Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Porque mia o gato no WC, se aparentemente, está bom?

00123E.jpg

O meu gato mais novo, o Rafael , mesmo antes de fazer dois anos, teve uma infeção urinária.

Desde que ele para cá veio, que muitas vezes, ao ir ao WC, mia. Só que nessa altura, o miar era diferente, ele ia muitas vezes ao WC, ficava lá muito tempo, fazia o xixi ás pingas, enfim, percebi logo que não estava bem. Entretanto foi medicado, mudamos a marca da ração para uma de melhor qualidade e  passou a beber água engarrafada!

Acontece que ele continua com o mesmo hábito de miar no WC. Tenho vigiado, e tudo parece normal. Mas então que mania é esta!? Talvez volte a fazer a análise. Se os preços não fossem tão elevados já o tinha feito. Mas também me dizem que são manias deles! Mas que estranha mania!

Será que ele mia para avisar o Riscas do que está a fazer? É que a seguir a ele ir , o outro vai.

Hoje, por exemplo, das vezes que foi, não miou, mas ontem, miou duas ou três vezes!

Mistérios felinos para deixarem os donos preocupados!

É preciso um curso para escolher a ração perfeita

O Rafael está bem melhor, segundo a veterinária, o problema foi  identificado no momento. No entanto, aconselhou-me a não voltar à ração que dava antes. Aconselhou-me a procurar uma ração que equilibre o ph da urina.

 

Andei a pesquisar sobre aquilo que foi identificado na análise, os cristais de esturvite.

 

«Os cristais de esturvite são dos mais comuns (fosfato de amónio e magnésio). No passado, este era o cálculo mais frequente nos gatos, mas a sua prevalência diminuiu graças à descoberta de como modificar o ph da urina através da dieta e reduzir os níveis de magnésio. Para dissolver os cristais de esturvite, pode-se recorrer também à dieta, reduzindo o pH da urina.»

 

Eu disse à vet que não conseguia comprar essas rações, devido ao seu elevado custo, e ela disse-me que eu procurasse na Internet. Perguntei "e se for Puriona ONE, diz lá que deixa o trato urinário saudável", mas a dra disse que não, pois segundo ela, apenas lá escrevem isso para vender. Então se é assim, como é que eu vou saber se a ração é adequada, como vou confiar? Se vou a uma loja e me mostram uma ração, onde está escrito que é boa, vou ter de duvidar!?

 

Um dia destes, estava tão triste, que até pensei, se teria feito bem em trazer o Rafael para casa. Se ele continuasse lá no campo com os irmãos, não teria sido esterilizado, e certamente não estaria com problemas. Ele merece mais do que aquilo que eu lhe consigo dar!

 

Concluindo, tenho de encontrar uma ração a um preço acessível para mim, que seja indicada para gatos esterilizados, que incida sobre o trato urinário e equilibre o pH da urina, e que tudo o que vier lá escrito no rótulo seja autêntico!

 

Até decidi lhe dar por dia água numa seringa, já que não consigo saber se ele está a beber suficiente, e a falta dela, também o prejudica!

 

Se são as rações, ditas baratas, que provocam estas infeções, como é que não as fiscalizam e não obrigam os produtores a ter cuidados!? Essas empresas não estão a ser corretas, isso é também maus tratos a animais, só que de forma silenciosa, o que ainda é pior, pois não dá para denunciar!

00123V.jpg

 

Três dias depois, o diagnóstico

O episódio em que notei algo estranho foi no domingo rente à tarde, onde ele miava muito cada vez que ia ao WC, e ia muitas vezes, quase de cinco em cinco minutos.

 

Depois de ir ao veterinário, veio para casa, fazer para eu recolher o xixi para análise. Depois de finalmente conseguir que o Rafael fizesse o xixi naquele recipiente, e depois do resultado da análise, infeção urinária, chegou o tratamento.

rafador.jpg

Não quero estar a duvidar de ninguém, mas gostava de ter uma segunda opinião das análises, é que , não me parecia tão grave para depois do anti-inflamatório, da mudança da ração, da mudança da agua ainda ter tomar antibiótico. As cápsulas já não estranhei, porque já outro gatinho aqui do clube numa situação idêntica tinha tomado. O difícil é dá-las ao gato, ele cospe-as!

rafaelanalise.jpg

Isto porque nas observações dizia "ligeiro sedimento"! Já andei a pesquisar umas coisas que a Marta e a Loulou me aconselharam. Só não quero dar nada ao bichano que lhe faça mal, porque ele aparentemente já parece estar bem, e isto parece-me forte demais para o bichano.  

Não é fácil recolher urina ao gato para a análise

A propósito da suspeita de o Rafael ter uma infeção urinária, como já falei aqui, tenho a dizer que ainda não consegui fazer a recolha da urina do gato para a análise. Este método de ser a dona a fazer a recolha em casa, pareceu-me bem à partida, até por ser mais economico, mas os gatos são cheios de manias e teimosias. E o Rafael não está a colaborar!

 

No domingo à noite parecia muito atrapalhado, como podem ver aqui . Também percebi neste domingo, quando estava tão preocupada e além de ser domingo  era tarde para ir a um veterinário, que  a linha de saúde animal 24 já não funciona telefonando.

 

O pacote da tal areia especial para o efeito é pequeno, tem pouca quantidade e parece sílica, e ele não entende, para ele, aquilo serve para brincar.

especial.jpg

Tal como está escrito no verso, a areia vem com uns utensílios para fazer a recolha.

colheita.jpg

Os utensílios são estes:

utensilisos.jpg

Primeiro coloquei na caixa de areia grande.

big789.jpg

Depois como não funcionou, meti numa pequena.

recipientepekeno.jpg

Mas para ele aquilo não deve ter "cara" de WC...

 

Ele até anda animado, talvez a ração urinária, a água do Luso e o anti-inflamatório estejam a fazer bem, mas é preciso fazer análise!

 

E se o teu gato de repente começar a urinar às pinguinhas isso é...

... um tremendo susto.

Jaqui foto.jpg

 

Foi o que se passou sábado passado.

Tinha acabado de regressar a casa, por volta da hora do almoço e dei com o Jaqui a ir à sua sanita. Até aqui nada que me fizesse suspeitar de que algo de errado se passava. Só o facto de ele não ter tapado a areia como é costume dele é que me despertou a atenção.

 

Para quem não conhece o Jaqui... qualquer semelhança entre ele e uma retroescavadora em modo descontrolado... é pura coincidência. Ah se há bicho que gosta de cavar na areia à procura de um tesouro perdido.... é ele. E se algum dos "coleguinhas" deixa mal tapado o serviço o senhor gato vai lá, confirma, passa multa e ainda acaba a obra!

 

Ora, não o ter ouvido nas suas deambulações escavatorias... alertou-me. Isto uma vez, outra vez e outra vez...

Mas o que se passa com o bicho que não sai da porta da casa de banho? (onde está uma das sanitas deles) Pensei...

Alertada, numa dessas n idas num espaço de 40 minutos, dou com ele e confirmo que o que ele lá ia fazer e sempre com urgência... era um pinguinho de urina de cada vez. Saía e ia logo limpar-se.

 

E assustei-me.

 

A primeira coisa que me ocorreu à mente foi que isto poderia ser uma infecção urinária. E se for de origem bacteriana? Tendo eu outros 3 gatos já estava a ver no que isto ia dar... Quatro gatos com problemas urinários todos ao mesmo tempo.

 

Mais uma vez... vou de escantilhão para o hospital veterinário. 

 

Só posso dizer que o gato foi visto, observado e analisado da ponta da orelha à ponta da cauda, como aliás de sempre que lá vou eles são observados. Análises ao sangue para ver como estavam os parâmetros renais. Cretatinina dentro dos parâmetros normais! Logo, os rins estavam bem. Restava-nos a hipótese de ser uma infecção bacteriana. O meu maior receio. Mas para se confirmar teria de ser feita uma colheita de urina e depois esperar pelos resultados. 

 

Vamos a isso.  Ou íamos a isso. Vai uma primeira tentativa. Nada. Aguardar na sala de espera. Nova tentativa e nada.  Duas ecografias à bexiga e o maroto não tinha urina para recolha... e agora? Esperar novamente na sala? Da primeira para a segunda, a eco dava a indicação de que pouco ou nada a bexiga dele "crescera"... 

 

Resolveu-se, numa primeira fase medicar para as dores e dar anti-inflamatório. Por muito colaborante que estivesse, já estava a ficar maçado. Para não o stressar mais voltámos para casa com mais medicação, um diagnóstico de cistite aguda (post mais detalhado - em breve) e com a indicação de no dia a seguir (ontem) reportar feedback à veterinária. Caso continuasse com a mesma sintomatologia teria de ir fazer a recolha de urina. 

 

Felizmente, até ao presente momento está melhor, não voltou a procurar a sanita com a urgência como a de sábado passado e das vezes que vai...

Voltei a ouvir o Cantar da Areia!

 

Temas relacionados

Os gatos e as infecções urinárias

Ração húmida... Prevenção de Doenças

Incontinência urinária

 

 

Os gatos e as infecções urinárias

 

Como saber se o nosso gato está com uma infecção urinária?
 
No caso da Tica, acho que foi por também eu estar familiarizada com esse problema e com os sintomas, que rapidamente consegui identificar.
Provavelmente, nem todos os casos serão iguais mas, com a Tica, verificaram-se todos os sinais:
 
- dificuldade em urinar - ela ia várias vezes à caixa mas fazia muito pouco de cada vez, por vezes só mesmo uma ou duas pingas
 
- urinar fora da caixa - percebia-se que não o fazia de propósito, mas porque talvez não se sentisse bem. Encontrei várias vezes pela casa pequenas manchinhas de urina
 
- urina com sangue - nesses chichis que encontrei no chão, notava-se a cor rosada, que sugeria presença de sangue na urina
 
- mal estar geral - notou-se no seu comportamento que não se sentia bem. Em alguns gatos, pode haver vocalização, letargia, vómitos e debilidade
 
 
 

A doença do trato urinário inferior felino, também conhecido como Síndrome urológico felino, é uma doença comum, sendo que os tipos mais frequentes incluem uma condição inflamatória na bexiga e na uretra, assim como a formação de cristais ou cálculos na urina.

Nem sempre é possível identificar a causa, mas a inflamação da bexiga pode ser causada por infecções, cálculos urinários, trauma ou tumores. Mas também pode ser provocada por uma infecção viral ou caudada pelo próprio sistema inflamatório.
Por norma, os gatos podem ser mais afectados por este problema entre os 2 e os 6 anos, quando são inactivos, ou têm excesso de peso. Outros factores de risco incluem o stress, mudança no ambiente, ou mudanças na caixa das necessidades, dieta ou água de bebida.

De uma forma geral, qualquer gato pode ser afectado, mas os machos estão mais predispostos devido ao pequeno diâmetro da uretra. E é comum, apesar do tratamento e dos cuidados em casa, haver recorrências.

Assim que percebi o que se passava com a Tica, marquei imediatamente consulta no veterinário. Pelo que expliquei, a funcionária achou que não devíamos esperar mais dias, e levámo-la logo.

A veterinária confirmou o meu diagnóstico e verificou que ela estava também com febre. O tratamento, foi à base de antibiótico, anti-inflamatório e antipirético. Esta medicação serve, normalmente, para estabilizar. No entanto, se o animal estiver obstruído, deverá ser algaliado para resolver a obstrução. 

Alguns gatos têm obstruções frequentes e sofrem danos extensos na uretra.l Nesse caso, deverá ser realizada uma intervenção cirúrgica para remover parte da uretra e deixar um diâmetro maior para urinar. Após esta cirurgia os gatos raramente obstruem de novo, mas podem voltar a apresentar urina com sangue, dificuldades em urinar e aumento da frequência em urinar.

Cuidados em casa

Existem dietas especiais para os gatos com esta doença, que são formuladas para minimizar a formação de cristais na urina e para manter um pH urinário ácido.
 
Deverá haver sempre água fresca ao dispor.
 
Outras medidas que podem ajudar são: uso de duas caixas limpas e sempre acessíveis, encorajar ao exercício e perda de peso em gatos obesos, minimizar o stress ou mudanças na rotina.
 
Observar se o seu gato apresenta dificuldades em urinar, dificuldades em produzir urina e outros sinais de doença, como vómitos, falta de apetite ou mudanças no comportamento.