Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Que acompanhamento é feito aos gatos das colónias por parte das associações?

Resultado de imagem para colónias de gatos

 

A propósito de uma publicação anterior, da petição para permitir alimentar os animais de rua, surgiu um comentário, que defendia um projeto que visasse, não só a alimentação, como também a desparasitação, vacinação, e controlo da reprodução.

De certa forma, concordo. 

Existe a preocupação prioritária com o controlo da reprodução e superpopulação de gatos mas, depois, tudo o resto é, de certa forma, ignorado.

A ideia que fica é que os gatos podem andar pelas ruas doentes, com forme, cheios de parasitas que lhes fazem mal, mas desde que não procriem, já está tudo bem.

 

 

Neste momento, existem duas situações distintas:

- gatos de rua que pertencem ou são agrupados em colónias, em que eventualmente existe intervenção das associações no âmbito do projecto CED (captura/ esterilização/ devolução), e em que existem, muitas vezes, os chamados "cuidadores"

- gatos de rua solitários, que não se inserem em colónias, e que são, eventualmente, alimentados e/ou cuidados pelos moradores ou outros particulares 

 

 

No caso dos gatos das colónias que foram objecto da intervenção do projecto CED, que acompanhamento é feito, posteriormente, a estes gatos, por parte das associações/ entidades competentes?

Deixo aqui várias questões, que ficam a aguardar resposta, de quem saiba ou esteja em condições de esclarecer:

 

Geral/ Alimentação

- As associações que intervêm nas colónias com o CED, após o procedimento habitual, deixam de acompanhar as colónias, ficando os animais entregues a si mesmos?

- Depois de uma colónia ser sinalizada e intervencionada, as associações ficam encarregadas da alimentação destes animais? Ou contam com o apoio dos cuidadores para essa função? E as que não têm cuidadores?

 

Saúde

- É normal as associações fazerem visitas regulares às colónias, para observar o estado geral dos gatos e detectar possíveis problemas de saúde?

- Podem as associações, em caso de problemas de saúde, levá-los ao veterinário e tratar o problema em causa? É um procedimento habitual? Ou não existe verba para tal?

- Relativamente à vacinação, não faria sentido apostar na mesma, no âmbito do projecto CED, já que iria prevenir eventuais doenças que podem acometer estes animais de rua, mais expostos a vírus, bactérias e afins?

- Uma vez que a vacinação é feita por fases, seria uma opção viável e fácil de concretizar, ou uma tarefa difícil, sobretudo naqueles animais mais silvestres, que não se deixam apanhar, implicando capturas constantes dos gatos, sempre que fosse necessário vacinar? Como controlariam as associações as várias colónias, e respectivos gatos, quanto à vacinação, datas da mesma, reforços?

- Mais complicado ainda, penso eu, será a desparasitação (interna e externa). Como seria possível às associações/ cuidadores, sobretudo nos casos de gatos silvestres, fazer e controlar a desparasitação regularmente?

 

 

E os gatos que andam por aí solitários, e que só contam com a boa vontade de quem os queira ajudar?

Que apoios existem para eles, e para essas pessoas que os queiram ajudar?

Quando os nossos gatos fogem, e nem nos apercebemos disso!

49038024_2286700071602124_7651816109946961920_o.jp

 

 

Por já ter, infelizmente, alguma experiência no que toca a fugas de gatos da nossa casa, foi precisamente sobre esse tema que escrevi para a Miau Magazine de Janeiro.

No artigo, recordo a aventura da Tica, e partilho dicas sobre o que fazer em caso de desaparecimento do nosso animal de estimação, bem como conselhos para não alimentar aquele sentimento de culpa que tanto nos afecta. Claro que todo o artigo se refere a quando um gato desaparece, e nós sabemos disso e tentamos encontrá-lo.

 

 

Mas, e quando os nossos gatos fogem, e nem nos apercebemos disso?!

Como costumo dizer, tanto a Becas como a Amora têm algumas semelhanças com a Tica, não só a nível físico, como de feitio.

E a Becas parece ter herdado alguns dos genes da Tica, que saía para a rua, mal apanhava uma porta aberta. Esses genes estão a manifestar-se cada vez mais, e ontem passou a noite na rua.

Sem sabermos.

 

 

A primeira tentativa foi quando eu cheguei a casa. Apanhámo-la logo no quintal.

A segunda tentativa foi quando o meu marido veio das compras. Mais um vez, pegámos nela, e levámo-la de volta para casa.

À terceira, foi de vez. O meu marido saiu para trabalhar e não se apercebeu que, com ele, também a Becas tinha saído.

Tanto eu como a Inês já estávamos deitadas, e convencidas de que a Becas estava em casa.

 

 

De madrugada, a Amora começou a andar inquieta. Ora entrava dentro da cama, ora saía. ora voltava a entrar, para logo em seguida sair.

Ouvi também um barulho na porta. Parecia alguém a tentar abri-la. Mas pensei que fosse a Becas a brincar com as caixas que tinha deixado na entrada, e não liguei.

De manhã, levanto-me, e oiço miar. 

Olha, a Becas está com tanta fome que já mia desalmadamente, pensei eu. Mas não a vi.

Abri a porta da casa de banho, achando que ela podia ter ficado lá fechada, mas não. E o som vinha de longe. 

Abri a porta da dispensa, e também não estava lá.

Espreito pela janela da porta, para ver se era o Branquinho a miar lá fora. Vejo um gato. Parece clarinho. Abro a porta e, apesar de estar escuro, parece o Branquinho. Continuo a andar, para confirmar, e descubro que é o Branquinho, sim, e acompanhado pela Becas!

 

 

E é aqui que o meu coração pára momentaneamente, perante a constatação de que a nossa Bequinhas passou a noite toda na rua, ao frio, sabe-se lá com quem, e em que condições.

Enquanto nós dormíamos descansadas, na cama, quentinhas.

Pego imediatamente nela, e levo-a para casa. Só depois me apercebi do quão mau isto pareceu, por ter deixado o Branquinho na rua, sozinho, enquanto levava a Becas para casa.

E pode parecer parvoíce mas, apesar de tudo, fico grata ao Branquinho porque, de certa forma, parece que a protegeu e lhe fez companhia  para não se sentirem tão sós. 

Ela estava aparentemente bem, sem nenhuma ferida ou marca de que tenha corrido mal a noite.  Penso que ela não terá saído dali do quintal, uma vez que a Amora andava inquieta, quem sabe percebendo que alguma coisa se passava, ou que a amiga estava lá fora.

Já em casa, comeu, fez as suas necessidades, e estava na boa.

 

 

A Amora é que não parou de bufar a assanhar-se para ela o tempo todo, estranhando a companheira, e a pensar por que raio tínhamos levado um gato lá para casa. E se eu pegava na becas ou lhe fazia festinhas, a seguir a Amora assanhava-se para mim também.

Cá entre nós, temos a teoria de que a Amora está cheia de ciúmes porque a Becas passou a noite com o Branquinho, e agora até já parece amiga dele!

 

 

E agora?

O que fazer quando o nosso gato, que está sempre em casa, passa algum tempo na rua, inclusive em contacto com outros gatos?

Tendo em conta que ela não está ferida, e que não pode ficar prenha, já que é esterilizada, as principais preocupações são desparasitá-la, interna e externamente, e à Amora também.

Apesar de tudo, não acredito que tenha contraído alguma doença mais grave mas, por descargo de consciência, será melhor marcar consulta no veterinário, para verificar se está tudo bem. E, logo que possível, vacinar ambas contra o Felv, não vá a fuga repetir-se de novo.

Demasiado picuinhas ou moderadamente prevenida?

Resultado de imagem para fazer festinhas a gatos da rua

 

Eu sou daquelas:

- que chega a casa e lava as mãos, depois de ter feito festinhas a gatos da rua, ou lhes ter pegado ao colo, antes de fazer os mesmo às suas gatas

- que chega a casa e despe a roupa que tem vestida logo que possível, depois de esta ter estado em contacto com vários gatos da rua, antes de deixar as suas virem para o colo

- que, se por acaso algum gato lhe entra em casa e se serve da comida das suas felinas, retira de imediato os comedouros/ bebedouros, e desifecta tudo

 

Exagerada ou ponderada? 

Picuinhas ou prevenida?

Acham que estas são apenas medidas de prevenção e protecção para com os felinos da família, ou acções desnecessárias?

Também têm estes cuidados, ou nem se lembram disso?

Seminário sobre Geriatria nos animais de estimação

Foto de Hospital Veterinário do Atlântico.

 

Gostariam de saber mais sobre os cuidados a ter com os vossos amigos “séniories”?!

Dia 25 de Novembro, a equipa do Hospital Veterinário do Atlântico, em Mafra, irá realizar um seminário, onde poderão aprender mais sobre como dar a melhor qualidade de vida aos amigos de 4 patas.

 

Inscrevam-se já, através do email - info@hvatlantico.pt ou do telefone - 261 810 060.

A inscrição é gratuita.

A esterilização/ castração de um gato é sempre igual?

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

Já aqui falámos sobre esterilização/ castração, nomeadamente, idade aconselhável e benefícios que trazem, relativamente a outros métodos.

No entanto, a questão que coloco hoje, após ter tomado conhecimento da morte de um gatinho bebé por complicações relacionadas com a esterilização em idade precoce e falta de cuidados, está relacionada com o tipo de procedimento adoptado pelos médicos veterinários/ clínicas, no que respeita, não só à própria esterilização/ castração dos gatos, como aos cuidados pré e pós cirurgia.

 

 

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

Sabemos que esterilizar/castrar gatos de rua, pertencentes a colónias, exigem (ou assim o dizem os entendidos) uma forma de actuar mais rápida, uma vez que são, na sua maioria, gatos silvestres, que não gostam de contacto com os humanos para além do necessário. Daí que o programa CED - Captura Esterilização Devolução, implique uma actuação mais acelerada, garantindo que os gatos são esterilizados, e ficam minimamente bem num curto período de tempo, devolvendo-os à colónia sem grandes riscos para a saúde, tendo em conta o ambiente em que vivem. A partir daí, vão sendo vigiados nas visitas à colónia. 

 

Em contrapartida, um gato de casa terá mais tempo para recuperar dessa cirurgia, um ambiente mais favorável à cicatrização, e um acompanhamento por parte dos donos e médicos mais prolongado.

 

Por norma, as esterilizações através das associações, tanto de gatos para adopção como os de rua, são feitas com base num método diferente (pelo flanco) daquelas que são feitas nos hospitais/ clínicas aos gatos com dono (linha média), cada um com as suas vantagens e desvantagens (ver estudo aqui).

 

De acordo com a duração total de ambos os procedimentos, a aproximação pelo flanco foi significativamente mais rápida (p= 0,012).

Relativamente ao tamanho final médio da incisão, no flanco foi significativamente mais curto (p= 0,001).

A grande desvantagem da aproximação pelo flanco foi a fraca visibilidade do interior da cavidade abdominal, com consequente aumento das complicações intra-operatórias, tendo sido registado um caso de hemorragia por perda de um pedículo ovárico. Para além disso, a incidência de complicações pós-operatórias foi mais elevada nesta abordagem, onde se detectaram 4 casos. Na linha média houve registo de apenas uma gata com complicação pós-operatória.

 

Tendo em conta que é apenas um estudo, ainda assim parece indicar-nos que o segundo método acaba por ser uma melhor escolha, embora com o primeiro também possa correr tudo bem.

 

 

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

Será, então, com base na rapidez de todo o processo que está a base para essa escolha? Ou o factor monetário também terá influencia?

Parece-me que a ovariohisterectomia através da linha média acaba por ser um pouco mais dispendiosa. Se os gatos têm um dono que quer o melhor para eles, pode optar pelo mesmo, pagando o que for preciso. 

Por outro lado, os gatos de rua são gatos de ninguém. Os gatos de estão nas associações (estas próprias vivendo de ajudas) são gatos ainda de ninguém. As clínicas/ veterinários, dada a parceria com a associação, cobram um valor muito mais barato pela cirurgia, pelo que é provável que, na hora de operar, optem pelo método mais barato também. 

 

E a idade?

Qual a idade certa para submeter o gato a este tipo de cirurgia? 

Há quem aconselhe aos seis meses, há quem o faça antes, há quem diga que deve ser feita antes do primeiro cio (que por vezes ocorre aos 4 meses). E se, em gatos caseiros, o perigo não é grande, em termos de ninhadas surpresa, o mesmo não se pode dizer de gatos de rua, que não conseguimos controlar. Neste caso, ainda será preciso fazê-lo mais cedo, porque um erro de dias pode resultar num aumento da população felina.

 

 

Resultado de imagem para esterilização gatos

 

E quanto aos cuidados pré e pós cirurgia? Que cuidados tem um médico veterinário para com os vários gatos que as associações levam para esterilizar, tendo em conta que o processo tem que ser rápido?

Pela minha experiência, no que respeita às nossas gatas, o veterinário fez análises e exame geral para verificar se elas estavam bem e saudáveis, caso contrário, não poderiam seguir para cirurgia. Após a cirurgia, foram acompanhadas durante cerca de uma semana e meia/ duas semanas, para ver como evoluía a cicatrização,e se não havia complicações. Foi aconselhada aplicação de pomada, foi trocado o penso, limpa a cicatriz.

Serão também estes cuidados aplicados aos restantes animais sem dono? Ou a urgência na devolução ao habitat natural impede os mesmos?

 

Terão afinal,os animais, neste caso os gatos, direitos iguais, independementemente da sua condição, ou existe diferenciação na forma como são feitas as cirurgias, e no tratamento que lhes é aplicado, com clara desvantagem para os gatos de rua, comparativamente com os de casa?

 

 

Altruísmo versus egoísmo

Imagem relacionada

 

Há já algum tempo que andava com a ideia de contactar uma associação que cuida dos animais de rua, e suas colónias, para ver o que se podia fazer com aquelas gatas e gatos que costumo alimentar a caminho de casa.

Disseram-me, há uns meses, que seria preciso enviar uma candidatura, ter padrinhos que custeassem as esterilizações, e ajuda dos cuidadores para conseguir apanhá-los.

Desde então tenho estado na dúvida se enviava ou não a dita candidatura.

 

 

Por um lado, não fazendo nada, a não ser dar-lhes comida e água, estou a deixar que eles se reproduzam, e daqui a pouco não são apenas 8, mas muitos mais. Se não fizer nada, estou a deixá-los entregues a si mesmos, e à boa vontade das pessoas que têm ajudado até agora, sem quaisquer outros cuidados.

Poder sinalizar a colónia, e haver quem os vá vigiando e não lhes deixe faltar o essencial, é querer o bem deles.

 

Mas, por outro lado, dou por mim a pensar se os gatos não querem, simplesmente, que os deixemos em paz, a viver a sua vidinha como sempre o fizeram. Dou por mim a pensar se, depois, não vão retirar os gatinhos bebés às mães, para adopção, e restituir estas à colónia, sozinhas. Que direito tenho eu de lhes fazer isso?

E, confesso, gosto tanto de ver todos ali sempre que passo, de ver a cumplicidade entre mães e filhos, e restantes gatos, como se fossem um clã unido, que iria sentir muito a falta deles, se os tirassem dali. E aqui, sim, estou a ser egoísta.

 

De qualquer forma, nenhuma mãe deveria ser privada dos seus filhotes. Por muito bonito que seja adoptarmos gatinhos bebés e seja assim que funciona, sendo os gatos separados das mães logo que podem, para encontrarem nos humanos as suas famílias, o que sentem as mães gatas quando vêem que todos os seus filhotes partiram?

 

Assim, voltamos ao ponto de partida. A única forma de isso não acontecer, é as gatas não terem filhos. Para isso, é preciso esterilizá-las. E, para isso, é preciso sinalizar a colónia.

É por isso que ando aqui nesta ambiguidade, entre o que será mais correcto fazer, o que devo fazer, e o que o o coração me diz para fazer.

Qual a melhor decisão? 

 

Para já, enviei a candidatura. O resto logo se verá...

 

 

Quando sentimos que falhámos...

Resultado de imagem para germana gata clube de gatos

 

Já percebi, não sabendo se isso é bom ou mau, que devo ter algum problema com seres vivos mais frágeis e que precisem de ajuda, tanto humanos, como animais.

No que respeita aos animais, se vir que eles estão bem, fico feliz e não me preocupo. Mas, se sei que algum precisa de cuidados, atenção, alguma coisa, as minhas antenas disparam. É automático.

Foi assim com a Amora. É assim com a Boneca. E foi assim com a Germana, a quem a Anabela começou a apelidar, por eu lhe ter dito que era um floco de neve, Flockita.

Dos 4, embora o Rafael seja o mais dado e brincalhão, e a Joana e o Jorge gatos lindos, foi na Flockita que o meu coração se fixou. Porque era a mais pequenina, a que mais cuidados precisava, a que eu poderia, de alguma forma, ajudar.

Chegámos a ponderar levar a Flockita ao veterinário e pagar a despesa a meias, mas ela começou a melhorar. E, provavelmente, o dono não o iria permitir. Muito já fazia a Anabela, mesmo com algumas reclamações pelo meio, a levar-lhe a comida, o leite, desparasitar, limpar os olhinhos.

Cheguei, inclusive, a dizer à Anabela que a minha vontade era ir buscá-la e ficar com ela. Queria mesmo o melhor para a Flockita. Mas o dono, quando apareceu uma pessoa que queria ficar com a gata, disse que não dava. Portanto, também não ma daria, por certo.

E, mesmo que desse, o que poderia eu fazer? Tinha que a manter em quarentena, afastada da Becas e da Amora, até saber que estava tudo bem com ela e não havia perigo para as nossas. Isso implicava, de novo, todo o processo de consultas veterinárias, vacinas, esterilização, medicamentos, se fosse o caso, custos que eu não sei se poderia suportar.

Assim, e porque a Anabela mostrou que a Flockita estava a melhorar, fiquei contente e mais descansada. Sabia que a Anabela ia fazer o que pudesse para ela ficar bem.

 

Quando a Anabela que contou que a Flockita tinha morrido, fiquei em choque. E muito frustrada. Sinto que, de alguma forma, falhei. Os "se" começaram logo a surgir: "se eu tivesse ido buscá-la", "se tivesse ido para outra família", "se a tivésemos levado ao veterinário"...

Afinal, de que serve apregoar aos quatro ventos que gosto dos animais e os ajudo, se nem esta pequenita, que dava todos os sinais de precisar de ajuda, consegui ajudar.

 

E se eu me sinto assim, sem nunca ter lidado de perto com ela, nem imagino a Anabela, que estava lá com a Flockita quase todos os dias. 

 

Sim, questionamo-nos, se teria sido diferente, se alguma de nós a tivesse acolhido. Poderia estar viva hoje, pois poderia. Mas poderia ter partido da mesma maneira, se o que a levou foi alguma doença que tinha. E, aí, como nos sentiríamos, sabendo que a tínhamos acolhido para morrer connosco? O que pensaria o dono?

 

Apesar disso, a única coisa que penso é que devia ter seguido o meu instinto, que falhei ao desprezá-lo, mesmo sabendo que irão aparecer muitas "Flockitas" na minha vida, e não conseguirei ajudar a todas...

 

Agora, ficará aos cuidados dos seus amigos felinos que, como ela, já partiram. Estou muito triste...

O ciclo de vida dos gatos

Já por uma ou duas vezes que dei pelo meu gato a atrapalhar-se quando tentava subir para cima do parapeito da janela. Não sei se foi porque lhe tinha cortado as unhas á pouco tempo ou se estaria o parapeito escorregadio, ou ainda, se estaria ele a perder o equilíbrio.

 

Na tentativa de melhor o entender, fiz uma pequena pesquisa, e dela descobri que o ciclo da vida de um gato se divide em quatro fases, que são:

Gatos bebés – faixa etária compreendida entre os  6 e 11 meses;

imagem561.jpg

Gatos adultos – gatos entre  1 a 7 anos de idade;

decorada.jpg

Gatos idosos – entre 8 a 12 anos;

Gatos geriátricos – após os 12 anos.

gatogeriatrico.jpg

 

E assim sendo, o Riscas ainda está na segunda fase, e por isso, acho que ainda não me devo preocupar com isso, certamente foi apenas um caso pontual. Do que li sobre os sinais de que um gato está a envelhecer, o meu gato, não se enquadra nesses mesmos sinais, pois ele continua ativo, continua a correr, a saltar e a brincar…

 

Confesso que fiquei um pouco triste com o que li sobre o envelhecer de um gato. Eles dormem mais, pois estão a colocar o sono em dia, durante a noite vão muitas vezes ao WC, começam a ficar mais gordinhos porque gastam menos calorias. E lá está, é nesta altura que eles têm mais dificuldade em subir para cima de camas, sofás, parapeitos de janelas...

 

Vão ter menos apetite, o que pode trazer problemas no sistema digestivo e nos dentes. Vão inclusive, perder os dentes, para além de outras doenças que tendem a aparecer nesta fase. Bebem menos água e ficam mais dependentes dos donos. Até a memória, a visão, a capacidade de aprender coisas novas, tudo isso se vai perder.

 

É muito triste envelhecer, até em gatos, não tinha noção que era assim tão mau. Felizmente, tal como para os humanos há conselhos e cuidados a ter para que essa fase, seja o menos dolorosa possível.

 

A vida deles é muito curta, num momento ainda são bebés e num ápice já são velhotes. Deve ser por falta de cuidados que os gatos de rua têm um ciclo de vida mais curto que os de casa, aqueles que têm todo o carinho e cuidado dos seus donos.

 

Aqui no clube haverá algum gatinho idoso ou mesmo geriátrico!? Como é que ele está?

Novas obrigações legais a partir de 1 de Maio

Resultado de imagem para estatuto jurídico dos animais

 

Porque os animais não são coisas, e há muito deveriam deixar de ter esse estatuto, é com satisfação que recebo a Lei n.º 8/2017, que produzirá efeitos a partir de 1 de Maio.

O novo estatuto jurídico reconhece que os animais são seres dotados de sensibilidade, deixando de os considerar "coisas", e adapta a protecção legal à sua natureza, sendo fundamental garantir a higiene, a saúde, o bem-estar e a segurança dos animais.

 

Proporcionar bem-estar ao animal de estimação

Eu diria que os donos, mais do que "proprietários" dos animais, serão antes equiparados a tutores, legalmente obrigados a assegurar o respeito por cada espécie e pelo seu bem-estar, incluindo alimentação, vacinas, cuidados veterinários e formas de identificação, podendo ser punidos em caso de desrespeito ou incumprimento. 

Daí que seja cada vez mais importante perceber se temos condições para adoptar um animal, e pensar muito bem na decisão da adopção, pesando os prós e os contras, sem precipitações, para não levar a arrependimentos, ou comportamentos errados.

 

Regulação das Responsabilidades Animais

É uma espécie de regulação das responsabilidades parentais, mas aplicada aos animais de estimação. Em caso de divórcio, os donos terão de chegar a acordo sobre quem fica com o animal de companhia da família. É obrigatório que o consenso tenha em conta o bem-estar do animal, os interesses dos filhos e de cada um dos ex-cônjuges. 

 

Indemnização em caso de lesão

Quem causar lesões, independentemente de ter sido ou não intencional, terá de indemnizar o dono ou a entidade que socorreu o animal, sendo essa indemnização devida, mesmo que seja superior ao valor do animal. Quando há amputação de um dos membros, retirada de um órgão interno, prejuízo grave e permanente na locomoção ou morte, o dono tem direito a uma indemnização por danos morais.

Isto das indemnizações, não só em animais, como no que às pessoas diz respeito, tem muito que se lhe diga. Uma coisa é ser indemnizado por todas as despesas que se teve devido a essa lesão causada. Outra, é estar a colocar em valor monetário, algo que não tem valor físico. Quanto vale a vida de alguém, quanto vale a incapacidade de alguém, quanto valem as preocupações, aflições, noites perdidas, desgaste psicológico e por aí fora?

 

Circulação na via pública

Na via pública, cães e gatos devem circular com coleira, com a indicação do nome do animal e morada ou telefone do dono. A menos que andem pela trela, os cães são obrigados a trazer açaime, e a estar acompanhados pelo dono.

Penso que isto se aplicará mais aos cães do que aos gatos, porque serão raros os donos que levam os seus bichanos a passear à rua. E os que deixam os seus gatos ir à rua, à vontade, não estão interessados em ser identificados, em caso de alguma coisa correr mal,porque sabem que sobrará para eles.

 

Raças perigosas

Com cães de raças potencialmente perigosas, como rottweiller ou pit bull terrier, os donos deverão contratar um seguro de responsabilidade civil, com um capital mínimo de 50 mil euros. Os donos podem ser responsabilizados criminalmente pelos danos a terceiros.

 

Animais perdidos

Quem encontrar um animal pode retê-lo, no caso de indícios fundamentados de maus-tratos, por parte do proprietário legítimo.

Nos restantes casos, aplica-se a legislação já em vigor:

- devolver o animal se souber a quem pertence

- divulgar o achado de forma adequada, no caso de desconhecimento do proprietário

- recorrer a um veterinário para verificar se o animal está identificado de forma eletrónica (microchip)

No caso de insucesso, após a divulgação do animal perdido encontrado, e impossibilidade de o restituir ao seu proprietário, e se este não reclamar o animal no prazo de um ano, este passa a ser legitimamente de quem o encontrou.

 

 

Resultado de imagem para lei 8/2017 animais

 

No entanto, a nova lei não agrava as penas por maus-tratos, e abrange apenas os animais de companhia (com maior incidência nos cães e gatos).

Os de exploração agrícola, pecuária ou agroindustrial ou os animais utilizados para fins de espetáculo comercial não estão incluídos. 

 

Informação completa em www.deco.proteste.pt e http://saldopositivo.cgd.pt

 

 

Quando encontramos um gato na rua constipado

Já aqui disse que há muitos gatos na minha rua. Esses gatos já tiveram um abrigo improvisado, mas depois esse abrigo deu lugar a uma obra e eles foram desalojados. No entanto, há uma senhora que tem uma moradia e que lhe dá comida e abrigo. Também eu já dei alguma ração para ajudar.

gatoatchin1.jpg

Ontem quando estava a chegar do trabalho, vi que  muitos deles estavam a apanhar sol na rua, aproximei-me para fazer festinhas, mas eles são muito ariscos e fogem logo. No entanto, estava lá um pretinho, que estava tão ranhoso, tão ranhoso, que me deixou cheia de pena. Eu nunca tinha visto nada assim, não fazia ideia que os gatos pudessem ficar assim.... Era um gatinho ainda jovem. A tal senhora já lhes dá comida e abrigo, mas certamente não os pode levar ao veterinário. Mas aquele gatinho precisa de cuidados.


Gostava de ajudar, andei a pesquisar e encontrei num site que devemos limpar os olhos e o nariz deles com compressas esterilizadas e soro fisiológico, usando uma compressa pra cada olho e uma terceira pro  nariz. Também aconselham a vacinação, o estar num sitio quentinho, e outros cuidados com a alimentação, mas um gato de rua, é difícil. Além disso, o gato não se deixa apanhar, e se a senhora me vê a tentar pode levar a mal, já que ela é que os tem a seu cargo...

 

Agora estou com aquele sentimento de que podia fazer alguma coisas, mas, se calhar não posso mesmo fazer nada. Fica-me na cabeça aqueles olhinhos como que a pedirem ajuda...

  • Blogs Portugal