Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Quando os gatos dos vizinhos nos pregam sustos

A imagem pode conter: gato e ar livre

 

No último feriado, estava eu a ir despejar o lixo, quando vi este menino deitado debaixo do carro da vizinha. 

À vinda para trás, baixei-me para falar com ele.

 

 

Estava muito quieto, sossegado, todo enroscado.

É certo que estava um vento doido e ali sempre estaria abrigado, mas estranhei não se manifestar como é costume. Os olhos mal abriam. Até os fechou ainda mais. Fiquei preocupada.

Pensei que o gato estivesse doente. E até fui chamar a minha filha para o ver.

 

 

Quando me baixo novamente, para mostrar à minha filha como estava letárgico, eis que ele começa a espreguiçar-se como habitualmente, e a rebolar de um lado para o outro, de barriga para cima, para receber festinhas!

 

 

Pregou-me um susto, mas felizmente foi só isso!

 

 

 

Quando os nossos gatos fogem, e nem nos apercebemos disso!

49038024_2286700071602124_7651816109946961920_o.jp

 

 

Por já ter, infelizmente, alguma experiência no que toca a fugas de gatos da nossa casa, foi precisamente sobre esse tema que escrevi para a Miau Magazine de Janeiro.

No artigo, recordo a aventura da Tica, e partilho dicas sobre o que fazer em caso de desaparecimento do nosso animal de estimação, bem como conselhos para não alimentar aquele sentimento de culpa que tanto nos afecta. Claro que todo o artigo se refere a quando um gato desaparece, e nós sabemos disso e tentamos encontrá-lo.

 

 

Mas, e quando os nossos gatos fogem, e nem nos apercebemos disso?!

Como costumo dizer, tanto a Becas como a Amora têm algumas semelhanças com a Tica, não só a nível físico, como de feitio.

E a Becas parece ter herdado alguns dos genes da Tica, que saía para a rua, mal apanhava uma porta aberta. Esses genes estão a manifestar-se cada vez mais, e ontem passou a noite na rua.

Sem sabermos.

 

 

A primeira tentativa foi quando eu cheguei a casa. Apanhámo-la logo no quintal.

A segunda tentativa foi quando o meu marido veio das compras. Mais um vez, pegámos nela, e levámo-la de volta para casa.

À terceira, foi de vez. O meu marido saiu para trabalhar e não se apercebeu que, com ele, também a Becas tinha saído.

Tanto eu como a Inês já estávamos deitadas, e convencidas de que a Becas estava em casa.

 

 

De madrugada, a Amora começou a andar inquieta. Ora entrava dentro da cama, ora saía. ora voltava a entrar, para logo em seguida sair.

Ouvi também um barulho na porta. Parecia alguém a tentar abri-la. Mas pensei que fosse a Becas a brincar com as caixas que tinha deixado na entrada, e não liguei.

De manhã, levanto-me, e oiço miar. 

Olha, a Becas está com tanta fome que já mia desalmadamente, pensei eu. Mas não a vi.

Abri a porta da casa de banho, achando que ela podia ter ficado lá fechada, mas não. E o som vinha de longe. 

Abri a porta da dispensa, e também não estava lá.

Espreito pela janela da porta, para ver se era o Branquinho a miar lá fora. Vejo um gato. Parece clarinho. Abro a porta e, apesar de estar escuro, parece o Branquinho. Continuo a andar, para confirmar, e descubro que é o Branquinho, sim, e acompanhado pela Becas!

 

 

E é aqui que o meu coração pára momentaneamente, perante a constatação de que a nossa Bequinhas passou a noite toda na rua, ao frio, sabe-se lá com quem, e em que condições.

Enquanto nós dormíamos descansadas, na cama, quentinhas.

Pego imediatamente nela, e levo-a para casa. Só depois me apercebi do quão mau isto pareceu, por ter deixado o Branquinho na rua, sozinho, enquanto levava a Becas para casa.

E pode parecer parvoíce mas, apesar de tudo, fico grata ao Branquinho porque, de certa forma, parece que a protegeu e lhe fez companhia  para não se sentirem tão sós. 

Ela estava aparentemente bem, sem nenhuma ferida ou marca de que tenha corrido mal a noite.  Penso que ela não terá saído dali do quintal, uma vez que a Amora andava inquieta, quem sabe percebendo que alguma coisa se passava, ou que a amiga estava lá fora.

Já em casa, comeu, fez as suas necessidades, e estava na boa.

 

 

A Amora é que não parou de bufar a assanhar-se para ela o tempo todo, estranhando a companheira, e a pensar por que raio tínhamos levado um gato lá para casa. E se eu pegava na becas ou lhe fazia festinhas, a seguir a Amora assanhava-se para mim também.

Cá entre nós, temos a teoria de que a Amora está cheia de ciúmes porque a Becas passou a noite com o Branquinho, e agora até já parece amiga dele!

 

 

E agora?

O que fazer quando o nosso gato, que está sempre em casa, passa algum tempo na rua, inclusive em contacto com outros gatos?

Tendo em conta que ela não está ferida, e que não pode ficar prenha, já que é esterilizada, as principais preocupações são desparasitá-la, interna e externamente, e à Amora também.

Apesar de tudo, não acredito que tenha contraído alguma doença mais grave mas, por descargo de consciência, será melhor marcar consulta no veterinário, para verificar se está tudo bem. E, logo que possível, vacinar ambas contra o Felv, não vá a fuga repetir-se de novo.

Uma noite de "gato"

Resultado de imagem para gatos na cama com os donos

 

Como dormir mal de noite à custa de um gato? Tê-lo a dormir connosco na cama!

Há as chamadas "noites de cão", e estas são as "noites de gato", que todos os donos destes animais tão bem conhecem!

As nossas gatas sempre dormiram connosco na cama, assim o queiram, o que por vezes nos limita os movimentos e nos faz dormir nas posições mais doidas que possam imaginar. A Becas e a Amora, por norma, dormem em cima da cama.

A Amora tem um ritual que costuma pôr em prática, que é entrar dentro da cama por alguns minutos, e sair ao fim de um tempo, para se deitar do lado de fora.

Foi o que eu pensei que ela fosse fazer ontem e, por isso, estava à espera desse momento para ajeitar melhor a almofada, e poder baixar o braço que estava a segurar os cobertores, para ela estar à vontade. Só que a menina Amora estava tão bem ali no quentinho, que se esticou ainda mais, ficando a dormir ao meu lado, como se fosse um bebé, com a cabeça na direcção da minha, toda a noite.

 

Ora, apesar de os gatos adorarem os sítios mais quentes para dormir, e passarem a maior parte do tempo a dormir, ainda assim estão sempre em alerta.

No entanto, quando dormem com os seus donos, eles sentem-se seguros e relaxados o suficiente para repousarem profundamente.

 

E para nós, donos, isso pode ser assustador! Porquê?

Porque eles ficam de tal forma relaxados, que quase não se sente o corpo mover-se devido à respiração, e o corpo deles é um peso morto.

Já por duas vezes, o meu marido se assustou com a Amora, achando que ela estava morta (madeira x 3), porque não a sentia. 

Esta noite, foi a minha vez de, cada vez que acordava, verificar se estava tudo bem com a Amora, porque não a sentia. Até quando peguei na mão dela, não houve reacção. Mas depois lá abria um olho, ou movia a cabeça, como que a perguntar-me o que raio estava eu a fazer, e eu descansava e voltava a dormir.

A certa altura, deixei mesmo a cabeça dela destapada, para ela poder respirar à vontade. Parecia uma autêntica criança, um filho a dormir connosco!

E foi assim a minha noite, até que ela se levantou, com o toque do despertador.

Uma verdadeira noite de gato, como podem ver!  

Encomendas felinas!

 

Todos sabemos como os gatos têm uma adoração especial por caixas! 

Nestes casos, esse fascínio poderia ter-lhes custado a vida e valeram, por certo, muitos nervos e preocupação aos donos.

 

Uma gatinha, na Itália passou por um mau momento quando resolveu enfiar-se dentro de uma caixa, onde acabou por adormecer.

O dono da gata, sem saber que ela estava na caixa de papelão, fechou a caixa e enviou-a para o seu destino final – a centenas de quilômetros de distância.

A caixa esteve viagem por quatro dias, e a gata permaneceu no seu interior durante todo esse tempo. Quando a encomenda chegou a Vicenza, os funcionários do correio local ficaram alarmados ao ver uma caixa a mexer e decidiram abri-la, encontrando a gata que, apesar de desidratada, estava melhor do que seria de esperar.

Felizmente, conseguiram identificar o dono que, desesperado à procura da gata que tinha desaparecido, ao saber onde ela estava, dirigiu-se de imediato para o local.

 

 

 

Também em Inglaterra ocorreu uma história semelhante.

Uma gata, de oito anos, estaria a dormir dentro da caixa de cartão quando a dona, Julie Baggott, sem se aperceber da sua presença, fechou a encomenda de DVD's e a enviou pelo correio para um cliente.

Foram oito dias que a gata esteve fechada na caixa, levada pelos serviços de correio de Inglaterra, de uma distância de 418 quilómetros, entre as localidades de Falmouth, na Cornualha, e Worthing, em West Sussex.

O grupo de serviços veterinários ajudou a encontrar os donos de Cupcake através do "microchip" de identificação do animal.

E também esta história teve um final feliz.

 

Mas talvez estas duas gatas tenham ficado um pouco traumatizadas com caixas! Ou então, não!

 

 

 

Já ganhei o dia!

E, por hoje, posso respirar de alívio!

Há já uma semana que não via os meus afilhados. Vi a mãe, vi a tia, até o pai vi, mas nem sinal dos pequenotes.

Como nos últimos tempos já começavam a vir mais para a entrada do portão, temi o pior: que alguém os tivesse apanhado, ou que lhes tivesse acontecido alguma coisa.

 

Hoje, quando ia levar a minha filha à escola, vi um gato branco, mas era maior. Aquele é o Pompom? Não pode ser! O Pompom não engordou assim em tão pouco tempo, nem cresceu tanto! Não era o Pompom. Mas levou-me a segui-lo e, mais à frente, aí sim, estava o verdadeiro Pompom, com os seus olhinhos azuis, igual ao de sempre! Atrás, o seu pai. 

Como a minha filha teve companhia de uma amiga, voltei atrás, e fui ao átrio da igreja, onde vi a Oreo a subir os ramos da árvore.O Pompom, ao me ver aproximar, desceu para o sítio do costume. O pai ficou indeciso se havia de o seguir, ou zelar pela Oreo, que continuava em cima do muro, embora com receio.

Para não os assustar mais, vim embora. O tal gato branco,que deve ser aquele que está no Palácio dos Marqueses, mesmo ao lado, veio atrás de mim e ainda lhe consegui fazer umas festinhas!

 

Quanto aos bebés, continuam inseparáveis!

 

IMG_4807.JPGIMG_4806.JPG

IMG_4808.JPG

 

Déjà vu - onde é que já vi este filme?!

IMG_4762.JPG

 

Cuidado com aquilo que desejas!

Por vezes, os desejos realizam-se mesmo, mas o feitiço pode-se virar contra o feiticeiro.

 

Neste caso, são inevitáveis as semelhanças, em algumas atitudes, entre a nossa falecida Tica, e a Becas.

Até na sua febre de ir para a rua. Sempre que chegamos a casa, temos que estar muito atentos, porque ela vem logo a correr para a porta e, se nos descuidamos, sai. E a Amora, como boa aluna, também se coloca muitas vezes à porta, a jeito para sair, mal ela se abra.

 

Ora, ontem, para evitar isso mesmo, quando o meu marido chegou do trabalho, bateu à porta. Vi as duas irem para a cozinha, mas a Amora chegou primeiro, e foi nela que peguei. Abri a porta e pensei, não há problema, a Becas não está por perto.

 

O tempo foi passando e o meu marido perguntou pela Becas. 

Disse-lhe que devia andar por ali, porque ainda há pouco a tinha visto.

Cerca de uma hora depois, batem à porta. Era o vizinho de cima, a perguntar se aquela gata que estava ali no quintal era nossa.

 

Alerta!!!

 

O meu marido foi logo ver e, adivinhem, era a Becas que, sabe-se lá como, conseguiu escapar-se pela porta e esteve aquele tempo todo na rua, de noite, sem nós sequer imaginarmos.

Se não nos avisassem, passaria lá a noite.

 

Onde é que eu já vi este filme antes?!

Prevejo alguns sustos e preocupações daqui em diante, à custa desta menina.

Está cada vez mais parecida com a Tica, até na parte que não devia!