Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

A importância de proteger o nosso gatinho!

 

O vídeo que hoje o nosso Clube quer partilhar com os amantes felinos e  de todos os animais, retrata a importância de como devemos amar e proteger os nossos amigos de quatro patas!

Todas as amizades são importantes ao longo da nossa vida vão entrando e saindo pessoas, mas quando um animal entra na nossa vida e coração, o seu amor e dedicação é incondicional, podemos ter tido um dia mau, mas quando entramos em casa e eles estão á nossa espera, a pedir atenção e festinhas, no caso dos gatos, começam a ronronar de felicidade, os maus pensamentos afastam-se e só sentimos boa energia é isso que eles nos transmitem e demonstram que confiam em nós e nos amam.

Quem já não sentiu o amor do seu amigo?

 

Nem todos têm a sorte de ter este amor especial na vida, só quem o tem é que sabe do que estou a falar, o problema é nem sempre as pessoas valorizam esse amor e o protegem, só o fazem quando é tarde demais, no caso deste vídeo felizmente teve um final feliz, o gatinho conseguiu voltar para casa são e salvo...

O desafio que vos coloco é verem o vídeo sem chorar, será que conseguem?

Eu simplesmente não consigo!

 

Algumas curiosidades sobre os gatos

23622459_708140492719755_3750663971770776548_n.jpg

Embora de vez em quando se ponha à janela a engatar a Becas, a namorada oficial do Branquinho é a Kikas. Quantas vezes os vi aos dois, ora enrolados, ora à sapatada um ao outro, até que o gato da senhoria chega lá, prega um susto a ambos, e vai cada um para seu lado!

 

No entanto, na hora da refeição, quem manda é a Kikas :)

Ela é sempre a primeira a comer, e obriga-o a esperar pela sua vez. E ai dele se tentar aproximar-se do prato, leva logo uma patada e um bufar que o volta a pôr no lugar.

Também no mundo dos gatos, algumas vezes, são as fêmeas que mandam!

 

 

Foto de Clube de Gatos do Sapo.

Por outro lado, também há os gatos cavalheiros e protectores das fêmeas e crias mais pequenas, como é o caso do Pompom. Primeiro com a Oreo, e agora com as malhadinhas, é vê-lo sempre junto a eles, na hora de dormir e, quando chega a comida, ele deixa sempre os mais pequenos comer, e as meninas, para só depois ir ele!

 

Quando chove, onde se abrigam os gatos da rua?

Resultado de imagem para gato à chuva

 

Hoje tem estado vento desde manhã, e os gatinhos que costumo alimentar nem tocaram na comida que lhes deixei, até à hora do almoço. Quando passei lá novamente, uma das caixas com ração tinha desaparecido. Não sei se voou, ou se alguém a levou. A outra ainda lá estava, quase cheia.

 

A Boneca e a Chica apareceram no meu quintal ao almoço, mas não sei se conseguiram comer porque o vento fazia a ração voar, e o pelo delas levantava todo, tornando a missão desagradável.

 

Agora está a chover, e a ração que os gatinhos tinham ficou encharcada e imprópria para consumo, o que vai implicar passar mais umas horas de fome.

E o que acontece a todos os gatos abandonados que andam por aí nas ruas, quando chove? Onde se abrigam? Como podem procurar comida, ou ter a sorte de alguém os alimentar, quando está mau tempo, e nem os humanos saem à rua?

 

O inverno está a chegar, e com ele os dias frios, chuvosos e ventosos. E os gatos da rua não têm propriamente um abrigo para onde possam hibernar, proteger-se e ter provisões para estes meses que serão mais difíceis.

 

Os gatos são como filhos!

Resultado de imagem para gatos e filhos

 

Sobretudo no que respeita aos cuidados a ter com eles, aos sustos que de vez em quando nos pregam, e aos superpoderes que temos que ter, sem mãos a medir, para que nada lhes aconteça!

 

Ainda na semana passada quase não fui a tempo de impedir que a Becas lambesse uma frigideira com óleo de fritar douradinhos. É que mesmo tendo passado por água, ainda ficou lá óleo, e a Becas não se fez rogada!

 

Numa outra ocasião, levantei-me e coloquei comida para as duas, mas achei estranho nenhuma aparecer, como é hábito. Fui dar com as duas de volta do balde do lixo. À primeira vista, nada de estranho. Quando olho melhor, vejo uma pontinha de um fio dentário na boca da Becas. 

A pontinha, pela qual comecei a puxar, era o que restava de um fio enorme, que já estava todo dentro da garganta e esófago dela! Por sorte, cheguei a tempo, e consegui reparar o estrago.

 

A Amora também não facilita. Já por várias vezes que salta para a cama, mas a coisa não lhe corre bem. E só não se estatelou no chão, porque o dono teve bons reflexos para a apanhar no ar!

É que ela quando salta, como já aqui referi, salta muitas vezes para cima, para o ar, e não para a frente. O que acontece é que, se não tem a sorte de se agarrar, desequilibra-se e cai para trás, batendo em cheio com as costas no chão, se não a segurarmos.

Os gatos não voam!

 

Bom dia, o Clube deseja uma boa segunda-feira e uma óptima semana!

 

Encontrei um artigo na organização encontra-me. org, muito importante para ajudar a proteger os nossos gatinhos, que acho importante partilhar, todo o cuidado é pouco!

 

Ao contrário da crença comum, os gatos não se atiram de janelas ou varandas. Não, eles não são suicidas. Não, eles não saltam porque estão entediados ou porque não têm noção da altura a que estão. Simplesmente, eles caem. Eles caem e, por muita agilidade que tenham, estão longe de saber voar. Cabe-nos a nós tomar medidas para prevenir quedas e as suas graves consequências.

Os gatos gostam de observar o mundo que os rodeia e, como tal, o parapeito de uma janela ou de uma varanda ou de um terraço costuma ser um local favorito. Contudo, estes locais são perigo na certa. Qualquer barulho alto ou repentino (um aspirador, a campainha, uma mota, foguetes, gritos de crianças) ou qualquer situação inesperada (um gesto mais brusco da nossa parte ou alguém que entra repentinamente na divisão) pode ser o suficiente para os assustar e fazê-los cair. Mas também podem desequilibrar-se ao tentar apanhar um insecto ou pássaro, ao saltar para o parapeito ou ao aventurar-se para espreitar a varanda do vizinho.


Numa queda, o gato pode ter a raríssima sorte de ter o impacto amortecido por uma lona, mas também pode ter o azar de ir embatendo noutras superfícies no decorrer da queda. E, apesar de os gatos terem a extraordinária capacidade de sobreviver a quedas, são poucas as vezes em que escapam ilesos. Além do trauma psicológicomais que certo, as possíveis consequências de uma queda incluem diversos tipos de fracturas(nos membros, no palato/céu da boca, nos dentes, na mandíbula, nas costelas), traumatismo torácico ou craniano, contusões pulmonares, pneumotórax, ruptura da bexiga ou ainda hemorragias internas. Mesmo que o gato não sofra ferimentos com a queda, fica assustado e desorientado num ambiente hostil e existe sempre o sério risco de não vir a ser encontrado.

Dada a potencial gravidade das lesões e o risco de desaparecimento ou morte (não considerando sequer os custos associados a uma cirurgia ortopédica ou outros tratamentos), devem ser tomadas todas as medidas necessárias para evitar quedas. A regra de ouro é que gatos jamais devem ter acesso a janelas abertas ou varandas (infelizmente, um erro muito comum é colocar o WC numa varanda desprotegida). Supervisão apenas não é suficiente, pois bastam segundos para uma sequência de eventos dar origem a uma queda. Por isso, e também para precaver distracções ou esquecimentos, a melhor opção é aplicar grelhas ou redes de protecção. Dessa forma, o seu gato fica protegido e continua a poder usufruir da vista e do ar fresco. Em janelas, é possível aplicar grelhas metálicas/plastificadas ou telas de rede. Para varandas e terraços, a opção mais eficaz é instalar uma rede anti-queda. Seja qual for a protecção que escolher, é indispensável certificar-se de que a mesma é suficientemente sólida e eficaz para conter o seu gato e inspeccioná-la regularmente.

Se não tiver possibilidade de proteger as suas janelas e varandas, é essencial vedar o acesso do seu gato a divisões que tenham a janela ou a varanda aberta. Contudo, os gatos não caem apenas de janelas, varandas ou terraços. As quedas de telhados também acontecem e são igualmente graves. Por isso, para proteger o seu gato eficazmente, é igualmente importante não permitir que faça passeios fora de casa.

Embora muito menos frequentes, também acontecem quedas de cães. O pavor provocado por foguetes, a excitação de seguir uma bola ou a tentação de apanhar um pássaro pousado no parapeito podem facilmente provocar uma queda. E, não tendo a anatomia e a agilidade de um gato, as consequências para um cão são bem mais severas. A opção mais segura para quem tem animais de companhia é aplicar protecções adequadas.

https://www.encontra-me.org/nao_sabem_voar

 

Em noite de fim de ano...

 

 ...não abandonem os vossos animais, e protejam-nos do perigo, e dos fogos de artifício que lhes provocam tanto medo.

Sabiam que, por exemplo, os cães, podem sentir palpitações, tremores, taquicardia, náuseas, pânico, atordoamento e medo de morrer? É frequente haver nesta altura alterações no comportamento dos animais, e tentativas de fuga e agressividade.

 

 

O ideal é tentar fazer antes com que os animais se habituem ao som dos fogos, mas se isso não for possível, ou não resultar, aqui ficam algumas dicas que poderão ajudar: 

 

 

 

Não devemos deixar os animais sozinhos nesta noite

Devemos fechar todas as portas e janelas, para evitar possíveis fugas

Podemos criar uma espécie de abrigo para ele se sentir mais confortável e em segurança

 

*Atenção também as intoxicações alimentares que costumam ocorrer nesta época de festas.

 

 

Não se metam com o meu dono

 

Esta é mais uma de tantas histórias que prova, mais uma vez, que os gatos se apegam aos donos e podem, até mesmo, protegê-los contra quem lhes quer ou tenta fazer mal.

Ethan Fenton é um menino de 5 anos que estava a brincar com o irmão mais novo no pátio da sua casa. No jardim em frente, três rapazes, mais altos e mais velhos que Ethan, jogavam à bola. Entretanto, caminharam até ao portão, e começaram a chamar nomes ao menino, que nem ligou e continuou a brincar. Não satisfeitos, começaram a gritar, e um deles chegou mesmo à frente de Ethan, perguntou porque é que ele o estava a ignorar e empurrou-o para o chão.

A mãe, Sarah, que tinha estado a observar tudo de casa, saiu para fora, mas o gato da família, Smudge, adiantou-se e, assim que viu o que fizeram ao seu pequeno dono, saiu debaixo do carro e atirou-se ao peito de um dos rapazes.

Sarah conta que Smudge nunca tinha feito nada semelhante, mas foi impressionante a forma como ele tentou proteger Ethan. Desde então, tem dormido bem perto do menino, ficando de guarda, para o caso de alguma coisa acontecer.

Quanto aos rapazes, o que foi atacado acabou por tropeçar, começou a chorar e correu para longe. Deve ter apanhado um valente susto. Os amigos devem ter feito o mesmo!

  

 

Até o mais fofo e mansinho dos gatos pode virar fera, quando os seus donos correm perigo!

 

Imagens de revistagloborural.globo.com e www.univision.com

O instinto maternal das gatas!

Gata se infiltra em clínica veterinária para ficar com seus filhotes

 

As gatas são acérrimas defensoras das suas crias, e defendem-nas o melhor que podem. Mas nem sempre conseguem evitar que os humanos lhes levem os filhotes, nem que lhes façam mal. E, nesses casos, sofrem muito com a ausência deles.

Pude ver isso mesmo quando mataram os filhos da Boneca. Ela andava cabisbaixa e a miar a toda a hora à porta daquele que os levou e matou.

Também vejo isso pela gata que aqui está ao pé do mau trabalho. Assim que alguém se aproxima da porta da casa abandonada onde eles, supostamente, estão, ela vai logo para lá.

E esta gata da imagem, invadiu uma clínica veterinária depois de terem levado para lá os seus filhotes. As funcionárias do centro veterinário da Nova Zelândia perceberam que uma gata andava a rodear o edifício, e a tentar entrar quando a porta se abria. Mesmo depois de terem tantado espantá-la, ela nunca desistiu!

Para a surpresa de todos, vieram a constatar que a gata era a mãe de quatro filhotes que tinham sido levados para o centro veterinário. Parecem que tanto a mãe como os gatinhos estão bem, e à procura de um novo lar.