Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

A Belinha já regressou à colónia

IMG_77551.JPG

 

A Bela foi uma das gatas da colónia de Santo André, capturadas pela associação, no âmbito do programa CED.

O processo teve início no dia 14 de junho.

Desde então, a associação apenas me enviou um email, na manhã seguinte, a informar quantos gatos tinham capturado, e a fazer mais algumas questões e recomendações.

 

 

Não sei se todas têm por hábito proceder desta forma, mas estranhei porque, apesar de dois emails e uma mensagem enviados para a responsável da associação, que esteve presente no processo, a solicitar informação sobre os bichanos, se tinha corrido tudo bem, e como estavam, não obtive, até hoje, qualquer resposta.

No sábado passado liguei, mas ninguém atendeu.

 

 

Como é óbvio, estava preocupada com os felinos, até porque os únicos que via por lá, eram dois que não tinham chegado a ser capturados naquele dia. Dos restantes, nem sinal.

E, segundo me tinham informado, o recobro não seria mais do que 72 horas.

No facebook da associação onde, volta e meia, colocam vídeos de outras colónias, com o processo de devolução, destes, nem sinal.

Não fazia a mínima ideia do que se estaria a passar com eles até que, hoje, me deparo com a Belinha!

 

 

 

IMG_77541.JPG

 

Ao que parece, já regressou à colónia e, por isso, depreendo que os outros também já lá estejam, embora ainda não os tenha visto.

Se repararem, já se nota na sua orelhita o corte, a sinalizar que está esterilizada.

Só lamento que as associações peçam a colaboração dos cuidadores, na hora de dar início ao processo, mas depois falhem na comunicação com os mesmos, até ao término.

Notícias da Colónia de Santo André - programa CED

Nenhuma descrição de foto disponível.

 

Sabem quando os nossos filhos vão ao médico e, a determinado momento, os médicos pedem aos pais para saírem, quando é necessário fazer alguns procedimentos, porque sabem que a sua presença ao pé dos filhos vai dificultar mais do que ajudar?

Uma vez, fizeram-me isso, quando tiveram que costurar o dedo à minha filha, porque se eu lá ficasse, ela ia estar fazer um filme. Acho que da minha parte, conseguia aguentar. Já tinha visto pior, quando ela era bebé e lhe tiraram sangue na cabeça, por isso...

 

 

Pois que, com os animais, neste caso, os gatos, acontece o mesmo.

Mas, neste caso, sou eu a primeira a afastar-me!

Sou uma piegas, a quem muitas coisas fazem confusão e, assim, prefiro não ver, nem estar por perto.

 

 

Uma leitora do nosso blog viu, há uns meses, um post sobre a Colónia de Santo André, e quis dar o seu contributo para a esterilização desta colónia.

Antes, já eu tinha tentado entrar em contacto com algumas associações do concelho, mas sem sucesso, porque eram pedidas madrinhas que suportassem os custos.

Desta vez, haveria a possibilidade de ser sinalizada pela Câmara Municipal de Mafra e, quem sabe, ser objecto do programa CED.

Forneci as informações necessárias. A dita leitora do blog fez os contactos e inscrição da colónia. Ficámos a aguardar.

 

 

Confesso que essa decisão de contactar as associações, na altura em que fiz os primeiros contactos, foi feita sob dúvidas e algum egoísmo da minha parte também.

Por um lado, era importante controlar a colónia e evitar as ninhadas constantes. Por outro, tinha receio que os levassem, e deixasse de os ver.

Por um lado, pensava que, se encontrassem uma família que os adoptasse, teriam uma oportunidade de ser felizes. Por outro, questionava-me se não seriam mais felizes ali, na colónia, onde cresceram.

 

 

E foi com essas dúvidas e egoísmo que, quando me contactaram a dizer que iam começar o programa, mais uma vez, hesitei, antes de dar todas as indicações necessárias, marcarmos o dia e me oferecer para estar presente.

Nunca tinha visto, ao vivo, o procedimento de captura dos animais, embora tivesse uma ideia de como funcionava.

Foram colocadas as armadilhas nos locais onde eles costumam comer ou estar, e era preciso esperar que eles fossem aparecendo, e caindo nas armadilhas.

Dificultou o facto de não responderem ao meu chamado, de não virem ter comigo e de não terem horário certo para se alimentar.

No dia antes da captura, deve ser retirada a ração, para que eles tenham fome e seja mais fácil irem até à armadilha, onde os espera alguns petiscos ou ração, que pode funcionar em modo automático, ou manual.

Uma vez dentro da armadilha, esta é coberta com uma manta, e trazida para ao pé da transportadora, também ela coberta, para que, ao abrir a porta da armadilha, o animal entre logo na transportadora, sendo esta colocada no transporte da associação.

E assim se vai repetindo o procedimento, até serem levados para o local onde vão ficar a aguardar a vez de ir a cirurgia e, mais tarde, em recobro, antes da devolução à colónia.

 

 

Ora, este é um procedimento corriqueiro, habitual, que em nada magoa os animais e, no fundo, feito para o bem deles mas...

Só conseguia pensar: este é o local onde se sentem seguros, onde sabem que têm alimento e, agora, sempre que ali forem, vão associar alimentação a captura; como será que eles se devem estar a sentir, ao ficar, de repente, presos numa armadilha e colocados numa transportadora, às escuras, sem saber o que lhes vão fazer?

Estarão assustados? Com medo?

Terei feito o melhor em sujeitá-los a isso, ou sentirão eles que traí a sua confiança?

 

 

Nesse dia, foram capturados 6 gatos, pelo que me disseram depois, entre os quais a Bela e o D. Juan, e o panterinha pequeno.

Ainda falta capturar mais 3 ou 4.

Isto foi no domingo. Não voltei a ter notícias, entretanto.

Fiquei a saber que alguém terá encontrado, não sei bem quando, o corpo de 2 gatos pretos e brancos, pelo que suponho que tenham sido duas das malhadinhas. 

 

 

 

Corte na orelha dos gatos para sinalização: sim ou não?

Resultado de imagem para corte na orelha do gato

 

Há muitos anos que o conhecido "corte" na orelha dos gatos é efectuado para sinalizar aqueles que foram abrangidos pelo programa CED, e já se encontram esterilizados/ castrados.

Sabemos que o corte é indolor. Que é feito durante a cirurgia, sob efeito de anestesia.

E que é uma forma de os proteger de novas intervenções cirúrgicas desnecessárias, por não se saber se a elas já teriam sido submetidos, não apresentando qualquer marca identificativa.

 

 

Mas, é mesmo necessário fazer isso? 

Numa era tão virada para as novas tecnologias, não existem outras opções que não passem pela mutilação da orelha dos gatos, por mera questão de sinalização?

 

 

Por outro lado, já têm surgido nas associações, ou sido capturadas algumas gatas que, por apresentarem o referido corte, se supunha que estariam esterilizadas e, afinal, deram à luz.

Por vezes, os gatos apreentam esses cortes por outros motivos, que não relacionados com o programa CED, e acaba por não ser um meio muito eficaz de sinalização.

 

 

Quem por aí é contra ou a favor deste método?

Seria o microchip, uma opção mais viável? Ou igualmente violadora do corpo do animal?

Que outras soluções poderiam ser colocadas em prática, que não implicassem a mutilação do animal?

 

 

 

 

 

 

 

A esterilização/ castração de um gato é sempre igual?

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

Já aqui falámos sobre esterilização/ castração, nomeadamente, idade aconselhável e benefícios que trazem, relativamente a outros métodos.

No entanto, a questão que coloco hoje, após ter tomado conhecimento da morte de um gatinho bebé por complicações relacionadas com a esterilização em idade precoce e falta de cuidados, está relacionada com o tipo de procedimento adoptado pelos médicos veterinários/ clínicas, no que respeita, não só à própria esterilização/ castração dos gatos, como aos cuidados pré e pós cirurgia.

 

 

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

Sabemos que esterilizar/castrar gatos de rua, pertencentes a colónias, exigem (ou assim o dizem os entendidos) uma forma de actuar mais rápida, uma vez que são, na sua maioria, gatos silvestres, que não gostam de contacto com os humanos para além do necessário. Daí que o programa CED - Captura Esterilização Devolução, implique uma actuação mais acelerada, garantindo que os gatos são esterilizados, e ficam minimamente bem num curto período de tempo, devolvendo-os à colónia sem grandes riscos para a saúde, tendo em conta o ambiente em que vivem. A partir daí, vão sendo vigiados nas visitas à colónia. 

 

Em contrapartida, um gato de casa terá mais tempo para recuperar dessa cirurgia, um ambiente mais favorável à cicatrização, e um acompanhamento por parte dos donos e médicos mais prolongado.

 

Por norma, as esterilizações através das associações, tanto de gatos para adopção como os de rua, são feitas com base num método diferente (pelo flanco) daquelas que são feitas nos hospitais/ clínicas aos gatos com dono (linha média), cada um com as suas vantagens e desvantagens (ver estudo aqui).

 

De acordo com a duração total de ambos os procedimentos, a aproximação pelo flanco foi significativamente mais rápida (p= 0,012).

Relativamente ao tamanho final médio da incisão, no flanco foi significativamente mais curto (p= 0,001).

A grande desvantagem da aproximação pelo flanco foi a fraca visibilidade do interior da cavidade abdominal, com consequente aumento das complicações intra-operatórias, tendo sido registado um caso de hemorragia por perda de um pedículo ovárico. Para além disso, a incidência de complicações pós-operatórias foi mais elevada nesta abordagem, onde se detectaram 4 casos. Na linha média houve registo de apenas uma gata com complicação pós-operatória.

 

Tendo em conta que é apenas um estudo, ainda assim parece indicar-nos que o segundo método acaba por ser uma melhor escolha, embora com o primeiro também possa correr tudo bem.

 

 

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

Será, então, com base na rapidez de todo o processo que está a base para essa escolha? Ou o factor monetário também terá influencia?

Parece-me que a ovariohisterectomia através da linha média acaba por ser um pouco mais dispendiosa. Se os gatos têm um dono que quer o melhor para eles, pode optar pelo mesmo, pagando o que for preciso. 

Por outro lado, os gatos de rua são gatos de ninguém. Os gatos de estão nas associações (estas próprias vivendo de ajudas) são gatos ainda de ninguém. As clínicas/ veterinários, dada a parceria com a associação, cobram um valor muito mais barato pela cirurgia, pelo que é provável que, na hora de operar, optem pelo método mais barato também. 

 

E a idade?

Qual a idade certa para submeter o gato a este tipo de cirurgia? 

Há quem aconselhe aos seis meses, há quem o faça antes, há quem diga que deve ser feita antes do primeiro cio (que por vezes ocorre aos 4 meses). E se, em gatos caseiros, o perigo não é grande, em termos de ninhadas surpresa, o mesmo não se pode dizer de gatos de rua, que não conseguimos controlar. Neste caso, ainda será preciso fazê-lo mais cedo, porque um erro de dias pode resultar num aumento da população felina.

 

 

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

E quanto aos cuidados pré e pós cirurgia? Que cuidados tem um médico veterinário para com os vários gatos que as associações levam para esterilizar, tendo em conta que o processo tem que ser rápido?

Pela minha experiência, no que respeita às nossas gatas, o veterinário fez análises e exame geral para verificar se elas estavam bem e saudáveis, caso contrário, não poderiam seguir para cirurgia. Após a cirurgia, foram acompanhadas durante cerca de uma semana e meia/ duas semanas, para ver como evoluía a cicatrização,e se não havia complicações. Foi aconselhada aplicação de pomada, foi trocado o penso, limpa a cicatriz.

Serão também estes cuidados aplicados aos restantes animais sem dono? Ou a urgência na devolução ao habitat natural impede os mesmos?

 

Terão afinal,os animais, neste caso os gatos, direitos iguais, independementemente da sua condição, ou existe diferenciação na forma como são feitas as cirurgias, e no tratamento que lhes é aplicado, com clara desvantagem para os gatos de rua, comparativamente com os de casa?

 

 

  • Blogs Portugal