Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Fazer as necessidades: os gatos já nascem ensinados?

Resultado de imagem para gatos necessidades fora da caixa

 

Costuma-se dizer que, no que toca à higiene, para além de serem muito mais limpos e práticos que os cães, os gatos parecem já nascer ensinados. No entanto, as coisas não são bem assim.

No primeiro mês de vida, é a mãe gata que estimula os seus filhotes a fazerem as necessidades. Quando, por algum motivo, os filhotes perdem a mãe e acabam por ir para às mãos de um humano, é este que tem que tentar simular os gestos que a mãe faria, para assim os gatos poderem fazer as necessidades.

Quando já são mais crescidos, e sendo-lhes mostrada uma primeira vez para que serve a caixa de areia eles irão, à partida, entender a mensagem, e passar a fazer ali as suas necessidades.

Mas nem sempre as coisas correm bem, e isso faz com que os donos fiquem à beira de um ataque de nervos, e acabem por stressar ainda mais o gato, que terá uma dificuldade ainda maior em agir corretamente.

Assim, o segredo é muita paciência, persistência e dedicação, na hora de os tentarmos educar, sem ralhar muito quando fazem asneiras, mas recompensando quando se portam bem.

A primeira vez que coloquei a Becas na caixa de areia, ela achou que era comida, e começou a comer as pedrinhas. Depois de várias tentativas, ela começou a perceber. No entanto, sendo pequenina, com a brincadeira, e estando a caixa de areia longe, acabava por escolher um cantinho da sala, onde estava, para fazer as suas necessidades. Por mais que lavássemos o chão e colocássemos produtos com um odor forte, que a repelisse, ela não se preocupava, e voltava a fazer o mesmo. Até que começámos a não deixá-la ir para lá, até estarmos em casa a tomar conta. Mas o que a fez desistir foi o facto de termos colocado uma caixa de areia também na sala.

Nessa altura, a Amora, que adotámos na semana seguinte, da mesma idade, já sabia utilizar bem a caixa. A diferença entre ambas foi o facto de uma ter sido retirada da mãe mais cedo do que a outra, e de a última ter tido que se desenrascar por força das circunstâncias em que esteve, antes de vir para nossa casa, enquanto a primeira só conhecia uma realidade, não lhe tendo sido dado tempo de aprender mais.

Hoje, é das gatas mais asseadas que conheço. Ela não pode ver o que quer que seja no chão, que fica aflita a querer tapar e limpar.

Por vezes, acidentes acontecem, não conseguem, por exemplo, conter as fezes, ou ficam presas e acabam por cair noutro lado, ou atiram para fora ao tentar tapar.

Alguns gatos, devido a diversos problemas, podem sofrer de incontinência, e não os podemos culpabilizar por isso.

Mas atenção: se um gato está habituado a ir à caixa de areia e, de repente, começa a fazer as suas necessidades noutros locais da casa, é sinal de que algo não está bem.

Nesses casos, o melhor mesmo é consultar um veterinário, para que possa averiguar as causas, que podem ir de marcação de território, cio ou stress provocado por alterações na rotina, entre outras.

Por norma, acabam por ser situações passageiras, que se resolvem por si, e tudo acaba por voltar à normalidade, como foi o caso da Tica que, depois de uns tempos a deixar-nos com os nervos em franja, recomeçou a utilizar a caixa como habitualmente, para nosso alívio.

Novas obrigações legais a partir de 1 de Maio

Resultado de imagem para estatuto jurídico dos animais

 

Porque os animais não são coisas, e há muito deveriam deixar de ter esse estatuto, é com satisfação que recebo a Lei n.º 8/2017, que produzirá efeitos a partir de 1 de Maio.

O novo estatuto jurídico reconhece que os animais são seres dotados de sensibilidade, deixando de os considerar "coisas", e adapta a protecção legal à sua natureza, sendo fundamental garantir a higiene, a saúde, o bem-estar e a segurança dos animais.

 

Proporcionar bem-estar ao animal de estimação

Eu diria que os donos, mais do que "proprietários" dos animais, serão antes equiparados a tutores, legalmente obrigados a assegurar o respeito por cada espécie e pelo seu bem-estar, incluindo alimentação, vacinas, cuidados veterinários e formas de identificação, podendo ser punidos em caso de desrespeito ou incumprimento. 

Daí que seja cada vez mais importante perceber se temos condições para adoptar um animal, e pensar muito bem na decisão da adopção, pesando os prós e os contras, sem precipitações, para não levar a arrependimentos, ou comportamentos errados.

 

Regulação das Responsabilidades Animais

É uma espécie de regulação das responsabilidades parentais, mas aplicada aos animais de estimação. Em caso de divórcio, os donos terão de chegar a acordo sobre quem fica com o animal de companhia da família. É obrigatório que o consenso tenha em conta o bem-estar do animal, os interesses dos filhos e de cada um dos ex-cônjuges. 

 

Indemnização em caso de lesão

Quem causar lesões, independentemente de ter sido ou não intencional, terá de indemnizar o dono ou a entidade que socorreu o animal, sendo essa indemnização devida, mesmo que seja superior ao valor do animal. Quando há amputação de um dos membros, retirada de um órgão interno, prejuízo grave e permanente na locomoção ou morte, o dono tem direito a uma indemnização por danos morais.

Isto das indemnizações, não só em animais, como no que às pessoas diz respeito, tem muito que se lhe diga. Uma coisa é ser indemnizado por todas as despesas que se teve devido a essa lesão causada. Outra, é estar a colocar em valor monetário, algo que não tem valor físico. Quanto vale a vida de alguém, quanto vale a incapacidade de alguém, quanto valem as preocupações, aflições, noites perdidas, desgaste psicológico e por aí fora?

 

Circulação na via pública

Na via pública, cães e gatos devem circular com coleira, com a indicação do nome do animal e morada ou telefone do dono. A menos que andem pela trela, os cães são obrigados a trazer açaime, e a estar acompanhados pelo dono.

Penso que isto se aplicará mais aos cães do que aos gatos, porque serão raros os donos que levam os seus bichanos a passear à rua. E os que deixam os seus gatos ir à rua, à vontade, não estão interessados em ser identificados, em caso de alguma coisa correr mal,porque sabem que sobrará para eles.

 

Raças perigosas

Com cães de raças potencialmente perigosas, como rottweiller ou pit bull terrier, os donos deverão contratar um seguro de responsabilidade civil, com um capital mínimo de 50 mil euros. Os donos podem ser responsabilizados criminalmente pelos danos a terceiros.

 

Animais perdidos

Quem encontrar um animal pode retê-lo, no caso de indícios fundamentados de maus-tratos, por parte do proprietário legítimo.

Nos restantes casos, aplica-se a legislação já em vigor:

- devolver o animal se souber a quem pertence

- divulgar o achado de forma adequada, no caso de desconhecimento do proprietário

- recorrer a um veterinário para verificar se o animal está identificado de forma eletrónica (microchip)

No caso de insucesso, após a divulgação do animal perdido encontrado, e impossibilidade de o restituir ao seu proprietário, e se este não reclamar o animal no prazo de um ano, este passa a ser legitimamente de quem o encontrou.

 

 

Resultado de imagem para lei 8/2017 animais

 

No entanto, a nova lei não agrava as penas por maus-tratos, e abrange apenas os animais de companhia (com maior incidência nos cães e gatos).

Os de exploração agrícola, pecuária ou agroindustrial ou os animais utilizados para fins de espetáculo comercial não estão incluídos. 

 

Informação completa em www.deco.proteste.pt e http://saldopositivo.cgd.pt

 

 

Technical Pet - acessórios para animais

Adoptar um animal de estimação é um acto de amor, mas que pode sair um pouco dispendioso, principalmente quando se tem mais que um a nosso cargo.

Por isso mesmo, há que procurar um equilíbrio entre os gastos que temos possibilidades de ter com eles, e a qualidade dos produtos que lhes podemos oferecer para o seu bem-estar e crescimento saudável.

 

 

A marca TK-PET

TK-Pet é a marca de TiendAnimal, especialista em acessórios para animais de estimação, pensada para oferecer aos animais de estimação, e respectivos donos, soluções de alta qualidade a preços acessíveis, garantindo resistência, durabilidade, e qualidade.

 

 

IMG_2717.JPG

 

A higiene dos nossos gatos

Como dona de gatos confesso que, no que toca à higiene das minhas bichanas, nunca me preocupei muito com a areia que lhes comprava, indo sempre para a mais barata. Tenho utilizado sempre a mesma, de marca branca, que compro no supermercado, sem perfume.

No momento de limpar a caixa de areia, o mais difícil é tentar tirar o chichi, sem que a areia molhada se espalhe e misture com a restante, o que implica ter que tirar mais areia que aquela que seria necessária, e acabamos por, a longo prazo, gastar mais.

 

 

IMG_2726.JPG

 

Este fim-de-semana, experimentei a areia bentonita aglomerante para gatos que a Vânia já aqui também falou, e que veio na encomenda da Tiendanimal.

As diferenças saltam à vista:

  • em primeiro lugar, a areia é feita à base de bentonita, um material de origem natural e consciente com o meio ambiente
  • tem uma alta capacidade absorvente, e permite formar pequenos aglomerados de areia, que são muitos fáceis de retirar com a pá, sem misturar com a areia limpa, evitando que a restante areia se molhe com a urina
  • controla os odores
  • não forma pó quando a deitamos na caixa, nem quando os gatos mexem nela para tapar as suas necessidades, ao contrário da que eu costumo usar, que forma uma nuvem de pó
  • é suave ao tacto, fácil de pisar e não fere as patas nem as unhas dos nossos felinos

 

 

 

Outro dos problemas que costumo ter é com a areia que salta sempre para fora da caixa, ou que as meninas se lembram de atirar para fora! Acho que elas fazem de propósito para me dar trabalho, ou então acham muito divertido espalhar a areia toda!

Foi por isso que decidi colocar-lhes uma nova caixa de areia – caixa de areia aberta para gatos tkpet venus - à disposição, com uma estrutura superior, que evita que a areia se espalhe pela casa, mantendo-a limpa, e poupando trabalho aos donos.

Com um design inovador, esta caixa de areia é extremamente fácil de montar, bastando encaixar as duas partes – a estrutura superior, e a parte inferior da caixa, até ouvirmos um clique. Para limpar a caixa de areia, basta separar as duas partes, deitar fora a areia e limpar como habitualmente.

 

 

IMG_2728.JPG

 

A diversão

Como já aqui referi, os veterinários recomendam aos donos de gatos adquirir um arranhador, para que eles possam fazer exercício enquanto brincam, e também afiar as unhas, evitando assim estragos desnecessários em sofás e móveis.

Com a Tica, ficámos com o sofá num estado lastimável. Agora com a Becas e a Amora, elas entretêm-se no mesmo sofá, ou então em todos os cartões que encontrarem!

Mas ouvimos falar tão bem dos arranhadores que fizemos a experiência com este arranhador para gatos, que até condiz com a nossa decoração e mobiliário.

 

 

IMG_2730.JPG

 

No início, foi a Amora que lá foi cheirar, mas não deu importância. A Becas estava com medo deste objecto estranho, mas quando perdeu o medo, encarregou-se de começar a brincar com a bolinha, e a arrancar as penas!

 

IMG_2732.JPG

 

Ou seja, não utilizaram propriamente o arranhador para aquilo a que foi destinado, mas o importante é que, ainda assim, se entretenham e brinquem!

Verdade ou Mito - Os gatos não precisam de tomar banho?

 

Dizem que os gatos são os animais mais limpos do planeta!

Por norma, eles limpam-se a eles próprios e, como tal, o banho não é obrigatório nem necessário, a não ser em situações específicas:

- se o gato estiver mesmo sujo  - acontece aos gatos que costumam andar na rua, a esfregar-se na terra, ou noutra coisa qualquer que os faça vir para casa com uma camada de sujidade acumulada no pêlo;

- se houver algum problema de saúde que o impeça de fazer a sua higiene pessoal;

- se houver problemas de pele que necessitem de sert tratados com champôs medicinais.

Por outro lado, dar banho aos gatos com frequência pode secar-lhes a pele e provocar comichão.

E todos sabemos que a maioria dos gatos não são muito fãs de água (pelo menos no que toca a banhos) e tentar dar banho ao nosso gato pode ser uma missão perigosa e muito difícil de levar a cabo!

E por aí, costumam dar banho aos vossos bichanos?!