Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Riscas, o gato rebelde

O Riscas, quando chegou até nós, vinha com as orelhas/ouvidos numa lástima. Foi logo à clínica veterinária. Primeiro disseram que com uma pomada , a Oridermyl Pomada durante 21 dias passava. Mas não passou foram várias pomadas depois até foi feita aspiração aos ouvidos, mais tratamentos com outros remédios, loções  de limpeza auriculares. Durante mais de três anos, foi uma luta. Depois começou a perder pelo na barriga, e foi ao tomar um remédio para a queda de pelo que fez com que as otites passassem.

Neste tempo todo, o Riscas além destes problemas físicos tinham um problema de comportamento . Atacava-me nas pernas, nos braços, nas costas. Incidia mais nas pernas. Na altura da praia eu ia toda arranhada, toda marcada. Por vezes eu sentia medo dele. Não conseguia confiar nele a cem por cento. Três humanos em casa e ele só atacava a dona.

A par disto, era um gato meigo, dócil, carente, amistoso!

O Riscas personalizou-me os cortinados, pois pendurava-se neles. Aconselharam-me um spray com agua cada vez que se pendurasse, e acabou por resultar. Ao mesmo tempo personalizou-me o sofá, de tal forma que cinco anos depois da chegada dele, tivemos de trocar, tal não era o estado. E muitas mais coisas materiais que ele estragou.

O problema da perda pelo na barriga, estendeu-se ás patas. Mais umas idas ao veterinário, tratamentos. Quando aconselharam uma ração hipoalergenica , ele deixou de comer, rejeitou a ração. Chegou a ficar cinco dias sem comer, emagreceu. Ficou tristinho. Retirei ração , voltei à anterior.

Um dia desabafava com alguém sobre isto e a pessoa em questão aconselhou-me a ir a uma associação deixá-lo e trazer outro mais saudável e mais bem comportado! Fiquei desiludida. Se calhar com tantos dilemas, outra pessoa já o tinha abandonado ou devolvido, mas não eu. Felizmente não tenho essa formação! Sei que não comparável a um filho, mas pergunto: se tivesse um filho problemático ia abanoná-lo ou trocá-lo!? Claro que não!

Em 2017 resolvi trazer outro gato para casa. Foi muito complicado. O Riscas ficou deprimido, não comia, não ia ao WC, assanhava-se ao novo gato. Enquanto o novo gatito só queria brincar. Não sei como mas nesse período de tempo de adaptação,  o Riscas apanhou uma úlcera no olho e fez um hematoma na cabeça, no que resultou mais umas idas ao veterinário.

Houve uma altura em que  já não tinha dinheiro para tanta despesa inesperada, altura essa, em que tive de me privar de algumas coisas.

Mas eu não sou pessoa de desistir, tinha o compromisso com ele desde a adopção. Sabia que esta fase havia de passar e que eles haveriam de ser grandes amigos.

E cerca de dois meses depois, o Riscas e o Rafael já eram os melhores amigos, companheiros de brincadeiras e de traquinices. Dormiam juntos, davam-se banho. Senti-me emocionada e feliz!

O Riscas deixou de me atacar. No entanto, mais de dois anos depois da chegada do Rafael, o Riscas começou com um novo comportamento negativo. Começou a fazer xixi fora da caixa, principalmente nos nossos sapatos. Quando lhe tirei o acesso aos sapatos começou a fazer em qualquer lugar.

Alguns dos nossos sapatos foram para o lixo, pois mesmo depois de lavados o cheiro não saia. Também a minha tábua de cortar o pão de bambu foi diretamente para o lixo, e ainda não tenho outra igual!

Falei com a veterinária,  pois podia ser algum problema de saúde, mas segundo a mesma , é um problema comportamental, ou seja, pode ser uma manifestação dele sobre algo que o desagrada. A vet perguntou se tinha havido alguma mudança em casa, se alguém saiu, alguém entrou, mudamos de moveis ou o sitio de alguma coisa, o tipo de areia. Mas como nada tinha mudado, ficamos na mesma, sem saber o que fazer.

E recentemente voltou a atacar-me, desta vez num olho, felizmente não foi dentro do olho, mas deixou marca.  

O problema da queda de pelo parece estar a passar.

O Riscas esteve um mês sem fazer xixi, mas voltou a fazer, e voltou a estragar coisas.

A par de todos estes dilemas, anda sempre a pedir atenção, adora festinhas, fica ao meu colo ao serão.

Já aceitei que é este o Riscas, não é um gato fácil, confiável, mas é o meu "menino". Não o consigo mudar, então tenho de o aceitar.

Quem sabe se com a chegada da idade sénior, ele não estabiliza!? Espero que não chegue nenhuma doença má! O que custa muito é o cheiro horrível que fica no local onde ele deixa o seu xixi. E água e sabão só não chega, mas a atitude,  é ir limpando!

Enfim, nem todos os gatinhos são como os donos gostariam que fossem! São eles próprios!

SquarePic_20191103_14335767.jpg

 

A tristeza e a felicidade nos gatos

IMG_7341.JPG

 

Como já aqui disse várias vezes, a Becas e a Amora são duas gatas muito diferentes a nível de comportamento.

 

Quando pequenas, a Becas era uma espécie de macaca, activa, subia por todo o lado, corria e brincava.

A Amora ia brincando conforme conseguia, mas eram mais as vezes que ficava apenas a observar, precisando de ser estimulada.

 

 

 

IMG_7343.JPG

 

Agora que já têm 3 anos, é visível a mudança que ocorreu em ambas.

A Becas é agora uma gata muito mais séria, que gosta de brincar, sobretudo, se o fizermos com ela, mas prefere muitas vezes estar deitada. A não ser quando quer companhia para comer, não pede atenção. Fica à espera que lhe seja dada por nós, de livre vontade. É capaz de ficar horas sozinha, se não a formos buscar e, mesmo assim, quando por vezes o fazemos, vai-se embora chateada por a termos incomodado.

Mas, como também já mencionei, é uma gata extremamente carente, cujos "nãos" são, muitas vezes, um "sim".

Olhando para ela, e tirando alguns momentos em que se percebe que está bem, tenho sempre a sensação de que está triste, com um ar fechado, sério... É estranho, mas é o que sinto.

 

 

Por outro lado, a Amora tem os seus momentos de carência mas, de uma forma geral, parece sempre uma gata feliz, animada, bem disposta. Vejo-a muitas vezes a brincar e entreter-se sozinha, a mostrar a sua vontade, a aventurar-se.  

 

 

Como uma simples mudança nossa altera toda a rotina de um gato

Imagem relacionada

 

 

Os gatos são animais de rotinas, como sabemos,

E estabelecem a sua própria rotina, muitas vezes, em função da nossa.

Assim, basta uma pequena mudança na nossa rotina, para que a deles se descontrole e altere o seu comportamento.

 

Reparei nisso no outro dia, com uma coisa tão simples, como nos deitarmos mais tarde.

As nossas gatas estão habituadas a comer pouco à noite, e a deitar-se quando também nós nos deitamos, cerca das 22/ 22.30h.

Naquela noite, deitámo-nos mais tarde. Como não é costume estarem "de pé" àquelas horas, acabaram por ter fome, e tivemos que colocar ração extra. Depois, como se já tivessem passado da "fase do sono", andavam excitadas. E demoraram a acalmar quando, finalmente, nos deitámos.

 

E por aí, já notaram alguma mudança no comportamento dos vossos gatos e nas suas rotinas diárias, com base em alterações à vossa rotina?

 

A chegada de um novo membro à família

Resultado de imagem para adoção de dois gatos

 

Aqui no Clube, apesar das dificuldades iniciais, os casos em que existem dois felinos a cohabitar no mesmo espaço, tendo um chegado ao lar mais tarde que o outro, são de sucesso!

E é assim, na maioria das vezes.

Mas, atenção...

É preciso estar ciente de que o contrário também pode acontecer, e que o animal que temos em casa pode, não só não aceitar a nova companhia, como isso essa nova situação ter implicações na sua saúde.

 

Em algumas campanhas de adopção a que tenho ido, dizem-me sempre, quando mostro relutância em adoptar um novo gato, ou cão "ah e tal, eles acabam por se habituar, eu também tenho cães e gatos, e dão-se bem".

Pode até ser, mas também pode não ser. 

Porque não ser honesto e dizer "de uma forma geral e, com tempo e paciência, as coisas costumam correr bem, mas não podemos garantir"?

Porque não dizer "depende muito de animal para animal" ou, no caso dos cães,  "não sabemos, porque nunca esteve junto com gatos"?   

É que falar é muito fácil e, com tantos animais para adopção, se se puder "despachar" uns quantos, melhor, para dar lugar aos outros que precisam.

Mas quem adopta é que fica com a experiência em mãos, sem saber ao que vai, e como irá correr.

 

Sim, continuo a achar que, se for possível, devemos adoptar mais do que um gato, ou gatos e cães, porque há exemplos desses, em que ambas as espécies se dão bem.

Mas é preciso estar ciente que as coisas podem não correr bem. Que, por ciúmes, o animal mais antigo pode não aceitar a presença do novo. Que pode mudar o seu comportamento, tornando-se mais agressivo, não só para o novo animal como também para os donos. Que pode, até, entrar em depressão, e ter que andar a tomar medicamentos para diminuir o stress e agitação, ou antidepressivos.

 

E não é isso, de certeza, o que se deseja para o animal que já temos, nem para o que levámos para casa. 

Em alguns casos, temos que aceitar que não vale a pena forçar. Que há animais que preferem viver sozinhos, tal como há aqueles que se sentem melhor com companhia.

 

 

Observar os gatos

Resultado de imagem para observar os gatos

 

Já pararam por momentos tudo aquilo que estavam a fazer para, simplesmente, observar os vossos gatos?

Não apenas ver, mas observar com atenção. Observar a forma como dormem, a forma como confiam em nós, a forma como se alimentam, como eles próprios observam o mundo lá fora.

Observar os seus tiques próprios, manias, personalidade. A forma como brincam, como correm, ou como ficam atentos a algo.

Se já o fizeram, sabem o quão maravilhoso pode ser, tentar compreender, mesmo não compreendendo por vezes nada, e entrar por instantes no seu mundo, visto com os nossos olhos!

 

Como saber se uma pessoa gosta de gatos?

Resultado de imagem para sobre gatos

 

Quando vou a casa à hora do almoço, ou quando saio ao final da tarde, costumo encontrar aquela gatinha de que já vos falei, cuja dona a deixa vir à rua, ali à porta de casa, presa por uma trela para não haver acidentes.

 

Tal como eu, várias outras pessoas passam por ali, mesmo ao lado da gata. A gata, assim que vê alguém, mia e quer logo ir ter com a pessoa, para receber mimos.

Costumo parar sempre um bocadinho, para lhe dar festinhas e ela tenta subir-me pelas pernas. Uma ou outra pessoa, faz o mesmo que eu. Muitas pessoas, passam por ela sem sequer olhar.

Pergunto-me como conseguem, sendo para mim tão irresistível, passar por ali sem lhe fazerem uma festinha.

Dei por mim a pensar se isto será um bom indicador de quem realmente gosta ou não de gatos, ou se apenas reflecte receio, indiferença ou vergonha.

 

Será que passar por um gato, fazendo de conta que o mesmo não está lá é sinónimo, de que:

 

A) A pessoa não gosta nem desgosta destes animais, simplesmente não lhe dizem nada.

 

B) A pessoa até gosta de gatos, mas tem vergonha de parar ali a mimá-lo com outras pessoas ou a própria dona a ver, ou receio do que os gatos lhe possam fazer.

 

C) A pessoa, definitivamente, não gosta de gatos porque quem gosta, pára sempre e não resiste.

 

Para qual destas hipóteses mais se inclinam? 

 

Os gatos e a lua cheia

 

No outro dia, a propósito de um novo episódio de suposta convulsão da Amora, andei à procura de uma regularidade para as mesmas e percebi duas coisas:

- a segunda ocorreu cerca de um mês depois da primeira

- ambas ocorreram 1/2 dias antes ou depois da lua cheia

 

E, embora eu não acredite muito nestas coisas da astrologia e influência dos astros nos humanos e animais, alguns estudos parecem indicar que a lua cheia exerce influência sobre algumas espécies animais.

 

 

 

 

Uma pesquisa feita na Universidade de Colorado indica que, tanto os cães como os gatos domésticos sofrem mais com problemas de saúde e acidentes nas noites de lua cheia, embora ainda não se saiba exactamente qual a causa específica. Nas fases mais claras da lua, o risco de emergência médica aumenta em 23% para os gatos.

Posto isto, deixo aqui a pergunta em aberto: será que a lua cheia interfere mesmo no comportamento dos nossos gatos, ou será apenas um mito?

Deixem a vossa opinião!

As primeiras preocupações

Becas, a destemida, a aventureira, a macaca que salta e pula, e põe-se em pé como se fosse uma pequena ursinha, que não pára quieta e gosta de desafiar a Amora, e dar-lhe umas "dentadinhas de amor" quando ela quer estar sossegada, muda repentinamente.

No fim-de-semana, só queria estar ao colo sossegada, e muitos mimos. No domingo, então, ainda se notou mais. Era a Becas que queria estar sossegada, e a Amora que a desafiava. A Amora parecia que tinha pilhas duracell, nunca a vi brincar e divertir-se tanto. E a Becas, só queria estar deitada.

Ontem, fi-las correr um pouco atrás da corda. Mas quando mandei as bolas, a Becas limitou-se a olhar para elas, sem ir atrás.

Por esta altura, já estávamos de pé atrás e a achar que alguma coisa não estava bem.

Ontem ao final do dia chego a casa e reparo que, perto da porta do corredor, está qualquer coisa no chão, semelhante a vomitado. Perguntei ao meu marido mas ele, enquanto esteve em casa, não deu por nada.

À noite, vejo que a Becas se prepara para vomitar. Saiu apenas líquido. Não devia ter comida no estômago para sair. Depois disso, melhorou. Brincou um pouco com o rato e dormiu até de madrugada, a certa altura, encostada à minha cara.

Foi nessa altura que se preparou para vomitar novamente. Ainda meio ensonada, pensei em limpar hoje de manhã, mas não vi nada. Prestes a levantar-me, apanhei um valente susto quando toco nela e não sinto nada. Acho que estou traumatizada por causa da Tica. Ao fim de alguns segundos lá ela desperta, e me alivia.

Antes de vir para o trabalho, vomitou outra vez. Na primeira tentativa, não saiu nada. À segunda, uma espuma esbranquiçada.

E assim vamos nós hoje ao final do dia com ela ao veterinário, para ver o que se passa com a nossa Becas. Não podemos mais estar à espera que o carro fique arranjado. Vamos ter que as levar mesmo de táxi até ao hospital veterinário, até porque embora não apresente sinais, convém que a Amora também seja examinada.

Começaram as primeiras preocupações.

 

Coleiras com guizos - porque não se deve usar

Na primeira ida ao veterinário, com a Becas, falámos sobre os vários desparasitantes externos, incluindo as coleiras.

Como ela ainda é muito nova, não pode usar já, mas caso optássemos por esse método, e para ela se ir habituando a ter algo no pescoço, até mesmo para sua identificação ou dos donos, poderíamos já utilizar uma coleira normal.

No entanto, nada de coleiras com guizos! 

Porquê?

Porque nós podemos até pensar que eles ficam muito giros com eles, já para não falar que é mais fácil saber por onde andam, através do som dos guizos.

Mas os gatos não partilham dessa opinião!

Como predadores, e caçadores por natureza, para não denunciarem a sua presença às possíveis presas e, ao mesmo tempo, para sua própria protecção, os gatos gostam de passar despercebidos a tudo e todos à sua volta. Por um lado, não podem deixar a sua presa saber que estão por perto, sob pena de perderem a sua refeição. Por outro, como presa, não podem deixar que os predadores os descubram, senão eles próprios tornam-se a refeição deles.

Os guizos tornam esse objectivo impossível, deixando-os nervosos e frustrados, para além de que um som que para nós é mínimo, para os gatos, que têm uma audição apuradíssima, é muito mais forte e irritante.

Diz-se que, a longo prazo e em alguns casos, o uso dos guizos pode mesmo provocar problemas neurológicos no animal.

E por aí, são a favor ou contra o uso dos guizos nas coleiras? Costumam usar nos vossos gatos? 

 

 

A história por detrás do guizo

A ideia do sino no pescoço do gato é muito antiga, e podemos encontrá-la numa das fábula de Esopo:

"Há muito tempo, os ratos reuniram-se em conselho para decidir a maneira de se verem livres do gato que andava permanentemente à caça deles.
O gato era muito esperto, deslocava-se furtivamente, sem fazer barulho e, quando atacava, era mais rápido e mortífero do que um relâmpago.
Vários ratos expuseram as suas ideias, e a reunião prolongou-se pela noite fora. Nenhum dos planos parecia resultar, até que um rato muito novo pediu a palavra.
 
- Proponho - disse ele - que se pendure um guizo ao pescoço do gato. E, assim, cada vez que ele se mexer, o guizo toca e avisa-nos do perigo. Ouvimos o som e temos tempo de fugir.
 
Os outros ratos acharam que era uma óptima ideia e foi uma chiadeira de entusiasmo e aplausos.
 
Então, um velho rato, que tinha ficado calado durante todo o tempo, levantou-se e disse com gravidade:
- A tua proposta é excelente e tenho a certeza de que vai dar resultado. Mas pergunto uma coisa.
Calou-se.
 
- O que é? Faça a pergunta- chiaram os outros ratos.
 
- Quem - disse o velho rato - vai pendurar o guizo ao pescoço do gato?
 
Desta vez, nenhum dos ratos teve mais nada a dizer."

 
Versão de Ricardo Alberty, Fábulas de Esopo

Manual do Gato

 

A Arte Plural Edições, do Grupo Bertrand Círculo, lançou o livro "Manual do Gato", um manual prático com conselhos e dicas de especialistas sobre nutrição, cuidados com o pelo, exercício e comportamento do animal, em páginas que fornecem informação detalhada sobre saúde, que ajudará a manter o gato saudável, a identificar rapidamente qualquer doença e até a prestar os primeiros socorros em caso de emergência.

 

O meu marido comprou-o este fim-de-semana, mas confesso que ainda não o espreitei!