Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

Clube de Gatos do Sapo

Este blog pertence a todos os gatos que andam aqui pela plataforma do Sapo, e que pretendem contar as suas aventuras do dia a dia, dar conselhos, partilhar experiências e conhecimentos, e dar-vos a conhecer o mundo dos felinos!

O fim de uma colónia (pelos piores motivos)

61595762_1031902407010227_347667895985111040_n.jpg

 

Da última vez que aqui falei da Colónia de Santo André, a mesma estava a ser intervencionada por uma associação, com vista ao CED. Isto foi em Julho.

 

Hoje, final de setembro, é com muita pena minha que aqui escrevo sobre o fim da colónia 

Não porque tenham sido adoptados, mas porque todos, à excepção da Bela, desapareceram.

 

Hoje, ao falar com uma senhora que vive ao lado da colónia, ela disse-me que os filhotes da Beckie, que estavam num quintal do outro lado da estrada, devem ter morrido, atacados por ratazanas (parece que por ali andam algumas).

 

Por outro lado, a mesma senhora diz que costumam ir para aquele edifício algumas pessoas, à noite. Ora, não será preciso dizer mais, para adivinharmos que tipo de pessoas irão para ali, e o que poderão fazer aos gatos que, por norma, é ao final do dia e noite que ali aparecem.

 

Os primeiros gatos da colónia, como é o caso da Bela, estão ali há cerca de 3 anos. Desde então, muitos nasceram, outros tantos morreram (uns ainda bebés, outros atropelados ao atravessarem a estrada), outros desapareceram.

Mas há muito que por lá andavam os residentes habituais, sobreviventes, com quem acabei por criar uma ligação especial, apelidando-os de meus afilhados.

 

Sinto-me triste porque, provavelmente, nunca mais irei ver a pequena Oreo, ou o meu Pompom, que eu tanto adorava, e que acompanhei desde que eram pequenitos.

Nem as malhadinhas - Minnie, Margarida e Charlotte. Nem o D. Juan. Nem a Flockita, nem a Beckie.

 

Sinto-me triste, porque não morreram de fome, nem de frio, nem por doença. Nem por conta dos estudantes que para lá iam durante o dia.

Porque não morreram, nem sequer, quando deitaram abaixo parte do edifício. Porque nunca ninguém lhes fez mal e, agora, sem saber o que se passou, não há nem sinal de nenhum deles.

 

Aliás, o único sinal do que, eventualmente, pode ter acontecido, é de embrulhar o estômago.

No outro dia, e porque a associação teve conhecimento do desaparecimento dos gatos, e perguntou se teria sido algum caso de envenenamento, embora os médicos da Câmara digam que ninguém participou o aparecimento de cadáveres, arrisquei-me a ir ao pátio do edifício.

 

Andava por lá a Bela. Ficou a ver o que eu estava ali a fazer. Não quis (nem sei bem por onde se entra) entrar dentro do próprio edifício. Fiquei-me pelo pátio que vai dar à parte demolida. Não vi nada.

Mas ali, no sítio onde costumam brincar e andar, no meio das ervas, estava aquilo que com que ninguém se quer deparar: um cadáver de um gato.

 

E não fiquei ali mais tempo, não fosse ver mais alguma coisa que não quisesse. Não sei o que poderá, quem tiver autoridade para entrar no edifício e o faça, encontrar lá dentro. 

 

Para já, resta a Belinha, que não sei até quando se irá aguentar por ali sozinha, ou até que qualquer outro gato a ela se junte.

 

A tristeza e a felicidade nos gatos

IMG_7341.JPG

 

Como já aqui disse várias vezes, a Becas e a Amora são duas gatas muito diferentes a nível de comportamento.

 

Quando pequenas, a Becas era uma espécie de macaca, activa, subia por todo o lado, corria e brincava.

A Amora ia brincando conforme conseguia, mas eram mais as vezes que ficava apenas a observar, precisando de ser estimulada.

 

 

 

IMG_7343.JPG

 

Agora que já têm 3 anos, é visível a mudança que ocorreu em ambas.

A Becas é agora uma gata muito mais séria, que gosta de brincar, sobretudo, se o fizermos com ela, mas prefere muitas vezes estar deitada. A não ser quando quer companhia para comer, não pede atenção. Fica à espera que lhe seja dada por nós, de livre vontade. É capaz de ficar horas sozinha, se não a formos buscar e, mesmo assim, quando por vezes o fazemos, vai-se embora chateada por a termos incomodado.

Mas, como também já mencionei, é uma gata extremamente carente, cujos "nãos" são, muitas vezes, um "sim".

Olhando para ela, e tirando alguns momentos em que se percebe que está bem, tenho sempre a sensação de que está triste, com um ar fechado, sério... É estranho, mas é o que sinto.

 

 

Por outro lado, a Amora tem os seus momentos de carência mas, de uma forma geral, parece sempre uma gata feliz, animada, bem disposta. Vejo-a muitas vezes a brincar e entreter-se sozinha, a mostrar a sua vontade, a aventurar-se.  

 

 

Ainda não cheguei a esse ponto...

Imagem relacionada

 

...nem sei se algum dia conseguirei.

 

 

Por muito que sejamos apaixonados pelos animais e queiramos vê-los bem, ou ajudá-los quando precisam, nem sempre conseguimos estar lá para todos.

Os veterinários sabem disso, as associações sabem disso, algumas pessoas que lidam com os animais sabem disso. E, com o tempo, vão ficando vacinadas contra o choque, a tristeza, a impotência, a frustração... Não é que não o sintam, mas conseguem ultrapassar mais facilmente porque, afinal, não podem fazer mais nada e existem outros à espera.

Algumas pessoas conseguem passar pelas situações, observando, agindo e seguindo em frente, sem se deixarem afectar muito porque, se fossem desesperar e cair em lágrimas sempre que algo de pior acontece, estariam apenas a prejudicar a sua saúde mental.

 

 

Eu ainda não consegui chegar a esse ponto. Ainda me deixo afectar facilmente. Ainda sofro com a má sorte dos animais que vou encontrando ou conhecendo nesta vida. A fonte ainda está longe de secar.

Hoje, quando ia com a minha filha para a escola, deparámo-nos com um gato morto na estrada. Os carros desviavam-se para a outra faixa, para não passarem por cima. Não era nenhum dos meus afilhados. Não conhecia o gato, nunca o tinha visto na vida.

Mas fez-me imensa impressão. Alguém o atropelou, e seguiu em frente. Estava cheio de sangue.

 

 

Deixei a minha filha na escola, e voltei pelo mesmo caminho, para casa. O trânsito aquela hora é terrível, porque os pais vão levar os filhos à escola. A continuar ali na estrada, involuntariamente, o gato poderia provocar algum acidente. Passaram várias pessoas que, como eu, olharam e seguiram caminho. Mas não consegui deixá-lo ali.

Aproveitei que não vinham carros naquela faixa e peguei no gato, levando-o para o passeio. O corpo não estava rígido, o que significa que tinha sido atropelado há pouco tempo. O pelo estava cheio de salpicos de sangue, e nem vale a pena descrever como estava a cabeça dele.

Entretanto liguei para a protecção civil, que me encaminhou para o canil, para fazer a recolha do animal.

 

 

Talvez chegue o dia em que em consiga fazer tudo isto e voltar à minha vida, sem me chocar, sem chorar, sem me preocupar muito porque não havia nada que eu pudesse fazer.

Mas hoje, a imagem não me sai da cabeça, e é sempre difícil esquecer todas as imagens que se vão juntando ao longo do tempo.

 

O triste comentário do Sr. Júdice no jornal das 8 TVI

judicejafoste.jpg

O homem falou, falou, e a dada altura vai buscar o tema dos animais. Foi um comentário tão sarcástico, ignorante, ele gozou e desvalorizou o tema. Como pode existir alguém assim!? Uma pessoa importante, culta, influente e depois dizer estas calinadas. Uma tristeza! Nunca deve ter tido um animal de estimação. Possivelmente nunca um o escolheu, e posso imaginar o porquê!

 

Não consegui  colocar aqui o vídeo, mas o tema surge mesmo no fim da sua intervenção.

 

Entretanto, consegui encontrar o comentário por ele escrito :

sersarcrasticojudice.jpg

 

O Aqui Há Gato encerrou ontem as suas portas

Foto de Aqui há Gato.

 

É com tristeza que partilho esta notícia.

Tivemos oportunidade de conhecer este espaço aquando do lançamento do nosso livro do Clube de Gatos, e penso que a opinião era unânime: adorámos!

Infelizmente, o projeto não conseguiu seguir adiante, e deixaram a seguinte mensagem:

 

"Por questões pessoais, hoje foi o nosso último dia de portas abertas.
Queremos agradecer a todos aqueles que nos seguem nesta página.
Foi uma experiência fantástica como pioneiros deste projeto em Portugal.
Esperemos que mais Cat Cafés abram no nosso país e que sejam recebidos e abraçados por todos nós.
Desejamos boas festas e um bom ano a todos vós!"

 

Quanto aos gatos residentes, parece que foram todos adoptados. De qualquer forma, mesmo que não tenham sido, voltarão, certamente, para a associação Rafeiros SOS.