarar a situação com mentiras, só estão a mostrar que podem não lhes fazer mal, mas também nunca farão nada para os proteger, e não são dignos de ter qualquer animal a seu cargo.

 

 

Ainda assim, até que ponto estas situações estão previstas na lei? Até que ponto se podem encaixar na lei? Ou, simplemente, não há punição possível para algo que não se vê, mas apenas se sente?

 

 

 

Como se portariam os gatos nos restaurantes

Resultado de imagem para gatos à mesa

 

Há gatos que convivem bem com as pessoas. Outros, que fogem delas. Há os que são amigáveis e conquistam as pessoas, e os que bufam à primeira festinha que lhes fazem.

Há gatos que não precisam de trela ou transportadora, porque estão habituados a estar perto dos donos, e outros que, se se descuidam, desaparecem da vista enquanto o diabo esfrega um olho.

Há gatos que conseguem permanecer sossegados, à espera que as pessoas tenham a bondade de lhes oferecer um petisco. Outros, que nem sequer pedem licença, e surrupiam à primeira oportunidade.

 

 

Imagem relacionada

 

Assim, haverão gatos que, se levados a um restaurante, não incomodarão ninguém, e outros que provocarão, certamente, verdadeiros estragos, tornando a refeição um autêntico pesadelo!

E, atenção porque, ao mínimo descuido, o gato poderá ir parar dentro da panela, como o João Ratão no caldeirão!

 

 

Foto de Becas e Amora.

 

Compreendo perfeitamente que, numa viagem em que se levem os gatos e, fazendo uma paragem para almoçar ou jantar, não deixemos, simplesmente, os mesmos trancados no carro, preferindo levá-los connosco. Normalmente, eles viajam em transportadoras, e seria assim que entrariam no restaurante, a não ser em casos excepcionais, em que estão tão habituados que não há problema em os deixar sair.

 

Não seria o caso da Becas e da Amora. Estão ambas habituadas ao sossego do lar. Não gostam de viajar, nem que seja um passeio de carro de 2 minutos. A Amora não gosta de gente estranha, esconde-se logo. A Becas, fica, e cheira tudo e todos, qual inspectora. Mas no meio de muita gente, sentir-se-iam assustadas, desconfortáveis, em último caso, a Amora entraria em pânico, o que não é bonito de se ver.

Espero nunca ter que as sujeitar a isso.

 

No entanto, a questão que coloco é: apesar da existência da lei, quantos restaurantes irão aderir e permitir a entrada a animais de companhia?

 

E por aqui no Clube, estão a pensar levar os vossos gatos ao restaurante? É que, pensando bem, se a moda pega, podemos abrir uma escola de boas etiquetas à mesa para felinos!

Protectores versus acumuladores de animais

Resultado de imagem para acumuladores de gatos

 

E se, de repente, eu levasse para casa o Branquinho, o gato do vizinho? E a Kikas, a gata da vizinha? E porque não a Chica, que é de todos e não é de ninguém. Ah, e já agora, a Stephanie, da vizinha dos meus pais.

E, claro, não poderia deixar de fora o Pompom, a Oreo, a Bela, a Rapunzel, o Panterinha, a Charlotte, a Margarida e a Minnie, o D. Juan e os mais recentes residentes da colónia.

De caminho, pegava na gata que vi no outro dia na minha rua e os seus dois filhotes.

E se, entetanto, visse outros gatinhos a precisar de ajuda e abandonados, levava-os para casa também.

Juntava todos eles lá em casa, com as já residentes Becas e Amora.

Neste momento, ficaria com...cerca de 22 gatos, para começar!

 

Podia até ter a melhor das intenções para com os felinos, mas acabaria por os prejudicar mais do que ajudar. Porquê? Porque uma habitação não é local para manter tantos animais fechados. 

Não existiriam condições adequadas de higiene, não poderia dar a atenção devida a cada um deles, não haveria dinheiro para vacinas e esterilizações para todos, bem como para cuidados veterinários,o que implicaria possíveis contágios e, em último caso, morte para um ou mais deles.

Ainda que tivesse um tecto para se abrigar e, possivelmente, alimentação, faltaria tudo o resto.

E eu, deixaria de ser uma protectora, para me tornar uma espécie de acumuladora de animais!

 

 

Acumuladores de animais não são, necessariamente, pessoas más, mas sim doentes. Sofrem de uma condição psiquiátrica clínica denominada Transtorno de Acumulação de Animais.

Por norma, os acumuladores resgatam e acolhem animais, na maioria cães e gatos abandonados, com a intenção de protegê-los e ajudá-los. Por vezes, podem até passar fome para tentar alimentar os bichos. O problema é que não percebem a realidade e não têm limites, assumindo mais resgates do que teriam condições, e são incapazes de perceber que aquela situação é insustentável.

Vivem em constante negação da realidade, e sentem até medo de os doar, ficando com todos para si, por acreditarem que são os únicos que os conseguem salvar e proteger. 

 

 

Como se identifica um possível acumulador?

Pela quantidade de animais ao seu cuidado, em proporção ao espaço existente para os ter. Ou seja, este número de gatos que acima mencionei, na minha casa, que é pequena e ficaria sobrelotada, poderia ser um indicador de acumulação. No entanto, se tivesse esses mesmos animais num espaço muito maior, onde não houvesse sobrelotação, e com mais condições, já não seria o caso. 

 

Nem sempre são pessoas idosas, e nem sempre são pessoas sós, embora esses dois factores possam influenciar, devido à degeneração da mente e ao isolamento social, procurando afeto e ligação nos animais.

 

Acumuladores de animais podem, muitas vezes, tê-los em jaulas, gaiolas ou caixas de transporte, ou acorrentados.

Costumam ter os animais em espaços cujo chão se encontra coberto por urina e fezes, e até corpos de animais mortos já em decomposição.

 

 

O que fazer no caso de suspeita?

Tentar conversar com os acumuladores

Tentar oferecer ajuda, seja para adopção dos animais ou angariação de alimentação e outros bens

Denunciar às autoridades

Contactar associações ou entidades que possam ajudar a lidar com a situação e retirar os animais do perigo

 

 

 

Descansa em paz, Lassie!

21151211_1400813310033970_662293037729136688_n.jpg

É incrível como nos afeiçoamos aos animais, mesmo àqueles que nem sequer nos pertencem, mas com os quais acabamos por conviver no dia-a-dia, e que já fazem parte da nossa rotina.

 

A Lassie era a cadela mais velhinha da rua. Diz, quem se lembra dela desde pequena, que deveria estar perto dos 20 anos. As histórias que deveria ter para contar!

Eu lembro-me vagamente dela, há mais de uma década. Depois, houve uma fase em que ela não saía do seu quintal, raramente se via, e eu não estava tão ligada aos animais como hoje, por isso, não prestava muita atenção.

 

Até que, no ano passado, ela começou a vir até perto da minha porta, muito magrinha, negligenciada e com fome. Foi nessa altura que comecei a dar-lhe ração, e a observá-la com outros olhos. Estava, provavelmente, doente. O veterinário chegou a ir até à casa dos donos, para a ver. Andou uns tempos com funil e um penso na pata. Depois melhorou. Ultimamente, voltou a andar com o funil durante uns dias. Via-se que os donos estavam apenas à espera que a morte a levasse.

 

Foi das cadelas mais mansas e meigas que conheci. Gostava dela! Notava-se que já nem via bem, e tinha muitas vezes que a guiar até à comida que, a certa altura, já nem forças tinha para comer.

Nos últimos dias de 2017, e no início deste ano, comentei com a minha filha e o meu marido que achava estranho ela não aparecer, e passou-me pela cabeça que tivesse falecido, porque já não a via há vários dias.

Até que, na semana passada, a vi pela janela. Muito murcha, ainda mais magra e encolhida a tal ponto que, por momentos, me pareceu que lhe tinha sido amputada a pata. Mas foi apenas ilusão de óptica. Custou-me vê-la assim, mas fiquei aliviada por estar viva.

 

Hoje, recebi a notícia de que a Lassie partiu, não está mais entre nós...Acabou-se a dor e o sofrimento dela.

A Lassie não era minha, mas nem por isso deixei de ficar triste com esta notícia. Nem por isso deixamos de nos afeiçoar, e de sentir a sua perda.

Ainda tenho em casa um restinho da ração que lhe dava. E o que ela gostava de comer a ração dos gatos, e de lhes roubar a comida, quando a via no prato!

 

Por aqui, serás sempre lembrada e recordada com carinho...O carinho que te faltou, provavelmente, nesta última fase da tua vida...

Hoje, uma parte do meu coração está de luto por ti.

 

Descansa em paz, Lassie! 

 

20708376_1386486394799995_774719193675632987_n.jpg

20728212_1386486401466661_4929696251681386242_n.jp

21077804_1400813116700656_3183477986614098549_n.jp

21078518_1400813106700657_1290981690953433436_n.jp

21105991_1400813070033994_2321485365688892201_n.jp

22405628_690999337767204_3249593769951352663_n.jpg

 

Um casamento original!

Resultado de imagem para casamento em santuário de gatos

Dominic Husson e  Louise Véronneau são apaixonados por animais e resolveram celebrar seu casamento junto daqueles que mais amam: os gatos!

Ambos canadenses, e residentes em Montreal, decidiram dispensar a presença de humanos na cerimónia, preferindo trocar os seus votos na companhia de cerca de 1100 felinos, que vivem, de forma livre, no santuário para animais Cat House on The Kings, na Califórnia.

 

 

Resultado de imagem para casamento em santuário de gatos

A presença de humanos foi dispensada durante a cerimónia, que contou com cerca de 1100 felinos. Dominique e Louise são canadenses e vivem em Montreal, mas decidiram trocar os votos no santuário para animais Cat House On The Kings, na Califórnia, EUA, em que os gatos vivem livres.

 

Este santuário, uma organização sem fins lucrativos, com mais de 25 anos, localizado ao lado do rio Kings, tem resgatado e salvado dezenas de milhares de gatos no centro da Califórnia, dependendo, exclusivamente, de doações de pessoas amantes de animais.

 

 

Foto de The Cat House On The Kings.com.

Fundado por Lynea Lattanzip, The Cat House on the Kings salvou, até hoje, mais de 30.000 gatos e 7.100 cachorros (sem contar os 56.000 animais que esterilizaram e castraram) e cuida, atualmente, de mais de 700 gatos e gatinhos, cerca de uma dúzia de cães e dezenas de pavões.

 

 

Resultado de imagem para the cat house on the kings

Este é o primeiro casamento celebrado no local. Quem sabe não inspira mais pessoas a seguir o exemplo, e rodear-se dos seus amigos preferidos nos momentos mais importantes das suas vidas!

 

 

 

Resultado de imagem para casamento em santuário de gatos

Claro que, depois, podem ocorrer situações caricatas, como esta!

 

Deixo aqui a página de facebook - https://www.facebook.com/pg/TheCatHouseontheKings/ e do site http://www.cathouseonthekings.com/.

 

 

Quer ser parceiro do Clube de Gatos do Sapo?

Foto de Clube de Gatos do Sapo.

 

O Clube de Gatos do Sapo é um blog sobre gatos que pretende, através da sua vertente solidária, ajudar diversas associações de protecção animal.

O Clube tem contado com o apoio dos respectivos membros, mas ambiciona chegar mais longe e, para isso, está à procura de parceiros que queiram embarcar nesta aventura conjunta.

 

É escritor e quer doar um livro? 
É músico e quer oferecer um CD?
Tem uma loja e quer doar alguns produtos?
Faz artesanato e quer oferecer uma peça?

 

Tudo isto e muito mais será bem vindo!

Nós agradecemos, e as associações que vierem a beneficiar das iniciativas também!

 

Contactem-nos através do facebook https://www.facebook.com/clubedegatosdosapo/

ou email clubedegatosdosapo@gmail.com

 

  • Blogs Portugal