Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Pior que a ida para o veterinário, só mesmo a vinda do veterinário

royal_canin_abre.png

 

Foram apenas um dia e uma noite que a Becas passou no hospital veterinário.

Mas se achámos que o seu internamento seria o mais stressante, enganámo-nos.

O regresso a casa, está a ser bem pior.

 

E porquê?

Porque ela vem stressada, de todas as "maldades" que lhe fizeram no hospital.

Porque ainda vem sob o efeito da sedação que tiveram que fazer, para poderem levar a cabo os exames.

Porque esteve aquele tempo todo num ambiente estranho, com pessoas que não conhece, e animais que não conhece, e ainda não se habituou a estar na sua casa novamente.

 

Por isso, a Becas saiu daqui murcha, quase sem reacção, e voltou uma fera no lugar dela, a bufar, a assanhar-se, não só para a Amora, como também para os donos, mal estes se chegam ao pé dela.

Pior, não controla o acto de urinar, e então fá-lo onde calhar. Fê-lo a caminho de casa. Fê-lo em casa. 

Está toda molhada. Vai ter que ser lavada. Mas nem deixa ninguém aproximar-se. Quanto mais limpá-la.

 

Ainda vem com a compressa na pata. 

Que, se não tirar sozinha, temos que ser nós a tirá-la. Não sei bem como. Porque ela não permite aproximações, quanto mais toques.

A médica diz que é normal. Que passa ao fim de umas horas. Mas se não passar, para ligar para lá.

Acho que a última coisa que qualquer um de nós quer é voltar a levá-la ao hospital.

 

Quanto ao problema que a levou ao médico, depois de ter estado este tempo todo a soro, melhorou. E as suspeitas de que teria um corpo estranho dentro de si, tendo que ser operada, não se confirmaram.

De acordo com a médica que nos ligou à noite "A Becas está bem, já não está nauseada, não vomitou enquanto cá esteve, não tem nada".

Por isso, não percebo o porquê de vir com medicação, para fazer durante 5 dias.

Como se alguém lhe conseguisse enfiar, da maneira que ela está, alguma coisa na boca.

Enfim...

 

De uma coisa ficámos certos.

Apesar da confiança que temos nos médicos daquele hospital, os actuais em nada correspondem ao profissionalismo de alguns que já nos atenderam das primeiras vezes.

Querem que os donos se transformem em auxiliares, porque eles têm receio de tocar nos animais e, tudo o que os donos puderem fazer, melhor.

E nunca vi, das várias vezes em que trouxemos uma das bichanas para casa, depois de lá ter estado, uma delas vir no estado em que a Becas veio.

Não só a nível de comportamento, mas também de higiene.

 

Agora, ficamos com a parte mais difícil, que é lidar com o pós internamento, sem a vantagem que eles tiveram, de poder manuseá-la sem ela resistir.

 

A Becas está internada

129252564_2894712380800887_7269321552922175623_o.j

 

Sabemos que algo não está bem quando a Becas, a madrugadora da casa, que se levanta primeiro que toda a gente, permanece na cama, mesmo depois dos donos estarem de pé.

Ao início, achámos que era por ter frio, e sentir-se ali quentinha.

Depois, ouvimo-la vomitar.

Estava murcha.

Peguei nela ao colo. Andei a passeá-la pela casa. Encostei a cabeça ao corpo dela. O coração batia a mil à hora, mas ela nem se mexia. Experimentei levá-la perto da janela. Não mostrou vontade de saltar para lá. Sentia-se bem no colo.

Como tinha que me despachar, deixei-a novamente na cama. Deitou-se logo. Tapei-a com a mantinha.

Continuava muito murchinha. Mal abria os olhos. Até a Amora estranhou.

Custou-me imenso deixá-la lá sozinha.

 

Entretanto, o dono chegou a casa e ela continuava na mesma.

Ligou para o hospital e aconselharam a levá-la, para a observarem.

Teve que ser sedada para poderem fazer Rx.

As análises estão normais.

O Rx acusou dilatação e presença de líquido no estômago e no intestino. 

Fizeram ecografia. Aparece a parede do intestino mais espessa que o normal.

Tudo compatível com a presença de um "corpo estranho".

 

Para despistar, ficou internada em observação, a fazer medicação, e será reavaliada ao final do dia, para ver se o resultado da ecografia permanece igual, ou se o tal "corpo estranho" desapareceu e tudo está a voltar ao normal.

Esperemos que sim.

 

Se os resultados continuarem iguais, ou o "corpo estranho" é algo que ela engoliu (acho estranho) e tem que ir para cirurgia, ou é um tumor, e tem que ir para cirurgia. 

Ao fim de quase 5 anos, isto faz-me voltar ao dia em que ela foi internada e teve que lutar pela vida.

Agora, volta a estar internada, com os donos a querer acreditar no melhor, mas já preparados para as más notícias que possam aí vir.

 

Só logo à noite saberemos mais. Até lá, é esperar, sem desesperar...

O fim de semana está aí!

IMG_8420.JPG

Becas:

Amora, não digas nada a ninguém, mas o fim de semana está mesmo aí a chegar. Já o consigo ver pela janela!

 

 

IMG_8419.JPG

Amora:

Pois é Becas, também o estou a ver!

Isso quer dizer que vamos ter mais colo e mimos :)

 

 

IMG_8417.JPG

Becas:

Pois, tens tu, que eu cá sou sempre discriminada.

Amora: 

Não sejas assim! Sabes que há espaço para as duas, e só não vais mais vezes porque não queres.

 

 

IMG_8418cópia.JPG

A dona júnior, ao chegar ao quarto:

Alguém falou em fim de semana?

Becas e Amora:

Oops, lá se foi o nosso segredo!

 

 

 

É só amor!

A imagem pode conter: interiores

Enquanto a Amora se espreguiça para cima da Becas...

Becas: Mas tu estás-te a passar ou quê?

 

 

A imagem pode conter: gato e interiores

Amora: Não te chateies. Mal te toquei. Toma lá um beijinho para deixares de ser rezinga!

 

 

Nenhuma descrição de foto disponível.

Pazes feitas, a dormir enroscadinhas...

 

 

A imagem pode conter: gato e interiores

Becas: agora levas com a minha mão, a ver se também gostas!

 

A brincadeira que uma simples caixa pode proporcionar

IMG_8062.JPG

Amora: Oh Becas, escusas de disfarçar, que eu sei que estás aí dentro!

 

 

IMG_8063.JPG

Becas: O que é que queres, miúda?

Amora: Eu? Nada! Estou só aqui a descansar um bocadinho!

 

 

 

IMG_8064.JPG

Becas: Olha-me aquela outra, pensa que me engana! Ela queria era vir cá para dentro!

 

 

Nos últimos meses, tenho encomendado ração online e, quando vem, para além da ração, a própria caixa é um brinde adicional para elas, que ficam eufóricas, à espera que a coloque no chão para a atacarem.

Das primeiras vezes, tanto andavam lá dentro e a rebentavam do outro lado, que acabava por ficar espalmada.

Depois, descobriram que a caixa podia ser um óptimo arranhador, e é vê-las afiar as unhas, até a romperem e ficar um buraco no lugar!

E foi à volta dessa caixa esburacada, que decorreu a brincadeira ontem, que originou esta fotonovela!

Poderia ser uma cena para os apanhados!

IMG_76201.JPG

 

Mas não foi.

Só tive pena de não ter gravado o momento, de tão hilariante que foi!

 

 

Estas duas meninas deitaram-se, ontem à noite, na nossa cama.

Eu estava a ver um filme.

Quando estiquei as pernas, a Amora resolveu deitar-se em cima delas.

Ora, quando ela está a dormir e a sonhar, volta e meia começa a tremelicar, e a modos que abana o corpo, como se lhe tivesse a dar uma coisinha má. Por norma, tocamos nela, e ela acalma. Foi o que fiz.

Mas, de repente, sem ninguém contar, a Amora salta das minhas pernas e cai ao lado, a dormir. Conforme cai, fica e continua a dormir.

E, quase como um efeito trampolim, saltou a Amora para a cama, e saltou a Becas para o chão, a fugir com o susto.

 

 

Passados uns 5 minutos, põe-se a Becas em pé, a espreitar para a cama, a ver se o perigo já tinha passado. 

Ainda receosa, subiu para a cama lá mais ao fundo, deu a volta, e acabou por deitar-se ela em cima de mim.

 

 

Entretanto, acorda a Amora, com um ar muito espantado e confuso, como que a pensar "como é que eu vim aqui parar"!